Jovens “egressas” de serviços de acolhimento

a virada no jogo das relações de parentesco

Autores

  • Fernanda Cruz Rifiotis

DOI:

https://doi.org/10.26512/anuarioantropologico.v42i1.2017/6198

Palavras-chave:

parentesco, desinstitucionalização, egressas de serviços de acolhimento

Resumo

No artigo, analiso as maneiras como jovens egressas de serviços de acolhimento institucional vivenciam suas relações de parentesco. Para além dos desdobramentos da experiência de institucionalização sobre as relações de parentesco, pretendo pensar no que tenho chamado de “virada no jogo das relações de parentesco”. Com essa expressão, procuro mostrar que não se trata de reconfiguração, transformação ou mudança nas relações parentais, mas sim de uma “virada”. Esta remete a uma inversão no curso das relações parentais e, ainda mais, permite demarcar uma “quebra de expectativa”, por parte das jovens, sobre o que deveria constituir e fortalecer tais relações, ou seja, sobre as maneiras de realizar o parentesco. A análise tem como base uma etnografia realizada entre 2010 e 2013 sobre a desinstitucionalização de jovens que, sob medida de proteção, passaram parte da sua infância e adolescência afastadas do convívio familiar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. 1990. Lei 8.069. Estatuto da Criança e do Adolescente. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília/DF, 13 jul.1990.
______. 2006. Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária. Brasília/DF: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Disponível em: http:// www.mdh.gov.br/assuntos/criancas-e-adolescentes/pdf/plano-nacional-de-convivenciafamiliar-e.pdf/view. Acesso em: 2/12/2017.
CARDARELLO, Andréa Daniella Lamas. 2009. “Uma família sui generis: a tentativa de criação de uma família substituta para crianças institucionalizadas na Febem”. In: Claudia Fonseca & Patrice Schuch. Políticas de proteção à infância: um olhar antropológico. Porto Alegre-RS: Editora da UFRGS. pp.171-196.
CARSTEN, Janet. 2000. “Introduction: culture of relatedness”. In:______. Cultures of relatedness: new approaches to the study of kinship. New York: Cambridge University Press. pp. 1-36.
______. 2004. After kinship. New York: Cambridge University Press.
CRUZ, Fernanda. 2014. Jovens em devir: invenção de novas possibilidades de vida para além da institucionalização. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina.
FONSECA, Claudia. 2004. Família, fofoca e honra: etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. 2.ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS.
______. 2006a. Caminhos da adoção. 3.ed. São Paulo: Cortez.
______. 2006b. “Da circulação de crianças à adoção internacional: questões de pertencimento e posse”. Cadernos Pagu, 26:11-43.
______. 1999. Quando cada casa NÃO é um caso: pesquisa etnográfica e educação. In: Revista Brasileira de Educação. 10:58-78. Disponível em: <http://educa.fcc.org.br/scielo. php?pid=S1413-24781999000100005&script=sci_abstract>.
GREGORI, Maria Filomena. 2000. Viração: experiências de meninos nas ruas. São Paulo: Companhia das Letras.
LAMBERT, Helen. 2000. “Sentiment and substance in North Indian forms of relatedness”. In: Janet Carsten. Cultures of relatedness: new approaches to the study of kinship. New York: Cambridge University Press. pp. 73-89.
LOBO, Andréa de Souza. 2013. “Crianças em cena: sobre mobilidade infantil, família e fluxos migratórios em Cabo Verde”. Ciências Sociais Unisinos, 49(1):64-74. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/ciencias_sociais/article/viewFile/ csu.2013.49.1.08/1495. Acesso em: 2/12/2017.
LUNA, Nara. 2004. “Maternidade desnaturada: uma análise da barriga de aluguel e da doação de óvulos”. Cadernos Pagu, 19:233-278. Disponível em: http://www.scielo.br/ scielo.php?pid=S0104-83332002000200010&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 2/12/2017.
NARDI, Henrique Caetano & RAMMINGER, Tatiana. 2007. “Modos de subjetivação dos trabalhadores de saúde mental em tempos de reforma psiquiátrica”. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 17(2):265-287. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v17n2/ v17n2a04.pdf. Acesso em: 2/12/2017.
RIZZINNI, Irene & RIZZINI, Irma. 2004. A institucionalização de crianças no Brasil: percurso histórico e desafios do presente. Rio de Janeiro: PUC-Rio; São Paulo: Loyola.
SARTI, Cíntia Andersen. 1994. “A família como ordem moral”. Cadernos de Pesquisa, 91:46-53. Disponível em: <http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/cp/arquivos/746. pdf. Acesso em: 2/12/2017.
SCHRAUWERS, A. 1999. “Negotiating parentage: the political economy of ‘kinship’ in Central Sulawesi, Indonesia”. American Ethnologist, 26(2):310-323.
VIGNATO, Silvia. 2014. “A family scene with babies: non-institutional ethnic child fostering”. Antropología, l(1):83-104.
WAGNER, Roy. 2010. A Invenção da Cultura. Tradução de Marcela Coelho de Souza e Alexandre Morales. São Paulo: Cosac Naify.
______. 2011. “O xadrez do parentesco e o parentesco do xadrez”. Ilha ”“ Revista de Antropologia, 12(1):15-37.

Downloads

Publicado

2018-01-18

Como Citar

Rifiotis, Fernanda Cruz. 2018. “Jovens ‘egressas’ De serviços De Acolhimento: A Virada No Jogo Das relações De Parentesco”. Anuário Antropológico 42 (1):61-85. https://doi.org/10.26512/anuarioantropologico.v42i1.2017/6198.

Artigos Semelhantes

1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.