Comportamentos Pró-Sociais de Adolescentes em Acolhimento Institucional

  • Amanda Oliveira Fernandes Laboratório de Psicologia Ambiental e Desenvolvimento Humano (LADH) - Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP-BS.
  • Nancy Ramacciotti de Oliveira Monteiro Laboratório de Psicologia Ambiental e Desenvolvimento Humano (LADH) - Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP-BS.
Palavras-chave: Adolescência, Acolhimento, Comportamento pró-social

Resumo

Realizou-se um levantamento de indicadores de comportamentos pró-sociais em adolescentes acolhidos. A pesquisa foi realizada com 61 adolescentes (11 a 18 anos; 34 meninas e 27 meninos), que viviam em instituições de acolhimento e foram avaliados por meio da Escala de Medida de Pró-Socialidade (EMPA). A análise dos resultados foi feita por subgrupos: idade (11-14 anos/15-18 anos), sexo e tempo de acolhimento (até dois anos e mais de dois anos). Resultados indicaram tendência a comportamentos pró-sociais de cuidado, principalmente, nos adolescentes com menos tempo de institucionalização. Meninas referiram mais comportamentos pró-sociais do que os meninos. Os participantes indicaram tendência à dificuldade de empatia e de partilha de objetos pessoais e de valor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Oliveira Fernandes, Laboratório de Psicologia Ambiental e Desenvolvimento Humano (LADH) - Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP-BS.

Mestre em Ciências pelo Programa de Pós Graduação Interdisciplinar em Ciências da Saúde da UNIFESP/BS.

Nancy Ramacciotti de Oliveira Monteiro, Laboratório de Psicologia Ambiental e Desenvolvimento Humano (LADH) - Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP-BS.

Docente do curso de Psicologia e do Bacharelado Interdisciplinar em Ciências e Tecnologia-Ciências do Mar (BICT-Mar), da Universidade Federal de São Paulo, campus Baixada Santista (UNIFESP-BS). Coordenadora do Laboratório de Psicologia Ambiental e Desenvolvimento Humano (LADH/UNIFESP-BS).

Referências

Assis, S. G., & Farias, L. O. P. (Eds.) (2013). Levantamento nacional das crianças e adolescentes em serviços de acolhimento. São Paulo: Hucitec.

Auné, S. E., Blum, D., Abal, F. J. P., Lozzia, G. S., & Attorresi, H. F. (2014). La conducta prosocial: Estado actual de la investigación. Perspectivas en Psicología, 11(2), 21-33.

Aznar-Farias, M., & Oliveira-Monteiro, N. R. O. (2006). Reflexões sobre pró-socialidade, resiliência e psicologia positiva. Revista Brasileira de Terapia Cognitiva, 2(2), 39-46.

Cáceda, R., Moskovciak, T., Prendes-Alvarez, S., Wojas, J., Engel, A., Wilker, S. H., Gamboa, J. L., & Stowe, Z. N. (2014). Gender-specific effects of depression and suicidal ideation in prosocial behaviors. PLoS ONE, 9(9), e108733. doi:10.1371/journal.pone.0108733

Carlos, D. M., Ferriani, M. G. C., Silva, M. A. I., Roque, E. M. S. T., & Vendruscolo, T. S. (2013). O acolhimento institucional como proteção a adolescentes vítimas de violência doméstica: Teoria ou prática? Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21(2), 7 telas. doi: 10.1590/S0104-11692013000200015

Caprara, G. V., Steca, P., Zelli, A., & Capanna, C. (2005). A new scale for measuring adults’ prosocialness. European Journal of Psychological Assessment, 21(2), 77-89. doi: 10.1027/1015-5759.21.2.77

Cavalcante, L. I. C., & Costa, L. N. (2011). Comportamento de cuidado entre crianças institucionalizadas: Aspectos conceituais e estudos empíricos. In C. M. C Magalhães, L. I. C. Cavalcante, F. A. R. Pontes, S. S. C. Silva, & L. S. Corrêa (Orgs.), Contextos ecológicos do desenvolvimento humano I. Belém: Paka-Tatu.

