É o capital um acelerador?

Aceleração das forças produtivas como fuga e antagonismo

Autores

  • Felipe Fortes PPG Filosofia PUCRS/Doutorando
  • Émerson Pirola PPG Filosofia PUCRS/ Doutorando

Palavras-chave:

aceleracionismo; aceleração; antagonismo; forças produtivas desejantes.

Resumo

O capitalismo moderno não raro é definido por sua velocidade e aceleração em comparação a formações sociais anteriores. Contemporaneamente, ganhou certa relevância a posição teórica conhecida de maneira genérica como “aceleracionismo”, que coloca, em linhas gerais, que o capital é uma força motriz de desenvolvimento, progressão e, consequentemente, aceleração, incitando revoluções e rupturas nos modos de organização social, e, dessa maneira, não sendo um processo de desterritorialização que possa ser contido, a aceleração do capital é vista como um imperativo. Imanentemente à essa corrente, surgem, à esquerda, uma contraposição à ideia de que é o capital que deva ser acelerado, alertando ao bloqueio e restrição que o capital provoca nas forças produtivas sociais, abrindo espaço para uma reapropriação sócio-técnica e uma aceleração contrária ao desenvolvimento do capital, em direção à um pós-capitalismo. Em nossa perspectiva, por mais que essas vertentes tenham contribuições importantes ao debate sobre o desenvolvimento do capitalismo, elas perdem de vista a centralidade das forças produtivas e da produção desejante como o real vetor da aceleração. Voltando sobretudo a Deleuze e Guattari e à matriz teórica do (pós-)operaísmo, buscamos ao analisar, tanto o aceleracionismo de Nick Land quanto o aceleracionismo de Alex Williams e Nick Srnicek, tomadas por nós como os principais vetores de duas tendências aceleracionistas, os pontos frágeis em seu desenvolvimento teórico, buscando afirmar a tese de que, são as forças produtivas desejantes que aceleram a produção ativa de suas linhas de fuga em um processo de antagonismo, ao qual o capital e seus aparelhos de captura devem, “correndo atrás” em um segundo momento estrutural, capturar por um movimento aceleratório e progressivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ARANTES, Paulo. O Novo Tempo do Mundo: e outros estudos sobre a era da emergência. Coleção Estado de Sítio. São Paulo: Boitempo, 2014.

AVANESSIAN, Armen; MACKAY, Robin. Introduction. In.: ________. (eds.). #Accelerate# - The acceleracionist reader. United Kingdom: Urbanomic, 2014, p. 1-50.

BENSUSAN, Hilan. O capital transversal e a seus rebentos atrativos - ou a infância das máquinas. Revista Direitos, trabalho e política social, CUIABÁ, V. 6, n. 10, p. 88-109, Jan./jun. 2020.

BRASSIER, Ray; MACKAY, Robin. Editors’ Introduction. In.: LAND, Nick. Fanged Noumena: Collected Writings 1987-2007. Falmouth: Urbanomic, 2011, p. 1-54.

CARON, J.-P. zEros: Land, Sellars e o Aceleracionismo. Notas para uma política sellarsiana. DasQuestões, n#6, setembro/dezembro, 2018.

CASARINO, Cesare. Surplus Common: A Preface. CASARINO, Cesare.; NEGRI, Antonio. In praise of the common: a conversation on philosophy and politics. Minneapolis/London: University of Minnesota Press, 2008, p. 1-39.

CAVA, Bruno. A coruja voa de tarde: a ontologia comunista do fazer-se da multidão. Revista Eco-Pós, v. 15, 2012, p. 51.

COCCO, Giuseppe; CAVA, Bruno. New Neoliberalism and the Other: Biopower, Anthropophagy, and Living Money. Lanham/Boulder/New York/London: Lexington Books, 2018.

DELEUZE, Gilles. Prefácio. In.: NEGRI, Antonio. A anomalia selvagem: poder e potência em Spinoza. Tradução de Raquel Ramalhete. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993, p. 7-9.

__________. O conceito de diferença em Bergson. In.: _______. Bergsonismo. 2ª ed. São Paulo: Editora 34, 2012.

__________. Desejo e prazer. In.: _______. Dois regimes de loucos. São Paulo: Editora 34, 2016.

DELEUZE, Gilles & Félix GUATTARI. O Anti-Édipo. Tradução de Luiz Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2010.

__________. Mil platôs ”“ Capitalismo e esquizofrenia 2 [1980], v. 3. São Paulo: Editora 34, 2012a.

__________. Mil platôs ”“ Capitalismo e esquizofrenia 2 [1980], v. 5. São Paulo: Editora 34, 2012b.

FISHER, Mark. Terminator vs Avatar. In.: MACKAY, Robin & AVANESSIAN, Armen (eds.). #Accelerate# - The acceleracionist reader. United Kingdom: Urbanomic, 2014, p. 335-46.

