Hibridismo TV-escola em práticas de letramento como lógica possível: contraste de vozes na produção de trans-experiências de gênero e sexualidade

Autores

  • Branca Falabella Fabrício Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Luiz Paulo Moita-Lopes Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.26512/les.v16i2.7476

Palavras-chave:

hybrid literacy practices, voicing contrast, trans-experiences, gender and sexuality

Resumo

Levando-se em consideração a relação entre mídia e processos de construção de sentido, o propósito deste artigo é examinar uma etnografia colaborativo-intervencionista realizada em um contexto de letramento específico ”“ aulas de História em uma escola pública, nas quais a professora, dois pesquisadores e alunos de 5ª série do ensino fundamental trabalham cooperativamente no descentramento de visões naturalizadas de gênero e sexualidade. Fazendo amplo uso de textos midiáticos e de hibridismo radical, o grupo trabalha na construção de práticas de letramento que desestabilizem certezas, ao fazê-lo atravessar fronteiras (MIGNOLO, 2000) e negociar novas perspectivas para a vida social. Ao dramatizar vozes sociais cristalizadas e se engajar no que chamamos de trans-experiências, o grupo indica que matrizes sociais e significados solidificados, em lugar de simplesmente se imporem aos indivíduos, são reanimados e reconstruídos na interação. Tal movimento ganha visibilidade através da abordagem microanalítica empregada que, ao capturar contrastes sutis de vozes, indexicalizados por diferentes registros, explora um fluxo performativo robusto, apesar de quase imperceptível em sua delicadeza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Branca Falabella Fabrício, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Associada da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Estuda processos de negociação identitária em contextos institucionais. Atualmente investiga trajetórias textuais no ciberespaço e modos de subjetivação por elas engendrados.

Luiz Paulo Moita-Lopes, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor Titular da Universidade Ferderal do Rio de Janeiro, atuando junto ao Departamento de Letras Anglo-Germânicas e junto ao Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Faculdade de Letras. Pesquisador do CNPq.

Referências

AGHA, A. (2005). Voice, footing and enregisterment. Journal of Linguistic Anthropology, vol. 15:1, pp. 38-59.

APPADURAI, A. (1996). Modernity at large: cultural dimensions of globalization. Minneapolis: University of Minnesota Press.

BAKHTIN, M. M. (1981). The dialogic imagination: four essays. Michael Holquist (Ed.). Austin: The University of Texas Press.

BRAH, A.; COOMBES, A. E. (Eds.) (2000). Hybridity and its discontents: politics, science and culture. London: Routledge.

BUCCI, E. (2004). Ainda sob o signo da Globo. In: Bucci, E.; Kehl, M. R. Videologias. São Paulo: Boitempo, pp. 220-240.

_____; KEHL, M. R. (2004). Videologias. São Paulo: Boitempo.

BUTLER, J. (2004). Undoing gender. New York: Routledge.

_____ (1994). Gender as performance: an interview with Judith Butler. Interview by Peter Osborne and Lynne Segal. London, 1993. Radical Philosophy, 67: 32-39.

_____ (1990). Gender trouble: feminism and the subversion of identity. New York: Routledge.

CANCLINI, N. (1987/2000). Culturas híbridas. Estratégias para entrar e sair da modernidade. Trans. Heloísa P. Cintrão. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

_____ (n/d). La globalización? Productora de culturas híbridas? Mimeo.

COPE, B.; KALANTZIS, M. (2000a). Multiliteracies: literacy learning and the design of social futures. London: Routledge.

COPE, B.; KALANTZIS, M. (2000b). Designs for social futures. In Cope, B.; Kalantzis, M. Multiliteracies: literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, pp. 203- 234.

COUPLAND, N.; GARRETT, P.; WILLIAMS, A. (2005). Narrative demands, cultural performance and evaluation: teenage boys’ stories for their age peers. In Thornborrow, J.; Coates, Jennifer (Eds.) The sociolinguistics of narrative. Amsterdam: John Benjamins, pp. 67-88.

