Mulheres de Terreiro e Patriarcado: uma proposta de reflexão

DOI:

https://doi.org/10.26512/revistacalundu.v4i1.32232

Palavras-chave:

Mulheres de terreiro. Patriarcado. Religiões Afro-brasileiras. Comunidades de Terreiro.

Resumo

As comunidades de terreiro são espaços que agregam valores e formas próprias de produção e transmissão de conhecimento, relações pessoais e políticas, maneiras de ver, sentir e compreender o mundo, organização social e relações de gênero, como maneiras de religar os contextos comunitários e identitários que foram esfacelados pela colonização e pela escravização. A sociedade brasileira, por sua vez, foi forjada através da colonização portuguesa e da imposição dos valores morais, científicos, normativos europeus ocidentais que possuem em seu cerne e como sua base o patriarcado. Considerando que as comunidades de terreiro estão imersas dentro da sociedade brasileira e dela fazem parte, o objetivo deste texto é trazer um questionamento sobre como o patriarcado brasileiro tem influenciado as comunidades de terreiro, a partir de uma revisão das obras que retratam esse tema, e também um chamado para uma reflexão sobre a importância da compreensão das comunidades afro-religiosas para que haja atenção aos artefatos, teorias e formas de leitura que lançamos mão para significarmos a influência do patriarcado dentro dessas comunidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARRIBAS LOZANO, Alberto. Antropología colaborativa y movimientos sociales: construyendo ensamblajes virtuosos entre sujetos en proceso. Ankulegi, 19, 2015, pp. 59-73.

BANDEIRA, Lourdes Maria; ALMEIDA, Tânia Mara Campos. “A Transversalidade de Gênero nas Políticas Públicas”. In: Revista do Ceam, v. 2, n. 1, jan./jun. 2013.

BASTIDE, Roger. As Religiões Africanas no Brasil. São Paulo: Livraria Pioneira. 1971.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG. 1998.

BIDASECA, Karina. “Reconociendo las superficies de nuestras

hendiduras. Cartografiando el Sur de nuestros Feminismos”. In: Legados, Genealogías y Memorias Poscoloniales en América Latina: Escrituras fronterizas desde el Sur. Karina Bidaseca, Alejandro De Oto, Juan Obarrio y Marta Sierra. Ediciones Godot. Buenos Aires, Argentina, 2013.

BIRMAN, Patrícia. Fazendo Estilo Criando Gêneros: possessão e diferenças de gênero em terreiros de Umbanda e Candomblé no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1995.

_______________. Transas e Transes: sexo e gênero nos cultos afro-brasileiros, um sobrevôo. Estudos Feministas, Florianópolis, 13(2): 256, maio-agosto/2005.

CORDOVIL, Daniela. “Sexualidade, gênero e poder: uma análise da participação feminina em políticas públicas para afrorreligiosos em Belém, Pará”. PLURA, Revista de Estudos de Religião, ISSN 2179-0019, vol. 4, nº 2, 2013, p. 149-163.

CORREIA, Sandro dos Santos. “A importância das mulheres do candomblé no desenvolvimento de Cachoeira, BA”. In: Odeere: revista do programa de pós-graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade – UESB. ISSN 2525- 4715. Ano 2, número 3, volume 3, Janeiro – Junho de 2017.

CRENSHAW, Kimberlé. “Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da Discriminação Racial Relativos ao Gênero”. Estudos Feministas, Ano 10, 1/2002.

FERRETI, Mundicarmo. Matriarcado em Terreiros de Mina do Maranhão – realidade ou ilusão?. III Encontro de Pesquisadoras/es Maranhenses sobre Gênero, Mulheres e Cidadania – Feminismos, Ciências e Universidade – São Luís, março de 2007.

FRY, Peter. Para inglês ver. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

GESCO- Grupo de estúdios sobre decolonialidad. “Estudios decoloniales: um panorama general”. KULA. In: Antropólogos del Atlántico Sur, n.6, abril, pp. 8-21, 2012.

HERSKOVITS, Melville. “The City of Women” (resenha). In: American Antropologist. 1947.

LANDES, Ruth. A Cidade das Mulheres. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.

LUGONES, María. “Colonialidad y género”. In: Tejiendo de otro modo: Feminismo, epistemología y apuestas descoloniales en Abya Yala / Editoras: Yuderkys Espinosa Miñoso, Diana Gómez Correal, Karina Ochoa Muñoz – Popayán: Editorial Universidad del Cauca, 2014.

NASCIMENTO, Wanderson Flor do. “Sobre os candomblés como modo de vida: Imagens filosóficas entre Áfricas e Brasis”. In: Ensaios Filosóficos, Volume XIII – Agosto, pp. 153- 170, 2016.

