A personagem do romance brasileiro contemporâneo:

1990-2004

Autores

  • Regina Dalcastagnè

Resumo

O artigo apresenta e discute os resultados de uma pesquisa sobre os 258 romances de autores brasileiros publicados pelas três mais importantes editoras do país entre 1990 e 2004. Os dados mostram que o romance brasileiro contemporâneo privilegia a representação de um espaço social restrito. Suas personagens são, em sua maioria, brancas, do sexo masculino e das classes médias. Sobre outros grupos, imperam os estereótipos. As mulheres brancas aparecem como donas-de-casa; as negras, como empregadas domésticas ou prostitutas; os homens negros, como bandidos. Assim, o campo literário, embora permaneça imune às críticas que outros meios de expressão simbólica costumam receber, reproduz os padrões de exclusão da sociedade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Joel Zito. A negação do Brasil: o negro na telenovela brasileira. São Paulo: Editora Senac, 2000.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Trad. de Aurora Fornoni Bernardini et al. São Paulo: Editora Unesp, Hucitec, 1988.

BOURDIEU, Pierre. “La production de la croyance: contribution à une économie des biens symboliques”. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, nº 3. Paris, 1977, pp. 3-43.

______. La distinction: critique sociale du jugement. Paris: Minuit, 1979.

______. “Gênese histórica de uma estética pura”, em O poder simbólico. Trad. de Fernando Tomaz. Lisboa: Difel, s.d.

______. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. Trad. de Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

______. (com Loïc J. D. Wacquant). Réponses. Paris: Seuil, 1993.

CAMARANO, Ana Amélia. “Envelhecimento da população brasileira: uma contribuição demográfica”. Textos para Discussão, nº 858. Rio de Janeiro: IPEA, 2002.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira, 2 v. 6ª ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1981.

COELHO, Nelly Novaes. Dicionário crítico de escritoras brasileiras. São Paulo: Escrituras, 2002.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Trad. de Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

COUTINHO, Afrânio e J. Galante de SOUSA (dir.). Enciclopédia da literatura brasileira, 2 v. Rio de Janeiro: FAE, 1989.

DALCASTAGNÈ, Regina. “Renovação e permanência: o conto brasileiro da última década”. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, nº 11. Brasília, 2001, pp. 3-17.

______. “Uma voz ao sol: representação e legitimidade na narrativa brasileira contemporânea”. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, nº 20. Brasília, 2002, pp. 33-77.

______. “Sombras da cidade: o espaço na narrativa brasileira contemporânea”. Ipotesi, nº 13. Juiz de Fora, 2003, pp. 11-28.

DAMASCENO, Caetana Maria. “Em casa de enforcado não se fala em corda: notas sobre a construção social da ‘boa’ aparência no Brasil”, em Antonio Sérgio Alfredo Guimarães e Lynn Huntley (orgs.). Tirando a máscara: ensaios sobre o racismo no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

EAGLETON, Terry. Teoria da literatura: uma introdução. Trad. de Waltensir Dutra. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

FOUCAULT, Michel. L’ordre du discours. Paris: Gallimard, 1990.

FRASER, Nancy. Justice interruptus: critical reflections on the “postsocialist” situation. New York: Routledge, 1997.

FREIRE, Marcelino. Contos negreiros. Rio de Janeiro: Record, 2005.

GINZBURG, Carlo. “Sinais: raízes de um paradigma indiciário”, em Mitos, emblemas, sinais. Trad. de Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GODINHO, Tatau et al. Trajetória da mulher na educação brasileira, 1996-2003. Brasília: INEP, 2005.

GOODIN, Robert. “Democratic deliberation within”. Philosophy and Public Affairs, vol. 29, nº 1. Princeton, 2000, pp. 81-109.

GORINI, Ana Paula Fontenelle e Carlos Eduardo Castello BRANCO. “Panorama do setor editorial brasileiro”. BNDES Setorial, nº 11. Rio de Janeiro, 2000, pp. 3-26.

GORZ, André. Métamorphoses du travail: quête du sens. Critique de la raison économique. Paris, Galilée, 1988.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Preconceito e discriminação: queixas de ofensas e tratamento desigual dos negros no Brasil. 2ª edição. São Paulo: Editora 34, 2004.

HALLEWELL, Laurence. O livro no Brasil. Trad. de Maria da Penha Villalobos et al. 2ª edição. São Paulo: Edusp, 2005.

HENRIQUES, Ricardo. “Desigualdade racial no Brasil: evolução das condições de vida na década de 90”. Textos para Discussão, nº 807. Rio de Janeiro: IPEA, 2001.

LIMA, Luiz Costa. “Prefácio” a Flora Süssekind. Tal Brasil, qual romance? Uma ideologia estética e sua história: o naturalismo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. 17ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990.

MIGUEL, Luis Felipe. “Representação política em 3-D: elementos para uma teoria ampliada da representação política”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, nº 51. São Paulo, 2003, pp. 123-40.

______. “Utopias do pós-socialismo: esboços e projetos de reorganização radical da sociedade”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, nº 60. São Paulo, 2006, em fase de publicação.

PHILLIPS, Anne. The politics of presence. Oxford: Oxford University Press, 1995.

PITKIN, Hanna Fenichel. The concept of representation. Berkeley: University of California Press, 1967.

PRANDI, Reginaldo Segredos guardados: orixás na alma brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

RIBEIRO, João Ubaldo. Viva o povo brasileiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

SANT’ANNA, André. Sexo. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1999.

SANT’ANNA, Sérgio. “Um discurso sobre o método”, em A senhorita Simpson. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

SARRAUTE, Nathalie. L’ère du soupçon. Paris: Gallimard, 1956.

SHUSTERMAN, Richard. Vivendo a arte: o pensamento pragmatista e a estética popular. Trad. de Gisela Domschke. Rio de Janeiro: Editora 34, 1998.

SOARES, Sergei e Rejane Sayuri IZAKI. “A participação feminina no mercado de trabalho”. Textos para Discussão, nº 923. Rio de Janeiro: IPEA, 2002.

SÜSSEKIND, Flora. Tal Brasil, qual romance? Uma ideologia estética e sua história: o naturalismo. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

TAYLOR, Roger L. Arte, inimiga do povo. Trad. de Maria Cristina Vidal Borba. São Paulo: Conrad, 2005.

WILLIAMS, Melissa. Voice, trust, and memory: marginalized groups and the failings of liberal representation. Princeton: Princeton University Press, 1998.

VENTURI, Gustavo, Marisol RECAMÁN e Suely de OLIVEIRA (orgs.). A mulher brasileira nos espaços público e privado. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

VIEIRA, Luiz Renato. Consagrados e malditos: os intelectuais e a editora Civilização Brasileira. Brasília: Thesaurus, 1998.

YOUNG, Iris Marion. Inclusion and democracy. Oxford: Oxford University Press, 2000.

Publicado

2011-01-14

Como Citar

Dalcastagnè, R. (2011). A personagem do romance brasileiro contemporâneo:: 1990-2004. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (26), 13-71. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/estudos/article/view/9077

Edição

Seção

Seção Tema Livre

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 > >>