Predicados não-verbais em Tuparí

  • Edineia Aparecida Isidoro Universidade Federal de Rondônia
  • Raul Pat’Awre Tuparí Universidade Federal de Rondônia
  • Isaías Tuparí Universidade Federal de Rondônia
Palavras-chave: Predicados não verbais. Nomes e Adjetivos. Cópulas. Verbos posicionais. Sintagmas posposicionais.

Resumo

Descrevem-se os tipos de predicados não-verbais identificados até o presente na língua Tuparí, pertencente à família Tuparí do tronco Tupí (Rodrigues 1964, 1984-85, 1986). A análise tomou por base dados do Tuparí contidos em Rodrigues e Caspar (1957), em Alves (2004), e novos dados coletados em 2011 e 2016 em Brasília, em 2013 em Ji-Paraná, e em 2017 e 2018 na Terra Indígena Rio Branco. A análise referencia-se nas tipologias de predicados propostas por Payne (1997) e por Dryer (2007). O artigo contribui com os estudos linguísticos sobre a língua Tuparí, abordando um tema ainda muito pouco estudado no âmbito dessa língua.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edineia Aparecida Isidoro, Universidade Federal de Rondônia

Universidade Federal de Rondônia, campus de Ji-Paraná, Rondônia, Brasil, Departamento de Educação Intercultural.

Raul Pat’Awre Tuparí, Universidade Federal de Rondônia

Secretaria de Estado da Educação, Terra Indígena Rio Branco, Município de Alta Floresta, Rondônia, Brasil, Escola, Kap’Sogo Tuparí

Isaías Tuparí, Universidade Federal de Rondônia

Secretaria de Estado da Educação, Terra Indígena Rio Branco, Município de Alta Floresta, Rondônia, Brasil, Escola Hapbit Tuparí

Referências

Alves, Poliana Maria. 1991. Análise Fonológica Preliminar da Língua Tuparí. Dissertação de Mestrado, UnB.

Alves, Poliana M.. 2000. A Flexão Relacional em Tuparí. In: Anais da 52ª Reunião Anual da SBPC, Brasília, 2000, Brasília.

Alves, Poliana M.. 2001. Flexão Relacional em Tuparí e em Tupí-Guaraní. In: Línguas Indígenas Brasileiras: Fonologia, Gramática e História. Belém: Editora Universitária - EDUFPA/Livraria do Campus,. v. I. p. 269-273.

Alves, Poliana Maria. O léxico do Tuparí: proposta de um dicionário bilíngüe. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2004.

Alves, Poliana M.. 2007. O Dicionário Tuparí-Português. In: Ana Suelly Arruda Câmara Cabral; Aryon Dall’Igna Rodrigues. (Org.). Línguas e Culturas Tupí. 1ed.Campinas: Curt Nimuendajú, v. I, p. 301-308.

Caspar, Franz. 2015. Os Tupari. Uma tribo indígena no Brasil ocidental.. (MS).

Caspar, Franz, and Aryon Dall’Igna Rodrigues. 1957. Ms.Versuch einer Grammatik der Tuparí-Sprache.

Dryer, Matthew. 2007. Clause Types. In. Shopen Timothy, Language Typology and Syntactic Description, secon edition, Vol. I: Clause Structure. Edited by, Published in the United States of America by Cambridge University Press, New York.

Payne, Thomas E. 1997. Describing morphosyntax, A guide for field linguists. University of Oregon and Summer Institute of Linguistics, CAMBRIDGE UNIVERSITY PRESS, Cambridge, New York, Melbourne, Madrid, Cape Town, Singapore, Sao Paulo ( 63-65)

Rodrigues, Aryon; Caspar, Fraz. 2017. Esboço da Gramática da Língua Tuparí. Tradução de Enrique Huelvaa Unterbaum, Laura Waagerle, Ariel Pheula do Couto e Silva, Ana Suelly Arruda Camaara Cabral, Brasila, DF: lALLI-IL-UnB,.

Seki, L. 2002. Aspectos morfossintáticos do Nome em Tupari. In: Ana Suelly A. C. Cabral; Aryon D. Rodrigues. (Org.). Atas do I Encontro Internacional do Grupo de Trabalho sobre Línguas Indígenas da ANPOLL. 1ed. Pará: Editora Universitária UFPA, 2002, v. 1, p. 298-308.

Tupari, Raul Pat’ Aware. 2015. Ote Ma’ẽ - Reflexões Sobre a Escrita da Língua Tupari. Monografia, Licenciatura em Educação Básica Intercultural, Departamento de Educação Intercultural, Universidade Federal de Rondonia- UNIR.

Publicado
2018-12-19
Seção
Artigos