Cavalcante, L. I. C., Costa, L. N., & Magalhães, C. M. C. (2012). Caretaking behavior among siblings in children’s shelters. Psicologia Reflexão e Critica, 25(1), 165-173. doi: 10.1590/S0102-79722012000100020

Chapman, M., Wall, A., & Barth, R. (2004). Children’s voice: The perceptions of children in foster care. American Journal of Orthopsychiatry, 74(3), 293-304. doi: 10.1037/0002-9432.74.3.293

Dell´Aglio, D. D., Koller, S. H., & Yunes, M. A. M. (2006). Resiliência e Psicologia Positiva: Interfaces do risco à proteção. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Dell’Aglio, D. D., & Siqueira, A. C. (2010). Preditores de satisfação de vida de jovens em situação de vulnerabilidade no sul do Brasil. Revista Psicodebate: Psicologia, Cultura y Sociedade, 10, 213-230. Recuperado de https://dspace.palermo.edu/ojs/index.php/psicodebate/article/view/397/180

Decreto Lei nº 8.069/1990 (1990). Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1.

Decreto Lei nº 12.010/2009 (2009). Dispõe sobre adoção; altera as Leis nº 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, 8.560, de 29 de dezembro de 1992; revoga dispositivos da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil, e da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943; e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1.

Fernandes, A. O., & Oliveira-Monteiro, N. R. (2016). Psychological indicators and perceptions of adolescents in residential care. Paidéia, 26(63), 81-89. doi: 10.1590/1982-43272663201610

Eisenberg, N., Eggum, N. D., & Di Giunta, L. D. (2010). Empathyrelated responding: Associations with prosocial behavior, aggression, and intergroup relations. Social Issues and Policy Review, 4(1), 143-180. doi: 10.1111/j.1751-2409.2010.01020.x

Eisenberg, N., & Musen, P.H. (1989). The roots of prosocial behavior in children. Cambridge: Cambridge University.

Escrivá, M. V. M., Garcia, P. S., & Navarro, M. D. F. (2002). Procesos cognitivos y emocionales predictores de la conducta prosocial y agresiva: La empatía como factor modulador. Psicothema, 14(2), 227-232. Recuperado de http://www.psicothema.com/pdf/713.pdf

Fernandes, A. O., Oliveira-Monteiro, N. R., Spadari-Bratfisch, R. C., Nascimento, J. O. G., & Montesano, F. T. (2015). Estresse em adolescentes abrigados. Adolescência & Saúde, 12(4), 65-75. Recuperado de http://www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=536#

Gaspar, A. D. (2014). Neurobiologia e psicologia da empatia: Pontos de partida para a investigação e intervenção da promoção da empatia. Povos e Culturas, 01, 27-42.

González, J. J. Z., Cuéllar, A. I., Miguel, J. M. T., & Desfilis, E. S. (2009). El desarrollo de la identidad en la adolescencia y adultez emergente: Una comparación de la identidad global frente a la identidad en dominios específicos. Anales de Psicología, 25(2), 316-329. Recuperado de http://www.redalyc.org/pdf/167/16712958014.pdf

Koller, S. H., & Bernardes, N. M. G. (1997). Desenvolvimento moral pró-social: Semelhanças e diferenças entre os modelos teóricos de Eisenberg e Kohlberg. Estudos de Psicologia, 2(2),

-262. doi: 10.1590/S1413-294X1997000200002

Mestre, M. V., Tur, A. M., Samper, P., Nácher, M. J., & Cortés, M. T. (2007). Estilos de crianza en la adolescencia y su relación con el comportamiento prosocial. Revista Latinoamericana de

Psicologia, 39(2), 211-225. Recuperado de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=80539201

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (2006). Plano Nacional de Promoção, Proteção e Defesa do Direito de Crianças e Adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária. Brasília: CONANDA/CNAS. Recuperado de http://www.sdh.gov.br/assuntos/criancas-e-adolescentes/programas/pdf/plano-nacional-de-convivencia-familiar-e.pdf

Organización Mundial de la Salud. (1999). Programación para la salud y el desarrollo de los adolescentes: Informe de un Grupo d’Estudio OMS/FNUAP/UNICEF [Programming for

adolescent health and development: Report of a WHO/UNFPA/UNICEF study group]. (OMS: TRS/886). Ginebra: OMS.

