Do nome à coisa: a Covid-19 experienciada por mulheres domiciliadas em João Pessoa - o caso de Cristina

Autores

  • Geissy Reis
  • Mónica Franch

Palavras-chave:

Covid-19, experiência de adoecimento, cuidado

Resumo

A pandemia da covid-19, ao longo de seu trajeto espaço temporal, vê-se enredada às múltiplas condições socioculturais das distintas localidades e grupos humanos que atinge, como diversos estudos vêm apontando. Tais contextos nos dão elementos para que possamos signicá-la, assim como produzem condições em meio às quais a pandemia é vivenciada. A longeva atribuição do cuidado às mulheres acaba por engendrar formas de viver e de adoecer em meio à pandemia, que merecem ser percebidas, além de encaradas, também, como questões de saúde pública. O objetivo deste artigo está em apresentar e alinhavar a experiência de adoecimento por covid-19 de Cristina à histórica produção do gênero, calcada na desigualdade, agenciando um lugar de pertencimento subalterno às mulheres. Nos propomos a apresentar a vivência em pandemia e de adoecimento por covid-19 em pandemia de Cristina, mulher moradora da cidade de João Pessoa, componente das classes médias urbanas, com ensino superior completo na área de enfermagem, e que atualmente trabalha numa farmácia, local de onde é também sócia. Neste estudo de caso acerca da vivência de Cristina, vivência que acessamos a partir da feitura de uma pesquisa antropológica qualitativa com base em entrevistas, questões como o diagnóstico, as itinerações em busca de cuidados, os riscos, as sequelas e as sensações no corpo narradas por Cristina, são aqui postas em diálogo com narrativas antropológicas de escopo feminista e da antropologia do corpo, da saúde e da doença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ARAÚJO, Emília. A espera e os estudos sociais do tempo e sociedade. In: ARAÚJO, Emília; DUQUE, Eduardo. (Orgs.) Os tempos sociais e o mundo contemporâneo. Braga: Universidade do Minho: Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Centro de Investigação em Ciências Sociais, 2012.

BLANC, Nathalie; LAUGIER, Sandra; MOLINIER, Pascale. O preço do invisível: As mulheres na pandemia. Por que as mulheres, onipresentes na luta contra a pandemia e seus efeitos, não obtêm a visibilidade que elas merecem? A crise que nós vivemos é reveladora de nossa negação e desconsideração das atividades cotidianas. DILEMAS: Revista de Estudos de Conito e Controle Social. Rio de Janeiro – Reexões na Pandemia – pp. 1-13, 2020.

BONET, Octavio. Itinerações e malhas para pensar os itinerários de cuidado. A propósito de Tim Ingold. Sociol. Antropol, v. 4, n. 2, pp. 327-350, 2014.

BONET, Octavio. A sociedade do espanto? vírus, emaranhados e vidas. BVPS - Blog da Biblioteca Virtual do Pensamento Social: Pandemia, cultura e sociedade, 01/06/2020. Disponível em: https://blogbvps.wordpress.com/2020/06/01/a-sociedade-do-espanto-virus-emaranhados-e-vidas-por-octavio-bonet/. Acessado em: 10 maio 2021.

BONET, Octavio. A sociedade do espanto? vírus, emaranhados e vidas. BVPS - Blog da Biblioteca Virtual do Pensamento Social: Pandemia, cultura e sociedade, 01/06/2020. Disponível em: https://blogbvps.wordpress.com/2020/06/01/a-sociedade-do-espanto-virus-emaranhados-e-vidas-por-octavio-bonet/. Acessado em: 10 maio 2021.

CSORDAS, Thomas. A corporeidade como um paradigma para a antropologia. In: CSORDAS, Thomas. Corpo, signicado, cura. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

DAS, Veena. Encarando a Covid-19: Meu lugar sem esperança ou desespero. Dilemas: Revista de Estudos de Conito e Controle Social - Reexões na Pandemia, Texto 26, pp. 1-8, 2020.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, v. 5, pp. 7-41, 1995.

HINE, Christine. Virtual Ethnography. London: Sage, 2000.

