Efeitos de Registros de Automonitorização sobre Relatos de Adesão ao Tratamento em Adolescentes com Lúpus

  • Flávia Pinho Almeida Universidade Federal do Pará
  • Eleonora Arnaud Pereira Ferreira Universidade Federal do Pará
  • Ana Júlia Pantoja de Moraes Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Psicologia da saúde, Lúpus, Adesão ao tratamento, Automonitorização

Resumo

Descreve-se o estudo realizado com duas adolescentes (P1 e P2) com diagnóstico de lúpus acompanhadas em ambulatório de reumatologia. Investigaram-se os efeitos do uso de registros de automonitorização (RA) e de recordatório 24 horas (R24h) sobre o índice de adesão ao tratamento (IAT) por meio de entrevistas semiestruturadas. P1 foi submetida à sequência R24h-RA e P2, à ordem inversa. Em linha de base, ambas obtiveram valores de IAT abaixo ou igual a 50%. Após intervenção, alcançaram valores acima de 71%, indicando melhora no índice de adesão independentemente da ordem em que os instrumentos foram apresentados. Discute-se o controle do comportamento por regras e a importância da instalação de repertórios de relatos fidedignos sobre comportamentos de adesão ao tratamento do lúpus.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Pinho Almeida, Universidade Federal do Pará

Graduanda do curso de Psicologia na Universidade Federal do Pará. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Análise do Comportamento, tendo atuado nos seguintes temas: controle aversivo; comportamento controlado pelas contingências e comportamento governado por regras; e comportamento simbólico. Atualmente, é bolsista de Iniciação Científica (CNPQ) sob orientação da Prof. Dra. Eleonora Ferreira, e tem interesse na área de Análise Aplicada do Comportamento e Psicologia da Saúde.

Eleonora Arnaud Pereira Ferreira, Universidade Federal do Pará

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Pará (1979), mestrado em Aprendizagem e Desenvolvimento pela Universidade de Brasília (1989) e doutorado em Psicologia pela Universidade de Brasília (2001). Atualmente é Professora Associada 4 da Universidade Federal do Pará, supervisora de estágio curricular na área de Psicologia da Saúde e orientadora de mestrado e doutorado no Programa de Pós-Graduação em Teoria e Pesquisa do Comportamento. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Análise do Comportamento, atuando principalmente nos seguintes temas: adesão ao tratamento, análise do comportamento aplicada à área de saúde, psicologia pediátrica e prevenção. É lider do grupo de pesquisa "Comportamento, Saúde e Qualidade de Vida", certificado pela UFPA e membro dos grupos "Pesquisa em Psicologia Pediátrica", "Saúde e Desenvolvimento Humano" e "Determinantes do Comportamento Humano"

Ana Júlia Pantoja de Moraes, Universidade Federal do Pará

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Pará (1989), mestrado em Ciências (Pediatria) pela Universidade São Paulo (2005) e doutorado em Ciências (Pediatria) pela Universidade São Paulo (2009). Atualmente é professora adjunto III da Universidade Federal do Pará. Tem experiência na área de pediatria, reumatologia pediátrica, com ênfase em Saúde Materno-Infantil, atuando principalmente nos seguintes temas: doenças reumatológicas, saude reprodutiva, fertilidade, profilaxia secundária de Febre Reumática, diagnóstico e tratamento de faringoamidalite, sindromes musculo-esqueléticas, obesidade na infância e adolescência e qualidade de vida de criancas e adolescentes.

Referências

Albuquerque, L. C. (2001). Definições de regras. Em H. J. Guilhardi, M. B. B. P. Madi, P. P. Queiroz, & M. C. Scoz (Orgs.), Sobre comportamento e cognição: Expondo a variabilidade (Vol. 7, pp.132-140). Santo André: ESETec Editores Associados.

Albuquerque, L. C., & Paracampo, C. C. P. (2010). Análise do controle por regras. Psicologia. USP, 21(2), 253-273. doi: 10.1590/S0103-65642010000200004

American College of Rheumatology (2008). Systemic Lupus Erythematosus (Lupus). Atlanta: American College of Rheumatology.

Barret, D. H., Deitz, S. M., Gaydos, G. R., & Quinn, P. C. (1987). The effects of programmed contingencies and social conditions on responses stereotypy with human subjects. The Psychological Record, 34, 489-505.

Barton, K. A., Blanchard, E. B., & Veazey, C. (1999). Selfmonitoring as an assessment strategy in behavioral medicine. Psychological Assessment, 11(4), 490-497. doi : 10.1037/1040-3590.11.4.490

Bohm, C. H., & Gimenes, L. S. (2008). Automonitoramento como técnica terapêutica e de avaliação comportamental. Revista Psicolog, 1, 89-101.

Bueno, A. L., & Czepielewski, M. A. (2010). O recordatório de 24h como instrumento na avaliação do consumo alimentar de cálcio, fósforo e vitamina D em crianças e adolescentes de baixa estatura. Revista de Nutrição, 23(1), 65-73. doi: 10.1590/S1415-52732010000100008

Casseb, M. S., & Ferreira, E. A. P. (2012). Treino em automonitoração e comportamentos de prevenção em diabetes Tipo 2. Estudos de Psicologia, 29(1), 135-142. doi: 10.1590/S0103-166X2012000100015

Casseb, M. S., Bispo, M. S. M., & Ferreira, E. A. P. (2008). Automonitoração e seguimento de regras nutricionais em diabetes: dois estudos de caso. Interação em Psicologia, 12(2), 223-233.