Poletto, M., Koller, S. H., & Dell’Aglio, D. D. (2009). Eventos estressores em crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social de Porto Alegre. Ciência & Saúde coletiva, 14(2), 455-466. doi: 10.1590/S1413-81232009000200014

Reppold, C. T., Gurgel, L. G., & Hutz, C. S. (2016). Evidências de validade da Escala de Conduta Social para Adolescentes. Avaliação Psicológica, 15(1), 83-91. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v15n1/v15n1a10.pdf

Roche, O. R. (2007). Desarrollo de la inteligencia emocional y social desde los valores y actitudes prosociales em la escuela. Buenos Aires: Ciudad Nueva.

Roche, O. R. (2010). Prosocialidad nuevos desafios: Métodos y pautas para la optimización creativa del entorno. Buenos Aires: Ciudad Nueva.

Roche, O. R., & Selva, C. (2010). Young prosocial animation. In O. R. Roche (Org.), Prosocialidad nuevos desafios: Métodos y pautas para la optimización creativa del entorno. Buenos Aires: Ciudad Nueva.

Santos, M. F., & Bastos, A. C. S. (2002). Padrões de interação entre adolescentes e educadores num espaço institucional: Ressignificando trajetórias de risco. Psicologia: Reflexão e Critica, 15(1), 45-52. doi: 10.1590/S0102-79722002000100006

Sapienza, G. (2006). Comportamento pró-social, práticas educativas parentais e rendimento acadêmico do adolescente (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de São Paulo.

Save the Children. (2009). Keeping children out of harmful institutions: Why we should be investing in family-based care. London: Save the Children.

Senna, S. R. C. M., & Dessen, M. A. (2012). Contribuições das teorias do desenvolvimento humano para a concepção contemporânea da adolescência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(1), 101-108. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ptp/v28n1/13.pdf

Siqueira, A. C., & Dell’Aglio, D. D. (2007). Retornando à família de origem: Fatores de risco e proteção no processo de reinserção familiar de uma adolescente institucionalizada. Revista

Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 17(3), 134-146. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v17n3/13.pdf

Siqueira, A. C., Zoltowski, A. P., Giordani, J. P., Otero, T. M., & Dell’Aglio, D. D. (2010). Processo de reinserção familiar: Estudo de casos de adolescentes que viveram em instituição de abrigo. Estudos de Psicologia, 15(1), 7-15. doi: 10.1590/S1413-294X2010000100002

Steinberg, L., & Lerner, R. M. (2004). The scientific study of adolescence: A brief history. The Journal of Early Adolescence, 24(1), 45-54. doi: 10.1177/0272431603260879

Vecchione, M. V., & Piconni, L. (2010). Differenze di età e di genere nella condotta prosociale. In G. V. Caprara, & S. Bonino (Orgs.), Il comportamento prosociale: Aspetti individuali, familiar e social. Trento: Erickson.

Wathier, J. L., & Dell’Aglio, D. D. (2007). Sintomas depressivos e eventos estressores em crianças e adolescentes no contexto de institucionalização. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 29(3), 305-314. doi: 10.1590/S0101-81082007000300010

Yunes, M. A. M., Miranda, A. T., & Cuello, S. E. S. (2004). Um olhar ecológico para os riscos e as oportunidades de desenvolvimento de crianças e adolescentes. In S. H. Koller (Org.), Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisa e intervenção no Brasil. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
Fernandes, A., & Oliveira Monteiro, N. (2017). Comportamentos Pró-Sociais de Adolescentes em Acolhimento Institucional. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19461
Seção
Estudos Empíricos