Abordagem decolonial da práxis docente no ensino de línguas estrangeiras: entre questionamentos e possibilidades

Autores

  • Suzany Moura Saldanha Kabongo Universidade de Brasília

Palavras-chave:

ensino de línguas estrangeiras; abordagem decolonial; práxis docente.

Resumo

Tendo como base o movimento decolonial que tem surgido para trazer um novo olhar sobre o mundo atual, apresento neste artigo algumas reflexões sobre o ensino de línguas estrangeiras, com foco na desconstrução do pensamento colonial que atravessa currículos e práticas docentes. Por meio de uma pesquisa qualitativa de tipo bibliográfica, busco trazer um diálogo entre as discussões travadas no âmbito da Linguística Aplicada por linguistas aplicados brasileiros (FERREIRA;PESSOA, 2018; MASTRELLA-DE-ANDRADE, 2019; MATOS, 2020) e autores do Grupo Modernidade/Colonialidade (GROSFOGUEL, 2010; hooks, 2013; MIGNOLO, 2005; QUIJANO, 2005; WALSH, 2009;), com temas que têm chegado com força à agenda de preocupações de pesquisadores do Brasil. A realização desse percurso é motivada pela seguinte indagação: como podemos decolonizar as nossas práticas pedagógicas em aulas de línguas estrangeiras? Ao invés de apresentar um manual de instruções, tal como seria no modelo de racionalidade técnica (CONTRERAS, 2002), apresentarei algumas reflexões sobre o que indica ser colonial e decolonial dentro dos contextos de: concepção de língua; abordagem de conteúdos e materiais didáticos; relação professor-aluno; e métodos de avaliação da aprendizagem. Por meio de cada um desses contextos, observa-se que a colonialidade ainda está muito presente no ensino de línguas estrangeiras e, por isso, é necessário que cada professor, dentro de suas possibilidades, contribua na interrupção desse ciclo de dominação.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADICHIE, Chimamanda. O Perigo da História Única. Vídeo da palestra da escritora nigeriana no evento Tecnology, Entertainment and Design (TED Global 2009).

Disponível em: http://www.ted.com/talks/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story?lang uage=pt. Acesso em: 21 de set./dez. 2019.

ANZALDÚA, Gloria et al. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Estudos feministas, v. 8, n. 1, p. 229-236, 2000.

BEZERRA, Isabel; NASCIMENTO, Ana Beatriz Cardoso; FERREIRA, Wellerson. Um livro didático de inglês e a representação de pessoas negras: desenhando uma abordagem de ensino-aprendizagem crítica. A Cor das Letras, v. 18, n. 4 Especial, p. 221-240, 2018.

BORELLI, Julma; PESSOA, Rosane. O estágio em língua inglesa e o desafio decolonial: problematizações sobre as relações interpessoais de seus/suas agentes. Revista Moara, v. 51, 2019.

CONTRERAS, José. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

CONTI, Luís Frederico Dornelas; MASTRELLA-DE-ANDRADE, Mariana Rosa. Identidades de raça/etnia, ensino crítico e o racismo no livro de inglês aprovado pelo PNLD. Muitas Vozes, Ponta Grossa, v.4, n.1, p. 27-41, 2015.

CORACINI, Maria José. O Livro Didático nos Discursos da Linguística Aplicada e da Sala de Aula. In: CORACINI, Maria José (Org.). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático. São Paulo: Pontes, 1999.p. 17-26.

DUBET, François. O que é uma escola justa? Cadernos de pesquisa, v. 34, n. 123, p. 539- 555, 2004.

FERREIRA, Aparecida; CAMARGO, Mabia. Racismo Cordial no Livro de Língua Inglesa Aprovado pelo PNLD. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores (as) Negros(as) – ABPN, v. 6, p. 177-202, 2014.

FERREIRA, Fernanda; PESSOA, Rosane. Desestabilizando ideologias linguísticas em uma sala de aula de inglês. LING. – Est. e Pesq., Catalão-GO, vol. 22, n. 1, p. 171-198, jan./jun. 2018. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/lep/article/view/54471

FREIRE, Paulo. A dialogicidade: essência da educação como prática da liberdade. In.: FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GRIGOLETTO, Marisa. Seções de leitura no livro didático de língua estrangeira: lugar de interpretação? In: CORACINI, M. J. (Org.). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático. São Paulo: Pontes, 1999b. p. 79-91.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, p. 115-147, 2008.

