PATRIARCADO, SOCIEDADE E PATRIMONIALISMO

Autores

  • Neuma Aguiar Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Palavras-chave:

Brasil, patriarcado, patrimonialismo, feminismo, teoria.

Resumo

Neste texto pesquisamos o significado do conceito de
patriarcado no Pensamento Social Brasileiro. Observamos como
o sistema de dominação é concebido de forma ampla e que
incorpora as dimensões da sexualidade, da reprodução e da
relação entre homens e mulheres no contexto de um sistema
escravista. Nas sociedades onde o público se destaca do privado,
sustentamos que as relações de gênero continuam patriarcais;
no âmbito das sociedades patrimoniais, a intimidade entre público
e privado também não resultou em uma maior participação
política ou econômica das mulheres nessa esfera pela própria
origem patriarcal do estamento burocrático no contexto de um
patrimonialismo patriarcal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neuma Aguiar, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Professora da Universidade Federal de Minas Gerais

Referências

ADAMS, Julia (1994). “The familial state; elite family practices and

state-making in the early modern Netherlands”. Theory and

Society, 23/24, August.

AGARWALA, Bina (org.) (1988). Structures of patriarchy: the state,

the community and the household. New Delhi: Indian

Association for Women’s Studies.

AGUIAR, Neuma (org.) (1984). A mulher na força de trabalho na

América Latina. Rio de Janeiro: Vozes.

AZEVEDO, Fernando de (1949). Canaviais e engenhos na vida

política do Brasil. São Paulo: Edições Melhoramentos.

BUTLER, Melissa A (1978). “Early liberal roots of feminism: John Locke

and the attack on patriarchy”. American Political Science

Review, n.º 72.

COWARD, Rosalind (1983). Patriarchal precedents: sexuality and

social relations. Londres: Routledge and Kegan Paul.

CROMPTON, Rosemary (1993). Class and stratification: an

introduction to current debates. Cambridge: Polity Press.

CROMPTON, Rosemary, MANN, Michael (eds.) (1994). Gender and

stratification. Cambridge: The Polity Press.

DORIA BILAC, Elizabeth (1996). “Mãe certa, pai incerto: da construção

social à normatização jurídica da paternidade e da filiação”.

Trabalho apresentado ao XX Encontro Anual da ANPOCS,

GTO821.DOC.

DUARTE, Nestor (1966). A ordem privada e a organização política

nacional. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

EISENSTEIN, Zillah (1979). Capitalist patriarchy and the case for

socialist feminism. New York: Monthly Review Press.

______________ (1981). The radical future of liberal feminism.

New York: Longman.

FAORO, Raimundo (1958). Os donos do poder. Porto Alegre: Globo.

______________ (1993). “A aventura liberal numa ordem patrimonialista.

Dossiê liberalismo, neoliberalismo”. Revista da

USP, n.º 17, março-maio.

HARTMANN, Heidi (1981). “The unhappy marriage of marxism and

feminism: towards a more progressive union”. Women and

Revolution: A Discussion of the Unhappy Marriage of

Marxism and Feminism, Lydia Sargent (ed.) p. 1-41.

LAND, H. (1980). “The Family Wage”. Feminist Review, n.º 6, p. 55-77.

LOCKE, John (1967). Two treatises of government. Organizada por

P. Laslett. Cambridge: Cambridge University Press.

MAINE, Henry Summer (1970). Ancient law. Gloucester, Mass.:

Peter Smith.

PATEMAN, Carole (1988). The sexual contract. Stanford, California:

Stanford University Press.

______________ (1989). The disorder of women: democracy,

feminism and political theory. Stanford, California: Stanford

University Press.

SAVAGE, Mike e WITZ, Ann.(orgs). Gender and bureaucracy. Oxford:

Blackwell Publishers

SHANLEY, Lindon e PATEMAN, Carole (1989). Feminist interpretations

and political theory. The Pennsylvania State University Press.

VAITSMAN, Jeni (1994). Flexíveis e plurais: identidade, casamento

e família em circunstâncias pós-modernas. Rio de

Janeiro: Rocco.

VIANNA, Oliveira (1938). Populações meridionais do Brasil. São

Paulo: Companhia Editora Nacional.

______________ (1955). Instituições políticas brasileiras. Rio

de Janeiro: Livraria José Olympio Editora.

WALBY, Silvia (1990). Theorizing patriarchy. Oxford: Brasil Blackwell.

WEBER, Max (1947). The theory of social and economic

organization. Organizada por T. Parsons. Glencoe-Ill: The

Free Press e The Falcon Wing Press.

______________ (1964). Sociology of religion. Boston: Beacon Press.

______________ (1978). Economy and society. Organizada por

Guenther Roth e Claus Wittich. Berkeley: The University

of California Press, 2 vols.

______________ (1961). General economic history. New York:

Collier Books.

WITZ, Ann (1992). Professions and patriarchy. Londres e New

York: Routledge.

Downloads

Publicado

12-08-2022

Como Citar

Aguiar, N. . (2022). PATRIARCADO, SOCIEDADE E PATRIMONIALISMO. Sociedade E Estado, 15(02), 303–330. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/sociedade/article/view/44600

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.