Os trabalhadores farmacêuticos na atenção básica de Porto Alegre e a pandemia de coronavírus

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/rgs.v14i2.47064

Palavras-chave:

Condições de trabalho;, Atenção Básica; , Cuidados Farmacêuticos;, Coronavírus ; , Problemas sociais.

Resumo

Os trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS) vivenciam as implicações da atual configuração do mundo do trabalho, pautada pela flexibilização dos direitos trabalhistas e sobrecarga de trabalho, contexto agravado pela pandemia de COVID-19, trazendo implicações particulares para a categoria dos farmacêuticos. Esta pesquisa objetiva analisar a configuração do trabalho dos farmacêuticos da Atenção Básica de Porto Alegre durante a pandemia de coronavírus. A pesquisa é qualitativa com propósito descritivo - exploratória, conduzida através de entrevistas coletadas dos farmacêuticos das Farmácias Distritais do município, interpretadas pela análise de conteúdo de Pagés na perspectiva teórica do materialismo-histórico-dialético. A análise resultou nos temas dominantes: (1) O trabalho do Farmacêutico na Atenção Básica, (2) Condições de trabalho do Farmacêutico nas Farmácias Distritais, (3) Precarização do trabalho nas Farmácias Distritais e (4) O trabalho do farmacêutico nas Farmácias Distritais durante a pandemia de coronavírus. A pandemia evidenciou à categoria o potencial de seu trabalho no SUS, em especial, na prática da educação em saúde, e, ao mesmo tempo, que são necessárias melhores condições de trabalho para qualificar a prática profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Teixeira CFS. et al. A saúde dos profissionais de saúde no enfrentamento da pandemia de COVID-19. Ciência e Saúde Coletiva, [S.l.], v. 25, p. 3465-3474, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/6J6vP5KJZyy7Nn45m3Vfypx/?format=pdf&lang=pt.

Antunes R. Coronavírus: o trabalho sob fogo cruzado. 1ª ed. São Paulo: Boitempo, 2020.

Souza DO. A pandemia de COVID-19 para além das Ciências da Saúde: reflexões sobre sua determinação social. Ciência e Saúde Coletiva, [S.l.], v. 25, n. 1, pg 2469-2477, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/t5Vg5zLj9q38BzjDRVCxbsL/?format=pdf&lang=pt.

Conselho Federal de Farmácia. Serviços farmacêuticos diretamente destinados ao paciente, à família e à comunidade. Brasília: Conselho, 2016. Disponível em: https://www.cff.org.br/userfiles/Profar_Arcabouco_TELA_FINAL.pdf.

Porto Alegre. Portaria nº 664, de 12 de Julho de 2019. Diário Oficial do Município, 2019. Disponível em: https://dopaonlineupload.procempa.com.br/dopaonlineupload/2965_ce_261455_2.pdf.

Bravo MIS. Política de saúde no Brasil. In: Mota AE. (org.). Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. Rio de Janeiro: Cortez, 2006.

Dantas AV. Saúde, luta de classes e o ‘fantasma’ da Reforma Sanitária Brasileira. Saúde em Debate, [S.l.], v. 42, p. 145-157, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sdeb/a/5SjQbZ6XmBcPVg93rHyK9hb/?format=pdf&lang=pt.

Brasil. Portaria nº 639, de 31 de Março de 2020. Diário Oficial da União, 2020. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2020/prt0639_02_04_2020.html.

Costa JL. Entidades classificam morte de técnica em enfermagem como tragédia anunciada. Gaúcha Zero Hora [internet], [S.l.], 2020. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/saude/noticia/2020/04/entidades-classificam-morte-de-tecnica-em-enfermagem-como-tragedia-anunciada-ck8rk1rc5010201nt0595kpwh.html.

Marx K. Contribuição à crítica da economia política. 2ª ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

Antunes R. Adeus ao Trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 16ª ed. São Paulo: Cortez, 2015.

Pinto GA. A organização do trabalho no século XX: taylorismo, fordismo e toyotismo. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

Diefenthaeler SS. O projeto democrático e popular e a democracia de cooptação: uma relação com o controle social no SUS e o amoldamento da classe trabalhadora ao capitalismo [dissertação]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2018. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/182651.

Druck G. A terceirização na saúde pública: formas diversas de precarização do trabalho. Trabalho, Educação e Saúde, [S.l.], v. 14, p. 15-43, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tes/a/ZzrBrfcK75czCSqYzjjhRgk/?format=pdf&lang=pt.

Nakamura CA; Leite SN. A construção do processo de trabalho no Núcleo de Apoio à Saúde da Família: a experiência dos farmacêuticos em um município do sul do Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, [S.l.], v. 21., p. 1565-1572, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/vzg87dp86cyqPpcCRBMSTJq/?format=pdf&lang=pt.

Machado MH; Oliveira ES; Moyses NMN. Tendências do mercado de trabalho em saúde no Brasil. In: Pierantoni C, Dal Poz MR, França T. (org.). O Trabalho em Saúde: abordagens quantitativas e qualitativas. Rio de Janeiro: CEPESC/UERJ, 2011.

Brasil. Gestão do cuidado farmacêutico na Atenção Básica. 1ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/Livro_Atencao_basica_Farmaceutica.pdf.

Porto Alegre. Relatório de gestão 1º quadrimestre 2020 mai. Disponível em: http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/sms/usu_doc/relatorio_gestao_1quadrimestre_2020_atualizado.pdf.

Downloads

Publicado

30-10-2023

Como Citar

1.
Klimkowski Argoud V, da Silva Diefenthaeler S, Rigo AP. Os trabalhadores farmacêuticos na atenção básica de Porto Alegre e a pandemia de coronavírus. Rev. G&S [Internet]. 30º de outubro de 2023 [citado 20º de abril de 2024];14(2):116-34. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/47064

Edição

Seção

Artigos Originais