Cerutti, D. T. (1994). Compliance with instructions: Effects of randomness in scheduling and monitoring. The Psychological Record, 41, 51-67.

Dunbar-Jacob, J., Houze, M.P., Kramer, C., Luyster, F., & McCall, M. (2010). Adherence to medical advice: Processes and measurement. In A. Steptoe (Org.), Handbook of Behavioral Medicine: Methods and applications. New York: Springer.

Duvdevany, I., Cohen, M., Minsker-Valtzer, A., & Lorber, M. (2011). Psychological correlates of adherence to selfcare, disease activity and functioning in persons with systemic lupus erythematosus. Lupus, 20(1), 14-22. doi: 10.1177/0961203310378667

Ferreira, E. A. P., & Fernandes, A. L. (2009). Treino em autoobservação e adesão à dieta em adulto com diabetes tipo 2. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(4), 629-636. doi: 10.1590/S0102-37722009000400019

Hayes, S. C., Rosenfarb, I., Wulfert, E., Munt, E., Korn, Z., & Zettle, R. D. (1985). Self- reinforcement effects: An artifact of social standard setting. Journal of Applied Behavior Analysis, 18, 201-214. doi: 10.1901/jaba.1985.18-201

Hidaka, A. H. V. (2007). Tratamento comportamental de crianças com obesidade ou sobrepeso: Estudo exploratório baseado no modelo construcional de I. Goldiamond. (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Katz, R. S. (2011). What are the SLEDAI and BILAG evaluations? Recuperado de http://www.lupusil.org/what-are-the-sledaiand-bilag-evaluations.html

Malerbi, F. E. K. (2000). Adesão ao tratamento. In R. Kerbauy, (Org.), Sobre comportamento e cognição. Psicologia comportamental e cognitiva: Conceitos, pesquisa e aplicação, a ênfase no ensinar, na emoção e no questionamento clínico (Vol. 5, pp. 148-155). Santo André, SP: ARBytes Editora.

Malerbi, F. E. K. (2011). Adesão ao tratamento, importância da família e intervenções comportamentais em diabetes. In Sociedade Brasileira de Diabetes (Org.), Diabetes na prática clínica. (módulo 3). Recuperado de http://www.diabetes.org.br/ebook/component/k2/item/53-adesao-ao-tratamentoimportancia-da-familia-e-intervencoes-comportamentaisem-diabetes

Martins, L. C. C. de O., Ferreira, E. A. P., Cavalcante, L. C., & Almeida, F. P. (2015). Seguimento de regras nutricionais em crianças com excesso de peso. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 31(1), 33-41. doi: 10.1590/0102-37722015011465033041

Matos, M. A. (2001). Comportamento governado por regras. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 3(2), 51-66.

Mulvaney, S. A., Rothman, R. L., Osborn, C. Y., Lybarger, C., Dietrich, M. S., & Wallston, K. A. (2010). Self-management problem solving for adolescents with type 1 diabetes: Intervention processes associated with an internet program. Patient Education and Counseling, 85, 140–142. doi: 10.1016/j.pec.2010.09.018

Otsuki, M., Clerisme-Beaty, E., Rand, C.S., & Riekert, K.A. (2009). Measuring adherence to medication regimens in clinical care and research. In S. A. Shumaker, J. K. Ockene, & K. A. Riekert

(Orgs.), The Handbook of health behavior change (3ª ed., pp. 309-326). New York: Springer Publishing Company.

Palmer, D. L., Osborn, P., King, P. S., Berg, C. A., Butler, J., Butner, J., … Wiebe, D. J. (2010). The structure of parental involvement and relations to disease management for youth with type 1 diabetes. Journal of Pediatric Psychology, 36(5), 596–605. doi: 10.1093/jpepsy/jsq019

Pongmarutani, T., Alpert, P. T., & Miller, S. K. (2006). Pediatric systemic lupus erythematosus: Management issues in primary practice. Journal of American Academy of Nurse Practitioner, 18(6), 258-267. doi: 10.1111/j.1745-7599.2006.00128.x

Ribeiro, E. H., Costa, E. F., Sobral, G. M., & Florindo, A. A. (2011). Desenvolvimento e validação de um recordatório de 24 horas de avaliação da atividade física. Revista Brasileira de Atividade

Física e Saúde, 16(2), 132-137.

Sousa, L. M., Paracampo, C. C. P., & Albuquerque, L. C. (2015). Efeitos de histórias experimentais e de justificativas sociais sobre o comportamento de seguir regras. Psicologia: Reflexão e Crítica, 28(3), 583-592. doi: 10.1590/1678-7153.201528317

Skinner, B. F. (1969). Contingencies of reinforcement: A theoretical analysis. New York: Appleton-Century-Crofts.

Skinner, B. F. (1974). About behaviorism. New York: Alfred A. Knopf.

Sociedade Brasileira de Reumatologia (2011). Lúpus Eritematoso Sistêmico Juvenil. São Paulo: Sociedade Brasileira de Reumatologia.

World Health Organization (2003). Adherence to long-term therapies: Evidence for action. Genebra: World Health Organization.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
Almeida, F., Ferreira, E., & Moraes, A. J. (2017). Efeitos de Registros de Automonitorização sobre Relatos de Adesão ao Tratamento em Adolescentes com Lúpus. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19471
Seção
Estudos Empíricos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##