EGAN-ROBERTSON, A.; BLOOME, D. (Eds.) (1998). Students as researchers of culture and language in their own communities. New Jersey: Hampton Press.

FABRÍCIO, B. F (2012). Trajectories of socialization in school transcontexts: discourse journeys on gender and sexuality, Working Papers in Urban Language & Literacies 94, 2012, available at www.kcl.ac.uk/ldc.

_____; MOITA-LOPES, L. P. (2010). A dinâmica dos (re)posicionamentos de sexualidade e práticas de letramento escolar: entre oscilações e desestabilizações sutis. In Moita Lopes, L. P.; Bastos, L. C. (Eds.) Para além da identidade: fluxos, movimento e trânsitos. Belo Horizonte: Ed. UFMG, pp. 283- 314.

GEE, J. P. (1994). Orality and literacy: from The Savage Mind to Ways with Words. In Maybin, J. (Ed.) Language and literacy in social practice. Clevedon: Multilingaul Matters, pp. 168-192.

GOFFMAN, E. (1974). Frame analysis. Cambridge, MA: Harvard University Press.

_____. (1981). Footing. Forms of talk. Philadelphia: University of Pennsylvania Press.

GRUZINSKI, S. (1999). O pensamento mestiço. Trans. Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras.

JAGOSE, A. (1996). Queer theory. An introduction. New York: New York University Press.

KRESS, G. (2003). Literacy in the new media age. London: Routledge.

MARTÍN-BARBERO, J. (2001). Dos meios às mediações. Comunicação, cultura e hegemonia. Trans. Ronald Polit; Sérgio Alcides. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

MAYBIN, J.; MOSS, G. (1993). Talk about texts: reading as a social event. Journal of Research in Reading 16 (2), 138-137.

MIGNOLO, W. D. (2000) Local histories / Global designs. Coloniality, subaltern knowledges and border thinking. Princeton: Princeton University Press.

MOITA-LOPES, L. P. (2006/2011). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola.

_____ (2010). Os novos letramentos digitais como lugares de construção de ativismo político sobre sexualidade e gênero. Trabalhos de Linguística Aplicada, 49 (2), 393-417.

_____ (2005). A construção do gênero e do letramento na escola: como um tipo de conhecimento gera o outro. Investigações Linguísticas e Literárias, 17, 47-68.

PENNYCOOK, A. (2007). Global Englishes and transcultural flows. London: Routledge.

_____ (2010). Language as a local Practice. London: Routledge.

ROBERTSON, R. (1995). Glocalization: time-space and homogeneity-heterogeneity. In: M. Featherstone, M.; Lash, S. and Robertson, Roland. (Eds.) Global Modernities. London: Sage.

SARLO, B. (2000). Cenas da vida pós-moderna. Intelectuais, arte e videocultura na Argentina. Trans. Sérgio Alcides. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

SULLIVAN, N. (2003). A critical introduction to queer theory. New York: New York University Press.

TRAVANCAS, I. (2007). Juventude e televisão. Rio de Janeiro: Editora FGV.

THOMAS, Ni. (2000). Technologies of conversion: cloth and Christianity in Polynesia. In BRAH, A.; COOMBES, Anne E. (Eds.) Hybridity and its discontents: politics, science and culture. London: Routledge, pp. 198-215.

VENN, C. (2000). Occidentalism. Modernity and Subjectivity. London: Sage.

Downloads

Publicado

2015-11-30

Como Citar

Fabrício, B. F., & Moita-Lopes, L. P. (2015). Hibridismo TV-escola em práticas de letramento como lógica possível: contraste de vozes na produção de trans-experiências de gênero e sexualidade. Cadernos De Linguagem E Sociedade, 16(2), 12–32. https://doi.org/10.26512/les.v16i2.7476

Edição

Seção

Artigos de pesquisa