Performance e dança: o Boi da Manta e a prática dramática do dançarino-ator de Geraldo Vidigal

Autores

  • Gercino Alves Batista Palácio das Artes
  • Pedro Ipiranga Júnior Universidade Federal do Paraná
  • Renata Otto Diniz Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Boi da Manta, Ritual performance, Dance-theater, Geraldo Vidigal

Resumo

No presente trabalho se interseccionam dois objetivos: por um lado, comentar,  discutir e repertoriar alguns aspectos genealógicos, teóricos, metodológicos e  culturais subjacentes ao festejo popular, conhecido como “Boi da manta”, organizado e montado pelo grupo “Irmandade dos Atores da Pândega” da cidade de  Lagoa Santa em Minas Gerais; por outro lado, fazer uma exposição da prática de  performance realizada pelo grupo, em sua relação de filiação com o teatro-dança de Geraldo Vidigal. O artigo, em vista disso, se constitui de três partes: na primeira e na segunda partes são expostos e desenvolvidos respectivamente os
dois eixos temáticos acima mencionados (comentários sobre o “Boi da Manta”  e exposição da prática de performance adotada pela grupo), enquanto a terceira parte terá a forma de apresentação oral e entrevistas com o fundador do grupo, Gercino Alves Batista (que também trabalhou com Geraldo Vidigal), por um  lado, comentando e fazendo o registro sobre a constituição do ‘Boi da Manta’  dentro das atividades do grupo ‘Irmandade dos Atores da Pândega’ em Lagoa Santa, por outro lado, discutindo e refletindo acerca da problemática e das especificidades da performance ritual, do ritual enquanto performance e da prática dramática, envolvendo teatro e dança, realizada por Geraldo Vidigal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gercino Alves Batista, Palácio das Artes

Fundador do grupo ‘Irmandade dos atores da pândega’, Gercino, atualmente mestre de capoeira,
tem desenvolvido atividades como ator, dançarino, coreógrafo, também como produtor de eventos culturais, e é bolsista pesquisador do Palácio das Artes.

Pedro Ipiranga Júnior, Universidade Federal do Paraná

Professor de Língua e Literatura Grega da Universidade Federal do Paraná.

Renata Otto Diniz, Universidade de Brasília

Doutoranda do curso de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade de Brasília, mestre em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional (PPGAS/Museu Nacional) e pesquisadora do Laboratório de Antropologias da T/terra (UnB).

Referências

ANDRADE, Mário. Danças dramáticas do Brasil. 2. ed. Organização Oneyda Alvarenga. Belo Horizonte, Brasília: Itatiaia/Instituto Nacional do Livro/Fundação Nacional Pró-Memória, 1982 (3 tomos).

CARVALHO, Luciana. “Riso, ritual e performance no bumba-meu-boi”. In: CAVALCANTI, Maria Laura Viveiro de Castro e GONÇALVES, José Reginaldo Santos (orgs.). As festas e os dias: ritos e sociabilidades festivas. Rio de Janeiro: Contra

Capa, 2009, pp. 115-141.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. “O boi em dois tempos. O Bumbameu-boi em Mário de Andrade e o Bumbá de Parintins na Amazônia hoje”. In: Revistas Todas as Artes, Vol. 1, n.º 1, (2018): 112-129. Link: https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/5042

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. “Ritual e teatro na cultura popular”. In: Textos escolhidos de cultura e arte populares, v.12, n.1 (2015): 7-22. Link: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/tecap/article/view/16354

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiro de Castro. “Tempo e narrativa nos folguedos do boi”. In: As festas e os dias: ritos e sociabilidades festivas. Maria Laura Viveiro de Castro Cavalcanti e José Reginaldo Santos Gonçalves (orgs.). Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009, pp. 93-114.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. “Tema e variantes do mito: sobre a morte e a ressurreição do boi”. In: Mana [online], vol.12, n.1 (2006): 69-104. Link: https://www.scielo.br/j/mana/a/7jHfJTyDPJPYKQtccMbDJMR/?lang=pt

GOLDMAN, Márcio. “O fim da antropologia”. In: Novos estudos CEBRAP, 89 (2011): 195-211. Link: https://doi.org/10.1590/S0101-33002011000100012

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Trad. Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LEVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. Trad. Tânia Pellegrini. Campinas: Papirus, 1989.

LIGIÉRO, Z. (org.). Performance e Antropologia de Richard Schechner. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

MARTINS, Leda Maria. Afrografias da Memória: o reinado do rosário do jatobá. São Paulo: Perspectiva, 1997

MELLO, Regina Lara Silveira, SANTOS, Rogério Pereira dos, AMARAL, Thais. “Ritual sagrado: a dança em Martha Graham e Pina Bauch”. Pontos de Interrogação, v. 6, n. 1 (2016): 125-146. Link: https://www.revistas.uneb.br/index.php/pontosdeint/article/view/3228

PEREIRA, Edimilson de Almeida. Os tambores estão frios: herança cultural e sincretismo religioso de Candombe. Juiz de Fora – Belo Horizonte: Funalfa Edições – Mazza Edições, 2005.

SCHECHNER, R. (2012). “Jogo; A estética do Rasa; A rua é palco”. In: LIGIÉRO, Z. (org.). Performance e Antropologia de Richard Schechner . Rio de Janeiro: Mauad X, pp. 49-198.

SOUZA, Dimas Antônio de. CAMPO DE MANDINGA: presentificação estética, ética e política na Capoeira Angola. Tese de doutorado. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2016. Link: http://hdl.handle.net/1843/BUBD-AL3RUK

TENÓRIO, Basílio. A Cultura do boi-bumbá em Parintins. Parintins: Gráfica e Editora João XXIII, 2016.

WAGNER, Roy. A Invenção da Cultura. Trad. Marcela Coelho de Souza e Alexandre Morales. São Paulo: Cosac Naify, 2010

Downloads

Publicado

2022-04-28

Como Citar

Alves Batista, G., Ipiranga Júnior, P., & Diniz, R. O. (2022). Performance e dança: o Boi da Manta e a prática dramática do dançarino-ator de Geraldo Vidigal. Dramaturgias, (19), 15–37. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/dramaturgias/article/view/44610