Diversidade, Imaterialidade e Globalização Desafios para a reflexão sociológica

Main Article Content

Artur André Lins

Resumo

Resumo:


Este ensaio pretende lidar com os problemas colocados à reflexão sociológica pelo processo de globalização, especificamente no contexto da segunda metade do século XX. Quais temas, objetos e conceitos que, desde então, desafiam a compreensão do mundo social? Em que medida o mundo contemporâneo se transformou e quais os impactos dessa transformação para a nossa reflexividade? Partindo dessas questões preliminares, o texto elaborado se estrutura em três principais partes: 1) primeiramente, argumenta-se sobre o contexto de surgimento das ciências sociais e a historicidade de suas categorias de análise e o modo como a mudança social, nesse caso, o processo de globalização, nos colocou em face de novos desafios para a reflexão sociológica; 2) posteriormente, procuramos pensar o processo de reestruturação do capital e do trabalho após 1970, colocando o problema posto pela noção de “trabalho imaterial” e “capital humano”; 3) posteriormente, nos dedicamos à compreensão do sistema cooperativo das Nações Unidas e o modo pelo qual, nesse contexto, se estabelecem tensões com a estrutura do Estado-nação, sobretudo a partir da emergência de um novo emblema sociológico: o discurso da diversidade.


Palavras-chave: diversidade; imaterialidade; globalização; pensamento social.


Abstract:


This essay aims to deal with the problems placed to sociological thought by the globalization process, specifically in the context of the second half of the 20th century. What themes, objects and concepts have since challenged the understanding of the social world? To what extent has the contemporary world been transformed and what are the impacts of this transformation on our reflexivity? Based on these preliminary questions, this papper is structured by three main parts: 1) first, it argues about the context of the emergence of social sciences and the historicity of its categories of analysis and the way in which social change, particularly, the globalization process, has brought us new challenges  for sociological thought; 3) later, we try to think about the process of restructuring of capital and labor after 1970’s, facing the problem posed by the notion of “immaterial labor” and “human capital”; 2) afterwards, we dedicate ourselves to understanding the United Nations cooperative system and the way in which, in this context, tensions are established with the structure of the nation-state, especially from the emergence of a new sociological emblem: the discourse of diversity.


Keywords: diversity; immateriality; globalization; social thought.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
Lins, A. A. (2020). Diversidade, Imaterialidade e Globalização: Desafios para a reflexão sociológica. Arquivos Do CMD, 7(01), 163–184. https://doi.org/10.26512/cmd.v7i01.29583
Seção
Artigos Livres

Referências

ANTUNES, Ricardo. Os Sentidos do Trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo, Boitempo, 2ª ed., 2009.

ANTUNES, Ricardo. O Privilégio da Servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo, Boitempo, 2018.

APPADURAI, Arjun. “Disjuncture and difference in the global cultural economy”. In: DURINGS, S. The cultural studies reader. London and New York: Routledge, 2005

BASSO, Maristela. A proteção da propriedade intelectual e o direito internacional atual. Revista de Informação Legislativa, Brasília, ano 41, n. 162, p. 287-309, abr./jun. 2004. Disponível em: http://www2.cjf.jus.br/ojs2/index.php/cej/article/view/541/721. Acesso em: 10 de setembro de 2017

BAUDRILLARD, Jean. A Sociedade de Consumo. Lisboa, Portugal, Edições 70 LDA, 2011

BELAS, Carla A. Propriedade intelectual. In: GRIECO, Bettina; TEIXEIRA, Luciano; THOMPSON, Analucia (Orgs.). Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro, Brasília: IPHAN/DAF/Copedoc, 2016. (verbete). ISBN 978-85-7334-299-4.

BELL, Daniel. O Advento da Sociedade Pós-Industrial. São Paulo. Editora Cultrix, 1973.

BOAS, Franz. Antropologia Cultural (Celso Castro Org.): Rio de Janeiro, Zahar, 2004.