HOOKS, bell. Ensinando a Transgredir: a educação como prática da liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Editora WMF Masrtins Fontes, 2013.

JORDÃO, Clarissa. ILA – ILF – ILE – ILG: Quem dá conta? Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, Vol. 14, No. 1, p. 13-40, 2014.

LANDER, Edgardo. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: Conselho Latino-americano de Ciências Sociais - CLACSO, 2005. p. 8-20.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Editora Schwarcz- Companhia das Letras, 1986.

LOPES, Alice C.; BORGES, Veronica. Formação docente, um projeto impossível.

Caderno de Pesquisa [online], vol. 45, n. 157. p. 486-507, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/v45n157/1980-5314-cp-45-157-00486.pdf>.

Acesso em: 12 dez. 2020.

LUCENA, Maria Inêz Probst. Avaliação no ensino de línguas, formação de professores e sociedade contemporânea. In: Anais Eletrônicos do Congresso Brasileiro de Linguística Aplicada. 2012. p. 1-12.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.) El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 127-167.

MASTRELLA-DE-ANDRADE, Mariana. Abandonamos a Sala de aula da universidade. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v.20, n.1, p.189-216, 2020.

MATOS, Doris Cristina Vicente da Silva. Decolonialidade e currículo: repensando práticas em espanhol. In: MENDONÇA E SILVA, Cleidimar Aparecida (Org.). América latina e língua espanhola: discussões decoloniais. Campinas/SP: Pontes Editores, 2020. p. 93-115.

MIGNOLO, Walter. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 35-54.

PESSOA, Rosane; BASTOS, Pedro. Sentidos de língua/linguagem em aulas de inglês de um curso de letras. In: Elaine Mateus; Juliana Reichert Assunção Tonelli. (Org.). Diálogos (im)pertinentes entre formação de professores e aprendizagem de línguas. 1a.ed.São Paulo: Blucher, 2017, v. , p. 141-161.

PERUCHI, Ingrid.; CORACINI, Maria José. O discurso da cultura e a questão da identidade em livros didáticos de Francês como Língua Estrangeira. In: CORACINI, M. J. (Org.). Identidade e Discurso. Campinas: Editora da UNICAMP; Chapecó: Argos Editora Universitária, 2003, p. 365-385.

PAIN, Rodrigo. A Educação Decolonial e Paulo Freire na Perspectiva da Avaliação

Escolar. Revista Ensaios e Pesquisas em Educação e Cultura, v. 5, n. 8, p. 51-64, 2020.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 117-142.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad, modernidad/racialidad. Perú Indígena, v. 13, n. 29, p. 11-29, 1992.

ROCHA, Everardo. O que é o etnocentrismo. 27. ed. São Paulo: Brasiliense (1° ed. 1984), 2010.

SILVESTRE, Viviane P. V. Colaboração e crítica na formação de professores/as de línguas: teorizações construídas em uma experiência com o PIBID. Campinas, SP: Pontes Editores, 2017.

TILIO, Rogério. O papel do livro didático no ensino de língua estrangeira. Revista eletrônica do Instituto de Humanidades. Volume VII, nºXXVI, 2008.

TILIO, Rogério. A representação do mundo no livro didático de inglês como língua estrangeira: uma abordagem sócio-discursiva. The ESPecialist, v. 31, n. 2, 2010.

TONIN, Josiane Prescendo. Ideias decoloniais sobre minha práxis: autoetnografia de uma professora de inglês. 2018. 144 f., il. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

WALSH, Catherine. Interculturalidade crítica e pedagogia decolonial: in-surgir, re- existir, re-viver. In: CANDAU, V. M. (Org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 12- 42.

Downloads

Publicado

10-04-2023

Como Citar

KABONGO, Suzany Moura Saldanha. Abordagem decolonial da práxis docente no ensino de línguas estrangeiras: entre questionamentos e possibilidades. Revista Desempenho, [S. l.], v. 1, n. 33, p. 68–85, 2023. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rd/article/view/44522. Acesso em: 12 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.