Deus é Possível? Logo, Existe! Novas Versões do Argumento Ontológico Modal

Autores

  • Domingos Faria LanCog, Centro de Filosofia, Universidade de Lisboa

Palavras-chave:

lógica modal, raciocínio a priori, raciocínio a posteriori, possibilidade, necessidade

Resumo

O argumento ontológico modal, sem razões a favor da premissa central da possibilidade, não é viável. Neste artigo pretende-se explorar novas versões do argumento ontológico modal em que se procura justificar, quer via a priori quer via a posteriori, essa premissa central. Defende-se a que uma fundamentação a posteriori será mais plausível do que uma fundamentação a priori. Contudo, com isso, o argumento ontológico, ao contrário da versão tradicional, torna-se-á num argumento evidencial ou probabilístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALSTON, William. Perceiving God – The epistemology of religious experience. Ithaca, NY e

Londres: University of Cornell Press, 1991.

BOURGET, D., CHALMERS, D.J. What do philosophers believe? Philosophical Studies 170,

–500 (2014).

CAPES. Relatório de Avaliação Quadrienal 2013-2016.

https://www.capes.gov.br/images/documentos/Relatorios_quadrienal_2017/20122017-

Filosofia_relatorio-de-avaliacao-2017_final.pdf. Acesso em 29 de dez. 2019.

COOK, E. Albert. Conservatism in Religion. Harvard Theological Review. Vol. 6 (2), 185-208

(1913).

ELIADE, Mircea. O Sagrado e o Profano. São Paulo: Martins Fontes, 2008 [1957].

HICK, John. Uma Interpretação da Religião. Petrópolis: Vozes/ABFR, 2018 [1989].

HUME, David. Essays, Moral, Political and Literary. Part I, Essay VI. Of the Independency of

Parliament. 1741/1777. Disponível em: <https://davidhume.org/texts/empl1/ip>. Acesso em 27

de dez. 2019.

KUHN, Thomas. A Estrutura das Revoluções Científicas. São Paulo: Perspectiva, 1975 [1962].

KVANVIG, Jonathan. Conservatism and its virtues. Synthese. Vol. 79, 143-163 (1989).

McCAIN, Kevin. The virtues of epistemic conservatism. Synthese. Vol. 164 (2), 185-200 (2008).

MARQUEZ, Xavier. An Epistemic Argument for Conservatism. Res Publica. 22: 405-422

(2016).

O’SULLIVAN, Noël. Conservatism, in FREEDEN, M. & STEARS, M. The Oxford Handbook

of Political Ideologies. Oxford: OUP, 2013.

PLANTINGA, Alvin. Crença Cristã Avalizada. São Paulo: Vida Nova, 2018 [2000].

PLANTINGA, Alvin. Reason and belief in God, in PLANTINGA, A. & WOLTERSTORFF, N.

Faith and Rationality – Reason and Belief in God. Notre Dame: Notre Dame University Press, p.

-94, 1983.

POPPER, Karl. A Lógica da Pesquisa Científica. São Paulo: Cultrix, 1993 [1959].

SILVA Jr, Paul. How to be conservative: a partial defense of epistemic conservatism.

Australasian Journal of Philosophy. Vol. 91 (3), 501-514 (2013).

SWINBURNE, Richard. A Existência de Deus. 2ª edição. Brasília: Academia Monergista, 2019

.

SWINBURNE, Richard. The Coherence of Theism – Second Edition. Oxford: Oxford University

Press, 2016.

THOMPSON, Willie. Ideologies in the Age of Extremes. Londres: Pluto Press, 2011.

VAHID, Hamid. Varieties of epistemic conservatism. Synthese. Vol. 141 (1), 97-122 (2004).

Publicado

2020-04-27

Como Citar

Faria, D. (2020). Deus é Possível? Logo, Existe! Novas Versões do Argumento Ontológico Modal. Revista Brasileira De Filosofia Da Religião, 6(1), 155 - 169. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/rbfr/article/view/30584

Edição

Seção

Deus e a Religião