_________. “Olojá: Entre encontros - Exu, o senhor do mercado”. In: DasQuestões, n.4, ago/set, pp. 28- 39, 2016c

OLIVEIRA, Ariadne M. Basílio de. Religiões Afro-brasileiras e o Racismo: contribuição para a categorização do racismo religioso. Dissertação (mestrado) Programa de PósGraduação em Direitos humanos e Cidadania do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares da Universidade de Brasília, 2017.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónké. La invención de las mujeres. Una perspectiva africana sobre los discursos occidentales del género. Colombia: Editorial en la frontera, 2017.

___________. “Conceituando o gênero: os fundamentos eurocêntricos dos conceitos feministas e o desafio das epistemologias africanas”. Tradução para uso didático de: OYĚWÙMÍ, Oyèrónké. Conceptualizing Gender: The Eurocentric Foundations of Feminist Concepts and the challenge of African Epistemologies. African Gender Scholarship: Concepts, Methodologies and Paradigms. CODESRIA Gender Series. Volume 1, Dakar, CODESRIA, 2004, p. 1-8

QUIJANO, Aníbal. “Dom Quixote e os Moinhos de Vento na América Latina”. In: Estudos Avançados, v.19, n.55, p. 9-31, 2005a

___________. “Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina”. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas Buenos Aires. CLACSO. 2005b

RAMOS, Arthur. “Pesquisas estrangeiras sobre o negro no Brasil”. In: A aculturação negra no Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca pedagógica brasileira, 1942.

RAPPAPORT, Joanne. “Más allá de la escritura: La epistemología de la etnografia en colaboración”. In: Revista Colombiana de Antropologia, Volumen 43, enero-diciembre, 2007.

SARDUY, Aída Esther Bueno. El ocaso del liderazgo sacerdotal femenino en el Xangô de Recife: la ciudad de las mujeres que no será. Memoria para optar al grado de doctor. Madrid, 2015.

SEGATO, Rita L. “Género, política e hibridismo en la transnacionalización de la cultura Yoruba”. In: Estudos Afro-Asiáticos, Ano 25, no 2, pp. 333-363, 2003.

___________. Santos e Daimones: o politeísmo afro –brasileiro e a tradição arquetipal. 2° ed. – Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 2005. 516 p.

___________. “Ciudadania: Por que no? Estado y sociedad en el Brasil a la luz de un discurso religioso afro-brasileño”. In: La nación y sus otros. Raza, etnicidad y diversidade religiosa en tiempos de Políticas de la Identidad. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2007.

__________. “Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico decolonial”. e-cadernos ces [Online], 18 | 2012, posto online no dia 01 décembre 2012.

__________. Patriarcado: del borde al centro. Disciplinamiento, territorialidade y crueldad en la fase apocalíptica del capital. VII Conferencia Latino Americana y Caribeña de Cencias Sociales “Transformaciones democráticas, justícia social y procesos de paz.” 9-13 novembro. Medellin, Colombia. 2015. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=Lq6DJoiUSO8>

__________. La guerra contra las mujeres. Madri: Traficantes de Sueños. 2016

SILVA, Joselina; DOMINGOS, Reginaldo F. “As Religiões Afro-Brasileiras na Voz das Mulheres Lideranças em Juazeiro do Norte”. In: Tempo da Ciência (16) 31 : 111-124, 1º semestre 2009.

SILVA, Nadijja; OLIVEIRA, Jéssica; CAMPOS, Zuleica. As lideranças femininas nos terreiros de xangô: um estudo de gênero. III Colóquio de História – Brasil: 120 anos de República. UNICAP. Recife. 9-22 outubro, 2009.

SILVEIRA, Renato da. O candomblé da Barroquinha: processo de constituição do primeiro terreiro baiano de keto. Salvador: Maianga, 2006.

SOUZA, Nadson Nei da Silva de. Mulheres do Axé: da invisibilidade social à visibilidade religiosa. Dissertação de Mestrado apresentada ao programa de Pós-graduação Stricto Sensu de Relações Etnicorraciais como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Mestre em Relações Etnicorraciais. CEFET, Rio de Janeiro. 2014.

VILELA, Ana Laura S. Ìyálodè Iyà Orò: Uma análise das lideranças femininas na criação dos direitos das comunidades tradicionais de terreiro. Trabalho apresentado na 30ª Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 03 e 06 de agosto de 2016, João Pessoa/PB.

Publicado

2020-06-29

Como Citar

Mulheres de Terreiro e Patriarcado: uma proposta de reflexão. (2020). Revista Calundu, 4(1). https://doi.org/10.26512/revistacalundu.v4i1.32232