HINE, Christine; PARREIRAS, Carolina; LINS, Beatriz Accioly. A internet 3E: uma internet incorporada, corporicada e cotidiana. Cadernos de Campo, v. 29, n. 2, pp. 1-42, 2020.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, v. 18, n. 37, pp. 25-44, 2012.

KAUFMANN, Jean-Claude. A entrevista compreensiva: um guia para pesquisa de campo. Petrópolis/RJ: Vozes; Maceió/AL: Edufal, 2013.

KELLY, Ann H.; KECK, Fédéric; LYNTERIS, Christos. The Anthropology of Epidemics. London, New York: Routledge, 2019.

KELLY, Ann H.; KECK, Fédéric; LYNTERIS, Christos. The Anthropology of Epidemics. London, New York: Routledge, 2019.

KLEINMAN, Arthur. Concepts and a model for the comparison of medical systems as cultural systems. Social Science and Medicine, vol. 12, pp. 85-93, 1978.

LAPLANTINE, François. Antropologia da Doença. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

LANGDON, Esther Jean. A Doença como Experiência: O Papel da Narrativa na Construção Sociocultural da Doença. Etnográfica, v. 5, n. 2, pp. 241-260, 2001.

LANGDON, Esther Jean. Os diálogos da antropologia com a saúde: contribuições para as políticas públicas. Ciênc. saúde coletiva, vol. 19, n. 4, pp. 1019-1029, 2014.

MALUF, Sônia Weidner. Antropologia em tempo real: urgências etnográcas na pandemia. Aula inaugural do Programa de Pós-Graduação em Antropologia UFAL, 2020. Disponível em: https://ics.ufal.br/pos-graduacao/mestrado-em-antropologia/institucional/eventos/aula-inaugural-2020-profa-sonia-maluf. Acessado em: 03 mar.

MALUF, Sônia Weidner. Janelas sobre a cidade pandêmica: desigualdades, políticas e resistências. Revista TOMO, v. 38, pp. 251-285, 2021.

MATTINGLY, Cheryl. The Concept of Therapeutic Emplotment. Social Science and Medicine, v. 38, n. 6, pp. 81-822, 1994.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. A antropologia contribui para pensar e fazer saúde. In:

NEVES, Ednalva Maciel; LONGHI, Marcia Reis; FRANCH, Mônica (Org.). Antropologia da saúde: Ensaios em políticas da vida e cidadania. Brasília: ABA, 2018. pp. 7-14.

RABELO, Míriam Cristina Marcilio; ALVES, Paulo César Borges. Signicações e metáforas na experiência da enfermidade. In: RABELO, Miriam Cristina Marcilio et al., (Org.). Experiência de doença e narrativa. Rio de Janeiro:. Fiocruz, 1999, pp. 171-185.

ROJAS-NAVARRO, Sebastián; ENERGICI, María-Alejandra; SCHONGUT-GROLLMUS, Nicolás;ALARCÓN-ARCOS, Samanta. Im-posibilidades del cuidado: reconstrucciones del cuidar enla pandemia de la covid-19 a partir de la experiencia de mujeres en Chile. Antipod. Rev.Antropol. Arqueol, n. 45, pp. 101-123, 2021.

SPINK, Mary Jane Paris. Fique em casa: a gestão do risco em contextos de incerteza. Psicologia & Sociedade, v. 32, 2020. Disponível em: https://-doi.org/10.1590/1807-0310/2020v32239826. Acessado em: 10 abr. 2021.

UCHÔA, Elizabeth; VIDAL, Jean Michel. Antropologia médica: elementos conceituais e metodológicos para uma abordagem da saúde e da doença. Cad. saúde pública; v. 10, n.4, pp. 497-504, 1994.

VÍCTORA, Ceres. Sofrimento social e a corporicação do mundo: contribuições a partir da antropologia. RECIIS, v.5, n.4, pp. 3-13, 2011.

Downloads

Publicado

06/28/2022

Como Citar

REIS, G.; FRANCH, M. Do nome à coisa: a Covid-19 experienciada por mulheres domiciliadas em João Pessoa - o caso de Cristina. Pós - Revista Brasiliense de Pós-Graduação em Ciências Sociais, [S. l.], v. 17, n. 1, p. 26–40, 2022. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/revistapos/article/view/43810. Acesso em: 10 dez. 2022.