Sensibilidades jurídicas, saber e poder

bases culturais de alguns aspectos do direito brasileiro em uma perspectiva comparada

Autores

  • Roberto Kant de Lima

DOI:

https://doi.org/10.4000/aa.885

Palavras-chave:

Sensibilidades jurídicas, sentidos de justiça, processos institucionais de administração de conflitos, antropologia do direito, método comparativo aplicado ao direito

Resumo

Neste artigo, discuto resultados de pesquisas que venho realizando nos últimos 20 anos, referentes à compreensão e à aplicação do conceito de Clifford Geertz – sensibilidade jurídica – a diferentes contextos jurídicos ocidentais. Após sucessivas e cumulativas propostas de interpretação, cheguei a algumas conclusões, que me levam a propor alternativas e correções nas proposições que tanto eu como outros fizemos sobre as questões em pauta, pois as etnografias realizadas, embora inspiradas nessas discussões, foram abrindo portas para que outros aspectos das sensibilidades jurídicas ocidentais se explicitassem. Inicialmente, recapitulo os passos da pesquisa; depois, apresento os dados etnográficos construídos e aponto as insuficiências de alguns aspectos dos modelos teóricos interpretativos vigentes; finalmente, proponho outros modelos, de maior potencial interpretativo, cuja crítica, certamente, não tardará.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA JUNIOR, João Mendes de. 1920. O processo criminal brazileiro. Vol 1. 3. ed. Rio de Janeiro: Typ. Baptista de Souza.
BAPTISTA, Barbara Gomes Lupetti. 2008. Os rituais judiciários e o princípio da oralidade: construção da verdade no processo civil brasileiro. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris.
BERMAN, Harold Joseph. 1983. Law and revolution: the formation of the western legal tradition. Cambridge: Havard University Press.
_______. 2003. Law and Revolution II: the impact of the protestant reformatons on the western legal tradition. Cambridge: Harvard University Press; The Belknap Press.
BOURDIEU, Pierre. 1996. A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.
_______. 2009. “A força do direito: elementos para uma sociologia do campo jurídico”. In: ____. O Poder Simbólico. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. pp. 209-254.
BRASIL. 1989. Constituição brasileira 1988. 2. ed. rev. Rio de Janeiro: Forense.
_______. 1995. Lei 9099, 26 de setembro de 1995. Dispõe sobre os Juizados Especiais Cíveis e Criminais e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 27 set. 1995, Seção 1, p. 15033.
_______. 2001.Código Penal. 39. ed. São Paulo: Saraiva.
CAPEZ, Fernando. 2008. Curso de Processo Penal. 15. ed. rev. São Paulo: Saraiva.
DAMATTA, Roberto. 1997. “Você sabe com quem está falando?: um ensaio sobre a distinção entre indivíduo e pessoa no Brasil”. In:____. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 6. ed. Rio de Janeiro: Rocco. pp. 181-248.
DAVIS, Shelton H. 1973. Antropologia do direito: estudo comparativo de categorias da dívida e contrato. Rio de Janeiro: Zahar.
DAWSON, John Philip. 1960. A history of law judges. Cambridge: Harvard University Press.
ECO, Umberto. 1986. O nome da Rosa. Rio de Janeiro: Record.
FERREIRA, Marco Aurélio Gonçalves. 2009. Contrastes e confrontos: a presunção de inocência e as garantias do processo penal em perspectiva comparada. Tese de Doutorado em Direito, Universidade Gama Filho.
FIGUEIRA, Luiz Eduardo. 2008. O ritual judiciário do tribunal do júri. Porto Alegre: Sérgio Antonio Fabris Editora.
FLORY, Thomas. 1981. Judge and Jury in Imperial Brazil, 1808-1871. Social control and political stability in the new state. Austin: University of Texas Press.
FOUCAULT, Michel. 2005. A verdade e as formas jurídicas. 3. ed. Rio de Janeiro: Nau Editora.
GARAPON, Antoine & PAPADOPOULOS, Ioannis. 2008. Julgar nos Estados Unidos e na França: cultura jurídica francesa e common law em uma perspectiva comparada. Rio de Janeiro: Lumen Júris.
