Excepcionalismo versus Pragmatismo: direitos humanos nas relações Brasil-Estados Unidos (1974-1979)

Main Article Content

Antonio Carlos Lessa
Juliana Brito Santana Leal

Resumo

Este artigo analisa a tensão que se produziu pelo contraste entre o excepcionalismo estadunidense e a chamada política externa do Pragmatismo Ecumênico e Responsável, formulada e implementada durante o governo de Ernesto Geisel. Ao promover a exportação dos valores de direitos humanos, o governo do Presidente Jimmy Carter esbarrou na contra-ação formulada e implementada pelo governo brasileiro. Foi a partir do questionamento “como se tencionaram as relações Brasil – Estados Unidos em decorrência dos contrastastes entre o excepcionalismo estadunidense de Carter e o pragmatismo ecumênico e responsável de Geisel?” como a exportação da agenda de direitos humanos estadunidense de Carter impactou a formulação da política externa brasileira de Geisel para o cenário interamericano?” que este trabalho calcou suas inquietações iniciais. Foi utilizado o método de revisão bibliográfica e análise documental objetivando uma análise acerca da receptividade brasileira ao discurso de exportação de valores liberais empreendido por Carter e, devido à isso, às alternativas retóricas que o governo brasileiro oferecia quando pressionado em temas de direitos humanos. 


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
Lessa, Antonio Carlos, e Juliana Brito Santana Leal. 2022. “Excepcionalismo Versus Pragmatismo: Direitos Humanos Nas relações Brasil-Estados Unidos (1974-1979) ”. Meridiano 47 - Journal of Global Studies 22 (janeiro). https://doi.org/10.20889/M47e22006.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Antonio Carlos Lessa, Universidade de Brasilia

Universidade de Brasilia, Instituto de Relações Internacionais

Juliana Brito Santana Leal, Universidade de Brasília

Universidade de Brasilia, Instituto de Relações Internacionais

Referências

BRASIL-MRE. Telegrama Recebido. Programa Oficial de Visita da Sra. Rosalyn Carter (MRE 1977). Data: 01/06/1977.

BRASIL-MRE. Telegrama Recebido. Política Estados Unidos - Brasil. Eleições 1976. Uma primeira análise do discurso de Carter (MRE 1976) Data: 24/06/1976.

BRASIL-MRE. Telegrama Recebido. Política Estados Unidos - Brasil. Eleições 1976. Entrevista de Carter à Revista Playboy. Referencias ao Brasil (MRE 1976) Data: 21/09/1976

BRASIL-MRE. Minuta de Telegrama, Secreto. CIDH. Contribuição norte americana. Comissão de Orçamento. MRE - Tóquio Akasaka. 16/09/76. Arquivo do Ministério das Relações Exteriores (Brasília).

Cervo, Amado Luiz e Clodoaldo Bueno. 1992. História Da Política Exterior Do Brasil. São Paulo: Editora Átila.

Duroselle, Jean-Baptiste. 2000. Todo Império Perecerá. Editora Universidade de Brasília.

Flores, Joaquín Herrera. 2009. A (Re)Invenção Dos Direitos Humanos. Nova Letra Gráfica e Editora.

Forsythe, David P. 1989. “Human Rights and U.S. Foreign Policy: Congress Reconsidered.” The American Journal of International Law 83 (4): 972. https://doi.org/10.2307/2203398.

Forsythe, David P.2006. Human Rights in International Relations. Cambridge University Press.

Hancock, Jan. 2007. Human Rights and US Foreign Policy. Washington Quarterly. Vol. 12. New York: Routledge. https://doi.org/10.1080/016366089094777753.

Hartz, Louis. 1955. The Liberal Tradition in America. Harvest.

Hill, Christopher. 2003. The Changing Politics of Foreign Policy. Palgrave: Macmillan.

Holsti, K J. 2010. “Exceptionalism in American Foreign Policy: Is It Exceptional?” Article European Journal of International Relations 17 (3): 381–404. https://doi.org/10.1177/1354066110377674.

Ignatieff, Michael. 2005. American Exceptionalism and Human Rights. Journal of Chemical Information and Modeling. Vol. 53. Princeton, New Jersey: Princeton University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004.

Keys, Barbara. 2014. Reclaiming American Virtue: The Human Rights Revolution of the 1970s. Boston, MA: Harvard University Press.

