Da importância das hierarquias cartográficas como ferramental metodológico: o caso de em x tempo

Autores

  • João Francisco Bergamini-Perez Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

adjuntos temporais, cartografia sintática, sintaxe gerativa

Resumo

Este squib tem como objetivo principal diagnosticar as possíveis posições que o adjunto temporal de medida em x tempo pode vir a ocupar na estrutura sentencial do português brasileiro. Para isso, recorremos à hierarquia de Cinque (1999) como instrumento para diagnosticar a posição desse sintagma de medida, no espírito da metodologia do Programa Cartográfico (CINQUE, 1999, 2004, 2006; RIZZI, 1997, 2004; entre outros). Veremos que o adjunto em x tempo parece ter certa flexibilidade posicional, a depender de sua interpretação, o que pode ser demonstrado se tomarmos os advérbios da hierarquia de Cinque como diagnósticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BASSO, R. Telecidade e detelicização: semântica e pragmática do domínio tempo-aspectual. Dissertação (Mestrado em Linguística) ”“ Universidade Estadual de Campinas, 2007.

BASSO, R. M.; PIRES DE OLIVEIRA, R. ‘em X tempo’ e ‘por X tempo’ no domínio tempo-aspectual. Revista Letras, Curitiba, v. 81, p. 77-97, 2010.

BASSO, R. M. Uma proposta para Semântica dos adjuntos ‘em X tempo’ e ‘por X tempo’. Alfa, São Paulo, v. 55, n. 1, p. 113-134, 2011.

BASSO, R. M.; BERGAMINI-PEREZ, J. F. Adjuntos temporais e measure phrases: uma proposta semântica. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 58, n. 2, p. 345-367, 2016.

BERGAMINI-PEREZ, J. F. A semântica dos adjuntos temporais: uma proposta de análise com a semântica de vetores. Dissertação (Mestrado em Linguística) ”“ Universidade Federal de São Carlos, 2019.

CINQUE, G. Adverbs and Functional Heads: a Cross-Linguistic perspective. Venezia: Centro Linguistico Interfacoltà , Università degli studi di Venezia, 1997.

CINQUE, G. Adverbs and Functional Heads: A Cross-linguistic Perspective. New York: OUP, 1999.

CINQUE, G. Issues in adverbial syntax. Lingua, v. 114, n. 6, p. 683-710, 2004.

CINQUE, G. Restructuring and Functional Heads. v. 4. New York: OUP, 2006.

CHOMSKY, N. Barriers. Cambridge, Massachusetts: MIT Press, 1986.

KAYNE, R. S. Movement and Silence. New York: Oxford University Press, 2005.

RIZZI, L. The Fine Structure of Left Periphery. In: HAEGMAN, L. (ed.). Elements of Grammar. Dordrecht: Kluwer Academic Publisher,1997. p. 281-337.

RIZZI, L. Locality and Left Periphery. In: BELLETTI, A. (ed.). Structures and Beyond: The Cartography of Syntactic Structures. v. 3. New York/Oxford: Oxford University Press, 2004. p. 223-251.

RIZZI, L.; CINQUE, G. Functional Categories and Syntactic Theory. Annual Review of Linguistics, v. 2, p. 139-163, 2016.

ROTHSTEIN, S. Structuring Events: A Study in the Semantics of Lexical Aspect. Malden: Blackwell Publishing Ltd., 2004.

SANTANA, M. S. A Sintaxe do Advérbio. Dissertação (Mestrado) ”“ Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

TESCARI NETO. On Verb Movement in Brazilian Portuguese: A Cartographic Study. Tesi (Dottorato di Ricerca in Scienze del Linguaggio) ”“ Università Ca’Foscari di Venezia, 2013.

TESCARI NETO, A. Falhas de transitividade são falhas de análise. REVISTA LINGUÃSTICA, v. 15, p. 21-42, 2019.

TOSQUI, P.; LONGO, B. A distribuição dos advérbios modalizadores na sentença: uma análise de base gerativa. Alfa, v. 47, n. 1, p. 85-97, 2003.

VENDLER, Z. Verbs and Times. Philosophical Review, p. 143-160, 1957.

Downloads

Publicado

31.08.2020