__________. Realismo capitalista. São Paulo: Autonomia Literária, 2020.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Empire. Cambridge/London: Harvard University Press, 2000.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Fenomenologia do espírito. Parte 1. Petrópolis: Vozes, 1992.

HUI, Yuk. On the Unhappy Consciusness of Neoreactionaries. e-flux journal #81 ”” april 2017.

LAND, Nick. Fanged Noumena: Collected Writings 1987-2007. Falmouth: Urbanomic, 2011.

__________. “A quick-and-dirty introduction to accelerationism”. Jacobite, 2017. In: https://jacobitemag.com/2017/05/25/a-quick-and-dirty-introduction-to-accelerationism/. Acesso em julho de 2020.

LAND, Nick. PLANT, Sadie. Ciberpositive. MACKAY, Robin & AVANESSIAN, Armen (eds.). #Accelerate# - The acceleracionist reader. United Kingdom: Urbanomic, 2014, p. 303-14.

LORDON, Frédéric. Willing Slaves of Capital - Spinoza and Marx on Desire. Translation by Gabriel Ash. London: Verso Books, 2014.

LYOTARD, Jean-François. Économie Libidinale. Paris: Les editions de minuit, 1974.

__________. Energumen Capitalism. In.: MACKAY, Robin & AVANESSIAN, Armen (eds.). #Accelerate# - The acceleracionist reader. United Kingdom: Urbanomic, 2014, p. 163-208.

MACKAY, Robin; AVANESSIAN, Armen (Orgs.). #Accelerate#: the accelerationism reader. UK: Urbanomic, 2014.

MARQUES, Victor; GONSALVES, Rodrigo. Contra o cancelamento do futuro: a atualidade de Mark Fisher na crise do neoliberalismo. In.: FISHER, Mark. Realismo capitalista. São Paulo: Autonomia Literária, 2020, p. 163-207.

MARX, Karl. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. Tradução de Mario de Duayer e Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2011.

__________. O Capital ”“ Crítica da Economia Política: Livro I ”“ O processo de produção do capital. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2015.

MARX, Karl & ENGELS, Friedrich. Manifesto Comunista. Tradução de Álvaro Pina. São Paulo: Boitempo, 2002.

NEGRI, Antonio. A anomalia selvagem: poder e potência em Spinoza. Tradução de Raquel Ramalhete. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.

__________. Reflexões sobre o manifesto aceleracionista. Lugar Comum, n. 42, jan-mai, 2014, p. 143-51.

________. Marx além de Marx: Ciência da crise e da subversão ”“ Cadernos de trabalho sobre os Grundrisse. Trad. Bruno Cava. São Paulo: Autonomia Literária, 2016.

__________. Ulisses Deleuze e Aquiles Guattari: Negri, sobre Gilles e Félix [entrevistado por Jefferson Viel]. In.: ________. Deleuze & Guattari: Uma Filosofia para o século. Organizado por Jefferson Viel. São Paulo: Editora Filosófica Politeia, 2019, p. 140-75.

NUNES, Rodrigo. ‘Forward How? Forward Where? I: (Post-)Operaismo Beyond the Immaterial Labour Thesis. ephemera, vol. 7 (1), 2007, p. 178-202.

PRECIADO, Paul. Texto Junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. São Paulo: n-1 edições, 2018.

ROSA, Hartmut. Aceleração: a transformação das estruturas temporais da Modernidade. São Paulo: Editora Unesp, 2019.

SHAVIRO, Steven. No speed limit: three essays on accelerationism. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2015.

SRNICEK, Nick; WILLIAMS, Alex, #Accelerate: Manifesto for an accelerate politics. In: MACKAY, Robin; AVANESSIAN, Armen (Orgs.). #Accelerate#: the accelerationism reader. UK: Urbanomic, 2014.

__________. Inventing the future. London/NY: Verso, 2015.

WARK, McKenzie. Uma crítica hacker ao manifesto aceleracionista. Lugar Comum, n. 41, p. 299-308, 2014.

__________. On Nick Land. Verso Books’ Blog. 2017 Disponível em: https://www.versobooks.com/blogs/3284-on-nhttps://www.versobooks.com/blogs/3284-on-nick-landick-land. Acesso em julho de 2020.

Downloads

Publicado

2021-06-20

Como Citar

FORTES SILVEIRA, F.; DOS SANTOS PIROLA, Émerson . É o capital um acelerador? Aceleração das forças produtivas como fuga e antagonismo. Das Questões, [S. l.], v. 12, n. 1, 2021. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/dasquestoes/article/view/34931. Acesso em: 27 nov. 2021.