Lessa, Antônio Carlos. 1994. “Brasil, Estados Unidos e Europa Ocidental No Contexto Do Nacional-Desenvolvimentismo.” Universidade de Brasília.

Lessa, Antônio Carlos.1998. “A Vertente Perturbadora Da Política Externa Durante o Governo Geisel: Um Estudo Das Relações Brasil-EUA (1974-1979).” http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/333/r137-07.pdf?sequence=4.

Luiz, Juliana. 2011. “A Política Externa Do Regime Militar: Entre o Ranço Ideológico e a Atuação Pragmática.” In . ° Encontro Nacional Associação Brasileira de Relações Internacionais (ABRI).

Marchi, Carlo. n.d. “Relatório Ricupero Foi Subestimado.”. Jornal Impresso. n/d.

Moravcsik, Andrew. 2005. “The Paradox of U.S. Human Rights Policy.” In American Excepcionalism and Human Rights. Princeton University Press.

Moyn, Samuel. 2010. The Last Utopia: Human Rights in History. Choice Reviews Online. Vol. 48. Belknap Press of Harvard University Press. https://doi.org/10.5860/choice.48-3414.

Nicola Nymalm, Johannes Plagemann. 2019. Comparative Exceptionalism: Universality and Particularity in Foreign Policy Discourses.

Onuf, Nicholas. 2012. World of Our Making. World of Our Making. https://doi.org/10.4324/9780203722428.

Packenham, Robert A. 1973. Liberal America and the Third World : Political Development Ideas in Foreign Aid and Social Science.

Piovesan, Flavia. 2006. “Direitos Humanos: Desafios Da Ordem Internacional Contemporânea.” In Direito Constitucional - Módulo V - Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional, 43.

Piovesan, Flavia.2014a. Direitos Humanos e Justiça Internacional : Um Estudo Comparativo Dos Sistemas Regionais Europeu, Interamericano e Africano. São Paulo: Saraiva.

Piovesan, Flavia.2014b. “Direitos Humanos e Justiça Internacional.” Editora Saraiva.

Puddington, Arch. 2013. “Freedom in the World 2013: Democratic Breakthroughs in the Balance.”

Puddington, Arch.2018. “Freedom in the World 2018 — Annual Survey of Political Rights and Civic Liberties – The Authoritarian Challenge to Democracy.”

Santos, Maria Helena de Castro. 2010. “O Processo de Democratização Da Terceira Onda de Democracia.” Meridiano 47 - Journal of Global Studies 11 (115): 15–18. https://periodicos.unb.br/index.php/MED/article/view/3983.

Schmidli, William Michael. 2013. The Fate of Freedom Elsewhere. The Fate of Freedom Elsewhere. Cornell University Press. https://doi.org/10.7591/cornell/9780801451966.001.0001.

Silveira, Francisco Azeredo da. 1974. “XXIX Sessão Ordinária Da Assembleia-Geral Da Organização Das Nações Unidas (1974).” In O Brasil Nas Nações Unidas (1946-2006), edited by Luiz Corrêa. FUNAG. http://funag.gov.br/loja/download/996-Brasil_nas_Nacoes_Unidas_1946-2006_O.pdf.

Silveira, Francisco Azeredo da.1982. Antonio Azeredo Da Silveira: Depoimento. Edited by Maria Regina Soares de Lima e Monica Hirst. Rio de Janeiro: CPDOC.

Spektor, Matias. 2004. “Origens e Direção Do Pragmatismo Ecumênico e Responsável (1974-1979).” Revista Brasileira de Política Internacional 47 (2): 191–222.

Tocqueville, Alexis de. 1835. A Democracia Na América. Saunders and Otley.

Vasak, Karel. 1977. “Human Rights: A Thirty-Year Struggle: The Sustained Efforts to Give Force of Law to the Universal Declaration of Human Right.” The Unesco Courier.

VDEM. 2018. “Democracy for All? V-Dem Annual Democracy Report 2018.” Gothenburg Sweden.

Vicent, R. J. 1986. Human Rights and International Relations. International Affairs. Vol. 64. Cambridge: Cambridge University Press. https://doi.org/10.2307/2621851.

Trindade, Antonio Augusto Cançado. 1991. A Proteção Internacional Dos Direitos Humanos: Fundamentos Jurídicos e Instrumentos Básicos. São Paulo: Saraiva.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >> 

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.