Concepções de gestores sobre a política de atenção integral à saúde das pessoas privadas de liberdade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/gs.v12i01.33389

Palavras-chave:

gestão em saúde, prisões, prisioneiros, política de saúde

Resumo

A Política Nacional para Atenção Integral à  Saúde da Pessoa Privada de Liberdade no Sistema Prisional foi implantada através da Portaria nº 482, de 1º de abril de 2014, com objetivo de garantir o acesso efetivo e sistemático da população que se encontra sob custódia do Estado à s ações e aos serviços de saúde. Objetiva-se  neste trabalho compreender as concepções e práticas de gestores de serviços de saúde sobre a Política Nacional de Atenção à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional. Trata-se de estudo descritivo, com abordagem qualitativa, realizado no âmbito de um município do Rio Grande do Norte, Brasil, com gestores dos estabelecimentos que são referência para o cuidado de pessoas privadas de liberdade e que representam a rede de atenção em seus níveis de complexidade do município. Os gestores de serviços de saúde que compuseram a amostra deste estudo reconhecem o direito à saúde das pessoas privadas de liberdade. Entretanto, o conhecimento acerca dos princípios, diretrizes e operacionalização da Política Nacional para Atenção Integral à Saúde da Pessoa Privada de Liberdade no Sistema Prisional ainda é escasso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirraelly Lorran das Neves Florêncio, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Tecnólogo em Gestão Hospitalar pela UFRN

Lannuzya Veríssimo e Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professora da Escola de Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Doutora em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da UFRN

Pétala Tuani Candido de Oliveira Salvador, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Enfermeira, Doutora em Enfermagem, Docente da Escola de Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte 

Referências

Brasil. Ministério da Justiça. Levantamento nacional de informações penitenciárias INFOPEN- Atualização Junho/2019. Brasília: Ministério da Justiça; 2019.

Rangel FM, Bicalho PPG. Superlotação das prisões brasileiras: Operador político da racionalidade contemporânea. Estud psicol. 2016;21(4):415-23.

Alves V, Binder MCP. Trabalhar em penitenciárias: violência referida pelos trabalhadores e (in) satisfação no trabalho. Rev Bras Saude Ocup. 2014;39(129):50-62.

Oliveira LV, Coelho AA, Salvador PTCO, Freitas CHSM. Muros (in)visíveis: reflexões sobre o itinerário dos usuários de drogas no Brasil. Physis. 2019;29(4):e290411.

Soares Filho MM, Bueno PMMG. Demografia, vulnerabilidades e direito à saúde da população prisional brasileira. Ciênc Saúde Coletiva. 2016;21(7):1999-2010.

Valim EMA, Daibem AML, Hossne WS. Atenção à saúde de pessoas privadas de liberdade. Revista Bioética. 2018;26(2):282-90.

Brasil. Ministério da Justiça. Lei de Execução Penal nº 7210, de 11 de julho de 1984. Brasília: Ministério da Justiça; 1984.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal; 1988.

Nascimento LG, Bandeira MMB. Saúde Penitenciária. Promoção de Saúde e Redução de Danos do Encarceramento: Desafios para a Prática do Psicólogo no Sistema Prisional. Psicol Cienc Prof. 2018;38(spe2):102-16.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação de Saúde no Sistema Prisional. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Barbosa ML, Costa GMC, Celino SDM. Saúde e doença: concepções e necessidades percebidas no sistema penitenciário. Rev enferm UFPE on line. 2015;9(1,supl):261-70.

Silva PBS, Barbosa ML, Oliveira LV, Costa GMC. Assistência de enfermagem prestada às pessoas privadas de liberdade no ambiente hospitalar. Rev Bras Enferm. 2020;73(3):e20170809.

Camargo BV, Justo AM. IRAMUTEQ: Um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia. 2013;21(2):513-8.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Batista MA, Araújo JL, Nascimento EGC. Assistência à saúde das pessoas privadas de liberdade provisória: análise da efetividade do plano nacional de saúde do sistema penitenciário. Arq Cienc Saúde UNIPAR. 2019;23(1):71-80.

Merhy E. Em busca da qualidade dos serviços de saúde: os serviços de porta aberta para a saúde e o modelo tecnoassistencial em defesa da vida. In: Cecílio LCO. (Org.). Inventando a mudança na saúde. São Paulo: Hucitec; 1994, p.117-60.

Barros JO, Daldon MTB, Rocha TO, Sznelwar LI, Lancman S. Intersetorialidade em saúde e trabalho no contexto atual brasileiro: utopia da realidade?. Interface (Botucatu). 2020;24:e190303.

Schultz ALV, Dias MTG, Lewgoy AMB, Dotta RM. Saúde no Sistema Prisional: um estudo sobre a legislação brasileira. Argumentum, 2019;9(2):1-16.

Downloads

Publicado

29-04-2021

Como Citar

1.
Lorran das Neves Florêncio M, Veríssimo e Oliveira L, Tuani Candido de Oliveira Salvador P. Concepções de gestores sobre a política de atenção integral à saúde das pessoas privadas de liberdade. Rev. G&S [Internet]. 29º de abril de 2021 [citado 28º de setembro de 2021];12(01):80-91. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/33389

Edição

Seção

Artigos Originais