Imagens precárias:

inscrições tênues de violência ditatorial no Brasil

Autores

  • Márcio Seligmann-Silva Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

DOI:

https://doi.org/10.1590/S2316-40182014000100002

Resumo

Este texto apresenta uma reflexão sobre a difícil inscrição na memória cultural dos fatos violentos ocorridos na ditadura civil-militar no Brasil (1964-1985). Ele desenvolve uma análise da precariedade dessas inscrições, que têm que enfrentar a ausência de ressonância na esfera pública. A privatização do trabalho da memória bloqueia a elaboração lutuosa e jurídica dos fatos terríveis ocorridos naquele período. O autor procura mostrar as estratégias de apresentação desse passado e a sua difícil inscrição a partir dos trabalhos de artistas como Rosângela Rennó, de fotógrafos e de escritores, como Renato Tapajós e Urariano Mota.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSMANN, Aleida (1999). Erinnerungsräume: Formen und Wandlungen des kulturellen Gedächtnisses. München: C. H. Beck.

BARBALHO, Marcelo (2006). O fotojornalismo político no contexto da ditadura militar. In: ENCONTRO NACIONAL DE HISTÓRIA DA MÃDIA, 4., São Luís, 30 mai. a 2 jun. Disponível em: <http://goo.gl/2opkti>. Acesso em: 29 ago. 2008.

BENJAMIN, Walter (2012). Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet, revisão técnica de Márcio Seligmann-Silva. 8. ed. rev. São Paulo: Brasiliense.

BRODSKY, Marcelo (2001). Nexo: Un ensayo fotográfico. Buenos Aires: La marca.

FERNANDES Junior, Rubens (2003). Labirinto e identidades: panorama da fotografia no Brasil (1946-98). São Paulo: Cosac Naify.

KUCINSKI, Bernardo (2011). K. São Paulo: Expressão Popular.

LEIVA QUIJADA, Gonzalo (2004). Luis Navarro: La Potencia de la Memoria. Santiago de Chile: Imprenta.

______ (2008). Multitudes en sombras, AFI. Santiago: Ocho Libros.

MOTA, Urariano (2009). Soledad no Recife. São Paulo: Boitempo.

PLINY (1999). Natural History. Books 33-35. Tradução de H. Rackham. Cambridge, London: Harvard University Press.

QUE BOM te ver viva (1989). Direção: Lúcia Murat. Produção: Kátia Cop e Maria Helena Nascimento. Distribuidora: Casablanca. DVD (98 min.).

RENNÓ, Rosângela (2003). Rosângela Rennó: o arquivo universal e outros arquivos. São Paulo: Cosac Naify.

TAPAJÓS, Renato (1977). Em câmara lenta. 2. ed. São Paulo: Alfa-Omega.

Downloads

Publicado

2014-05-14

Como Citar

Seligmann-Silva, M. (2014). Imagens precárias:: inscrições tênues de violência ditatorial no Brasil. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (43), 13–34. https://doi.org/10.1590/S2316-40182014000100002