GARCIA BARBERENA, Tomas & ALONSO MORAN, Sabino. 1964. “Cânone número 1943”. In: ____. Comentarios al codigo de derecho canônico: Canones 1322-1998. Madrid: BAC. v.3. pp. 668.
GEERTZ, Clifford. 1989. “Uma descrição densa”. In: ____. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Editora Guanabara. pp. 13-41.
_______. “O saber local: fatos e leis em uma perspectiva comparativa”. 2006. In: ____. O Saber Local: novos ensaios em antropologia interpretativa. 8. ed. Petrópolis: Vozes. pp.249-356.
GODELIER, Maurice. 1968. Racionalidade e irracionalidade na economia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.
GOMES, Luiz Flávio. 2008. O direito ao silêncio e as investigações. CCJ do Senado rasga (uma vez mais) a Constituição brasileira. Jus Navigandi, Teresina, 13(1982), 4 dez. 2008. Disponível em: <http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=12041>. Acesso em: 16/06/2009.
KAPLAN, Benjamin. 1972. “Trial by Jury”. In: Harold Berman (ed.). Talks on American Law: a series of broadcasts to foreign audiences by members of the Harvard Law School. New York: Vintage Books. pp.51-62.
LIMA, Roberto Kant de. 1991. “Ordem pública e pública desordem: modelos processuais de controle social em uma perspectiva comparada (inquérito e jury system)”. Anuário Antropológico, n. 88:21-44, Brasília.
_______. 1995. Da inquirição ao júri, do trial by jury a plea bargaining: modelos para a produção da verdade e a negociação da culpa em uma perspectiva comparada (Brasil/Estados Unidos). Tese para Professor Titular da Universidade Federal Fluminense.
_______. 2009. “Saber jurídico e direito à diferença no Brasil: questões de teoria e método em uma perspectiva comparada”. In:____. Ensaios de Antropologia e de Direito. 2. tir. Rio de Janeiro: Lumen Júris. pp. 89-126.
_______. 2010a. A polícia da cidade do Rio de Janeiro: seus dilemas e paradoxos. Rio de Janeiro: Lumen Júris. No prelo.
_______. 2010b. A Antropologia da Academia. 3. ed. Niterói: EDUFF. No prelo.
MALATESTA, Nicola Framarino dei. 2009. A lógica das provas em matéria criminal. Campinas, SP: Ressell Ed.
MCCART, Samuel W. 1964. Trial by Jury: a Complete Guide to the Jury System. New York: Clinton Books.
MENDES, Regina Lucia Teixeira. 2010. Do princípio do livre convencimento motivado: Legislação, Doutrina e interpretação de juízes brasileiros. 1. ed. Rio de Janeiro: Lumen Júris. No prelo.
MIRANDA, Ana Paula Mendes de e LIMA, Lana lage da Gama (orgs.). 2008. Políticas Públicas de Segurança, Informação e Análise Criminal. Niterói:
EDUFF MISSE, Michel (org.) . 2010. O inquérito policial no Brasil: uma pesquisa empírica. Rio de Janeiro: NECVU/IFCS/UFRJ; Booklink; FENAPEF
MOTA, Fabio Reis e MIRANDA, Ana Paula Mendes de (orgs.). 2010. Práticas Punitivas, Sistema Prisional e Justiça. Niterói: EDUFF
MOUZINHO, Gláucia Maria Pontes. 2007. Sobre culpados e inocentes: o processo de incriminação e incriminação pelo Ministério Público Federal brasileiro. Tese de Doutorado em Antropologia, Universidade Federal Fluminense.
OLIVEIRA, Luís Roberto Cardoso de. 2010a. “Concepções de igualdade e desigualdades no Brasil (uma proposta de pesquisa)”. In: Roberto Kant de Lima, Lucía Eilbaum & Lenin Pires (orgs.). Conflitos, Direitos e Moralidades em Perspectiva Comparada. Vol I. Rio de Janeiro: Garamond. pp. 19-33.
_______. 2010b. A Dimensão Simbólica dos Direitos e a Análise de Conflitos. Artigo aceito para publicação na Revista de Antropologia, volume 53(2).
PARRY, L.A. 1975. The History of Torture in England. Montclair: Patterson Smith.
PIRES, Lenin e EILBAUM, Lucia (orgs.). 2009. Políticas Públicas de Segurança e Práticas Policiais no Brasil. Niterói: EDUFF
WEBER, Max. 1978. Economy and Society: An Outline of Interpretive Sociology. Edited by Guenther Roth and Claus Wittich. 2. vols. Berkeley: University of California Press.

Publicado

2010-06-05

Como Citar

Lima, R. K. de. (2010). Sensibilidades jurídicas, saber e poder: bases culturais de alguns aspectos do direito brasileiro em uma perspectiva comparada. Anuário Antropológico, 35(2), 25-51. https://doi.org/10.4000/aa.885