PINTO E CANTO ENTRE O SAGRADO E O PROFANO: O MARABAIXO DA QUARTA-FEIRA DA MURTA GRAVADO EM METAL E ESCRITO NO PAPE

Autores

Palavras-chave:

Marabaixo; Quarta-feira da Murta; Sagrado; Profano.

Resumo

Durante o Marabaixo, nem sempre o sagrado e o profano, tampouco a percepção dos limites que os separam, são facilmente compreendidos ou aceitos por aqueles alheios aos diversos momentos que constituem esse Patrimônio Cultural Imaterial brasileiro. Nesse contexto, este trabalho objetiva investigar essa questão através do exame de alguns exemplos encontrados em uma crônica jornalística e em um quadro gravado em metal que coincidem na representação de um desses momentos: a Quarta-feira da Murta. A análise foi feita a partir da comparação dessas duas obras e à luz de uma breve revisão bibliográfica sobre o Marabaixo, o sagrado e o profano. Verificou-se que apesar do escultor parecer ter gravado somente o lado mais sagrado da Quarta-feira da Murta e do escritor ter narrado apenas seus elementos mais profanos, ambos, em realidade, mesclaram esses dois aspectos em seus respectivos trabalhos. A partir dessa observação, portanto, pode-se afirmar que, assim como usualmente ocorre durante o Marabaixo, essas obras também apresentam o sagrado e o profano dividindo harmoniosamente os mesmos espaços na Quarta-feira da Murta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alvaro Tamer Vasques, Universidade Federal do Amapá - UNIFAP

Licenciado em Letras pela Universidade Federal do Amapá, especialista em Inglês/Tradução pela Universidade Federal de Minas Gerais, mestre em Tradução e Interculturalidade pela Universidade de Sevilha e doutorando em teoria literária pela Universidade de Sevilha. Professor do curso de Letras Português/Inglês da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP).

Referências

BARROS, P. [Orelha do livro]. In: CANTO, Fernando. Mama Guga: contos da Amazônia. Belém: Paka-Tatu, 2017.

BRASIL, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Dossiê Marabaixo. Brasília. 2018. 101 p. Disponível em:

http://cmsportal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/DOSSIE_MARABAIXO.pdf.

Acesso em: 22 fev. 2021.

CANTO, F. A água benta e o diabo. Macapá: Fundação de Cultura do Estado do Amapá (Fundecap). 1998.

CANTO, F. Adoradores do sol: novo textuário do meio do mundo. São Paulo: Scortecci. 2010.

CANTO, F. O Marabaixo através da história. Macapá: Pintgraf. 2017.

DURKHEIM, E. Las formas elementales de la vida religiosa. Madrid: Alianza. 2003.

ELIADE, M. Lo sagrado y lo profano. Barcelona: Paidós, 1998.

PANCRÁCIO JÚNIOR. A festa do Espírito Santo. Jornal Pinsonia, Macapá, p.1. 31 maio 1899.

MARTINS, R. Aonde tu vai, rapaz, por esses caminhos sozinho? Comunicação e semiótica do Marabaixo. São Paulo: Scortecci. 2016.

MEIRA, M. A. A. A paisagem como espólio: Arthur Frazão e o Grupo do Utinga (1940-1960). 2018. 236 p. Tese. (Doutorado em História) Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Belém. 2018. Programa de Pós-graduação em História. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10327. Acesso em: 18 dez. 2020.

MONT’ALVERNE, A. Grupo Pilão, 35 anos de música. In: Canto Da Amazônia. Macapá, 01 out. 2010. Disponível em: https://fernando-canto.blogspot.com/2010/10/grupo-pilao-35-anos-de-musica.html#comment-form. Acesso em: 30 maio 2021.

MONTORIL, N. Mar a cima mar a baixo: de ladrão em ladrão a saga de uma nação. Macapá: Edições Macapaenses. Confraria Tucujú. 2004.

MORAES, C. C. O Pará em festa: Política e cultura nas comemorações do Sesquicentenário da Adesão (1973). 2006. 214 p. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal do Pará, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Belém. 2006. Programa de Pós-graduação em História Social da Amazônia. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br:8080/jspui/handle/2011/4252. Acesso em: 27 jul. 2021.

NASCIMENTO, R. Literatura e jornalismo em orquestração com a crônica no debate sobre a educação brasileira dos anos 1930. In: Letras escreve. v. 8, n. 3, p. 197-203, 2018.

Disponível em: DOI: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2018v8n3.p197-203 Acesso em: 29 set. 2021.

OTTO, R. Lo santo: lo racional y lo irracional en la idea de Dios. Madrid: Alianza. 2012.

PEREIRA, N. O Sahiré e o marabaixo: tradições da Amazônia. Recife: FUNDAJ. Editora Massangana. 1989.

PINTO, J. [Sem título]. 1981. Gravura em metal, 44 x 70. (Acervo particular).

SOUZA, M. A. Imagens, memórias e discursos: A construção das identidades Amapaenses no Jornal Amapá – 1945 a 1968. 2016. 264 p. Tese. (Doutorado em Sociologia). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza. 2016. Programa de Pós-graduação em Sociologia. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/22092.

Acesso em: 10 dez. 2020.

UM ESPECTADOR DAS BRIGAS DOS BARRIGUDOS. Macapá 6 de junho de 1872. O Liberal do Pará, Belém, p. 2. 14 jun. 1872. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=704555&pasta=ano%20187&pesq=%22brigas%20dos%20bar%22&pagfis=2862. Acesso em 28 out. 2021.

VIDEIRA, P. Marabaixo, dança Afrodescendente: significando a identidade étnica do negro amapaense. Fortaleza: Edições UFC. 2009.

VIDEIRA, P. Batuques, folias e ladainhas: a cultura do quilombo do Cria-ú em Macapá e sua educação. Fortaleza: Edições UFC. 2013.

Downloads

Publicado

2022-10-10

Como Citar

Tamer Vasques, A. (2022). PINTO E CANTO ENTRE O SAGRADO E O PROFANO: O MARABAIXO DA QUARTA-FEIRA DA MURTA GRAVADO EM METAL E ESCRITO NO PAPE. Revista Brasileira De Filosofia Da Religião, 8(2), 31–56. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/rbfr/article/view/40868

Edição

Seção

Dossiê Religiosidade dos povos originários e afro-brasileiros