O itinerário de um antropólogo

Autores

  • Roque de Barros Laraia

Palavras-chave:

Antropologia, Homenagem

Resumo

Foi em 1958, no antigo prédio da Faculdade Nacional de Filosofia, durante o Io Encontro Nacional de Estudantes de História, quando eu fazia parte da delegação mineira, que vi pela primeira vez Julio Cezar Melatti. Era ele, então, aluno do curso de Geografia e História da Universidade Católica de Petrópolis. O representante do curso de História da Universidade Federal Fluminense era o estudante Roberto Augusto da Matta. Três anos depois, eu e Matta reencontramos Melatti no Museu Nacional. Nós na condição de professores, e ele de aluno, do Curso de Teoria e Pesquisa em Antropologia Social, dirigido por Roberto Cardoso de Oliveira. No meio desse ano tão conturbado politicamente, pela renúncia de Jânio Quadros e pela resistência dos militares à posse de João Goulart, partimos para o médio Tocantins para realização de duas pesquisas de campo. Após alguns dias de modorrenta permanência em Marabá, Melatti partiu para a aldeia Gavião, na qualidade de assistente de pesquisa de Roberto Da Matta. Não foi uma experiência fácil, ao chegarem à aldeia do Cocai encontraram apenas seis pessoas com as quais passaram um mês. No mês seguinte, chegaram mais 19 índios. “Eles eram apenas uma parcela dos Gaviões existentes, remanescentes de um grupo de cerca de noventa pessoas, das quais grande parte havia morrido” (Melatti, 2002a: 182). Enquanto isso, eu e Marcos Magalhães Rubinger seguimos para a aldeia Suruí. Assim, nós quatro, tivemos ao mesmo tempo o nosso batismo de campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

LÉVI-STRAUSS, Claude et al. 1970. Mito e Linguagem Social: ensaios de Antropologia Estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.
LYON, Patricia J. 1974. Native South Americans: Ethnology o f the least known Continent. Boston: Little, Brown and Co.
MAYBURY-LEW1S, David. 1979. Dialectical Societies: The Gê and Bororo of central Brazil. Harvard: University Press.
MELATTI, J. C. 1963. O Mito e o Xamã. Revista do Museu Paulista, NS, 14: 60-70.
_______ 1967. índios e Criadores: a situação dos Krahó na área pastoril do Tocantins. Rio de Janeiro: UFRJ (Monografias do Instituto de Ciências Sociais, 3).
____ _ 1968. Nominadores e Genitores: um aspecto do dualismo Krahó. Verhandlugerdes XXXVIII Internationalen Amerikanistenkongress, Stuttgart - München, 12, bis 18, v. III: 347-353.
____ 1970. índios do Brasil. Brasília: Editora Coordenada.
___ 1972. Messianismo Krahó. São Paulo: Editora Herder.
______ 1977. De Nóbrega a Rondon; quatro séculos de política indígenista. Revista Atualidade Indígena, Ano I, n? 3: 38-45.
___ 1978a. Ritos de uma Tribo Timbira. São Paulo: Ática

Downloads

Publicado

2018-02-08

Como Citar

de Barros Laraia, Roque. 2018. “O itinerário De Um antropólogo”. Anuário Antropológico 25 (1):27-35. https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6761.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.