A crise da pós-memória e o horizonte das sobrevivências: campos de batalha da memória no Brasil contemporâneo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2316-4018645

Palavras-chave:

pós-memória, sobrevivências, ditadura militar, usos do passado.

Resumo

A reflexão que se propõe neste artigo concentra-se sobre o conceito escorregadio de “pós-memória” que surge na década de 1990 em âmbito cultural e não histórico. Tentando localizar os pontos de força e de debilidade que possui, situados em particular no caso brasileiro, a análise se interroga se esta reconfiguração crítica sobre a memória das segundas e sucessivas gerações tem contribuído – ou não – para se inscrever no debate contemporâneo sobre a salvação de memórias em risco. A prática do “desaparecimento forçado” e sua (im)possível herança mnésica para as outras gerações, oferece um ponto extremo de reflexão crítica. Mesmo surgida no contexto da pós-Shoah, a pós-memória encontra aplicações em diferentes contextos críticos – como no caso dos autoritarismos militares na América Latina e da ditadura militar brasileira (1964-1985). Depois de uma revisão do debate conceitual, a “pars construens” da reflexão procura verificar se a desmontagem analítica da pós-memória associada à figura das sobrevivências (Pasolini, Didi-Huberman, Warburg, Benjamin) oferece uma nova dimensão crítica com que repensar a transmissão da memória e a economia da herança. Desta revisão, articula-se uma política das sobrevivências que talvez possa reformular, em sua aliança com campos como o da literatura ou das artes, uma outra possível relação com o passado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Vecchi, Università di Bologna

Bolonha, Itália

Referências

AGAMBEN, Giorgio (1998). Quel che resta di Auschwitz. L’archivio e il testimone. Torino: Bollati Boringhieri.

AGAMBEN, Giorgio (2000). Il tempo che resta. Un commento alla lettera ai Romani. Torino: Bollati Boringhieri.

ASSMANN, Aleida (2002). Ricordare: Forme e mutamenti della memoria culturale. Tradução de Simona Paparelli. Bologna: Il Mulino.

BENJAMIN, Walter (1962). Il narratore. Considerazioni sull’opera di Nicola Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Angelus novus. Saggi e frammenti. Tradução de Renato Solmi. Torino: Einaudi. p. 247-274.

BIDUSSA, David (2009). Dopo l’ultimo testimone. Torino: Einaudi.

DIDI-HUBERMAN, Georges (2010). Come le lucciole: una politica delle sopravvivenze. Tradução de Chiara Tartarini. Torino: Bollati Boringhieri.

FERRONI, Giulio (1996). Dopo la fine: sulla condizione postuma della letteratura. Torino: Einaudi.

FINK, Ida (2002). Frammenti di tempo. Tradução de Laura Quercioli Mincer. Firenze: Giuntina.

FUKS, Julián (2015). A resistência. São Paulo: Companhia das Letras.

GATTI, Gabriel (2008). El detenido-desaparecido: narrativas posibles para uma catástrofe de la identidad. Montevideo: Ediciones Trilce.

GRAMMONT, Guiomar de (2015). Palavras cruzadas. Rio de Janeiro: Editora Rocco.

GRAMSCI, Antonio (1975). Quaderno 25 (XXIII) 1934: Ai margini della storia (storia dei gruppi sociali subalterni). In: GRAMSCI, Antonio. Quaderni del carcere. Torino: Einaudi. v. 3, p. 2277-2294.

HIRSCH, Marianne (1997). Family frames: photography, narrative and postmemory. Cambridge: Harvard University Press.

HIRSCH, Marianne (2006). Immagini che sopravvivono: le fotografie dell’Olocausto e la post-memoria. In: CATTARUZZA, Marina; FLORES, Marcello; SULLAM, Simon Levis (ed.) Storia della Shoah. La crisi della Europa, lo sterminio degli ebrei e la memoria del XX secolo. Torino: UTET. v. 3, p. 385-421.

HIRSCH, Marianne (2012). The generation of postmemory: writing and visual culture after the Holocaust. New York: Columbia University Press.

KUCINSKI, Bernardo (2011). K. Relato de uma busca. São Paulo: Expressão Popular.

KUCINSKI, Bernardo (2016). Os visitantes. São Paulo: Companhia das Letras.

LAGE, Cláudia (2019). O corpo interminável. Rio de Janeiro: Record.

LANDSBERG, Alison (2004). Prosthetic memory: the transformation of American remembrance in the age of mass culture. New York: Columbia University Press.

LEVI, Primo (1991). Prefazione. Rivistando i Lager, 6-7. Milano: Idea Books.

LISBOA, Adriana (2010). Azul-corvo. Rio de Janeiro: Editora Rocco.

PASOLINI, Pier Paolo (2020). Escritos corsários. Tradução de Maria Betânia Amoroso. São Paulo: Editora 34.

RUBENS PAIVA, Marcelo (1984). Feliz ano velho. 28. ed. São Paulo: Brasiliense.

SARLO, Beatriz (2007). Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. Tradução de Rosa Freire d’Aguiar. Belo Horizonte: Editora da UFMG; São Paulo: Companhia das Letras.

TRAVERSO, Enzo (2006). Il passato: istruzioni per l’uso. Storia, memoria, politica. Tradução de Gianfranco Morosato. Verona: Ombre Corte.

VECCHI, Roberto (2020). A impossível memória de Araguaia: um patrimônio sem memorial? In:

OLIVEIRA, Rejane Pivetta de; THOMAZ, Paulo C. (ed.) Literatura e ditadura. Porto Alegre: Zouk. p. 45-58.

WAJCMAN, Gérard (1998). L’objet du siècle. Lagrasse: Verdier.

YOUNG, James E. (2000). At Memory’s edge. After-images of the Holocaust in contemporary art and architecture. New Haven: Yale University Press

DERRIDA, Jacques (1994). Spettri di Marx: stato del debito, lavoro del lutto e nuova Internazionale. Tradução de Gaetano Chiurazzi. Milano: Raffaello Cortina.

DIDI-HUBERMAN, Georges (2006). L’immagine insepolta. Aby Warburg la memoria dei fantasmi e la storia dell’arte. Tradução de A. Serra. Torino: Bollati Boringhieri.

Downloads

Publicado

2021-11-09

Como Citar

Vecchi, R. . (2021). A crise da pós-memória e o horizonte das sobrevivências: campos de batalha da memória no Brasil contemporâneo . Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (64). https://doi.org/10.1590/2316-4018645