BOBBIO, Norberto. A Era dos Direitos. Elsevier, Rio de Janeiro, 2004

CHESNEAUX, Jean. Modernidade-Mundo, Petrópolis, Vozes, 1995.

COSTA, Sergio. Da desigualdade à diferença: direito, política e a invenção da diversidade cultural na América Latina. Contemporânea ”“ Revista de Sociologia da UFSCar. São Carlos, v. 5, n. 1, jan.-jun. 2015, pp. 145-165.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro. Contraponto, 1997.

EISENSTADT, Shmuel N. (2000), “Multiple Modernities”. Daedalus, vol. 129, no 1, pp. 1- 29.

ESCOBAR, Arturo. Encountering Development. The Making and Unmaking of the Third World. New Jersey, 1995.

FERREIRA, Simone. Propriedade intelectual e acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios: uma conciliação possível?. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2010.

GORZ, André. O Imaterial: conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume, 2005.

HARVEY, David. Condição Pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 25ª ed., 2014.

HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro: Estudos de teoria política. São Paulo: Loyola, 2002

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna ”“ Uma Pesquisa sobre as Origens da Mudança Cultural. São Paulo, Edições Loyola, 25ª ed., 2014.

HERSOKIVITS, Melville. Man and his works: Antropologia Cultural. São Paulo, Editora Mestre Jou, 1963.

IANNI, Octavio. Teorias da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 17ª ed., 2013.

IANNI, Octavio. “Globalização: novo paradigma das ciências sociais”, Estudos Avançados, vol. 21, nº 18. 1994.

LAZZARATO, Maurizio; NEGRI, Antônio Trabalho imaterial: formas de vida e produção de subjetividade. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

LEAL, Ondina; SOUZA, Rebeca. Introdução: propriedade intelectual e antropologia In. Do regime de propriedade intelectual: estudos antropológicos. Porto Alegre: Tomo Editorial, 2010.

LÉVI-STRAUSS, C. Raça e História. Lisboa, Editora Presença, 2010.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A estetização do mundo: Viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 1ª Ed, 2015.

MARX, KARL. O Capital: Crítica da Economia Política. São Paulo, Boitempo, 2013.

MATTELART, Armand. Diversidade cultural e mundialização. São Paulo: Parábola, 2005

NICOLAU NETTO, Michel. O discurso da diversidade e a world music. São Paulo: Annablume ”“ Fapesp, 2014.

NICOLAU NETTO, Michel. A Diferença do Discurso da Diversidade. Contemporânea ”“ Revista de Sociologia da UFSCar, v. 7, n. 1, jan.- jun. 2017, pp. 39-61.

RIBEIRO, Gustavo Lins. “Global flows of development models”. In. Anthropological Forum, vol. 23, n. 2, pp 121-141, 2013.

SANTIAGO, Vanisa. “O Direito Autoral e os tratados internacional”. In. CARIBARI, Isabela (org.) Propriedade Intelectual e Produção Cultural. Recife: Editora Massangana, 2006.

ORTIZ, Renato. Universalismo e Diversidade ”“ Contradições da Modernidade-Mundo. São Paulo, Boitempo, 2015.

ORTIZ, Renato. “Globalização: notas sobre um debate”, Revista Sociedade e Estado, v. 24, n. 1, p. 231-254, jan/abr. 2009

ORTIZ, Renato. “As Ciências Sociais e a Diversidade dos Sotaques”, Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 27, nº 78, Fevereiro, 2012.

ONU. Charter of the United Nations and Statue of the International Court of Justice. São Francisco, 1945.

WEBER, Max. “A Objetividade do Conhecimento nas Ciências Sociais” In. Coleção Grandes Cientistas Sociais (Gabriel Cohn e Florestan Fernandes org.). São Paulo: Ática: 2006.

YUDICE, George. A Conveniência da Cultura ”“ Usos da Cultura na Era Global. Belo Horizonte: UFMG, 2004.