ARTE E TRANSGRESSÃO NA MODERNIDADE

Autores

  • Gabriela Cascelli Farinasso Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília - UnB

DOI:

https://doi.org/10.18830/issn2238-362X.v4.n1.2014.08

Palavras-chave:

Modernidade, Arte, Street art, Transgressão, Mídia

Resumo

O presente artigo busca explorar a arte como ferramenta para mudanças sociais na modernidade relacionando-a com os conceitos apresentados por Nicolas Bourriaud em seu livro Estética Relacional. A Street Art é apresentada como recorte dentre os movimentos artísticos, ressaltando-se sua importância e suas características do ponto de vista espacial e temporal e na criação de “lugares de pausa” no meio urbano, que levam o observador a refletir sobre a obra e o desviam do seu percurso. A transgressão é apresentada como ponto de ligação entre a Street Art e a arte relacional conceituada por Bourriaud.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Cascelli Farinasso, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília - UnB

Graduanda na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (FAU-UnB).

Referências

BANSKY. Banksy: Guerra e Spray. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2012.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética Relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

__________________. Formas de vida: a arte moderna e a invenção de si. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

CAMPEBELL, Brígida; TERÇA-NADA!, Marcelo. Intervalo, Respiro, Pequenos Deslocamentos: ações poéticas do poro. São Paulo: Radical Livros, 2011.

CREEDY, Jean. O contexto social da Arte. Zahar Editores, 1970.

DIAS, J. M. M. “O grande jogo do porvir”: a Internacional Situacionista e a idéia do jogo urbano. Estudos e pesquisas em psicologia. UERJ, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 210-222, agosto de 2007.

DUVIGNAUD, Jean; FISCHER, Ernst; GOLDMANN, Lucien; HAUSER, Arnold; LUKÁCS, Gyorgy; ROBBE-GRILLET, Alain. Sociologia da Arte. Zahar Editores, 1966.

DEMPSEY, Amy. Estilos, Escolas e Movimentos: guia enciclopédico da arte moderna. 2a edição. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

EXIT THROUGH THE GIFT SHOP. Banksy, Mr. Brainwash, Debora Guetta, Space Invader, 87 minutos, 2010, documentário.

KEPES, Gyorgy. Arte Privada e Arte Pública. In: CREEDY, Jean. O contexto social da arte. 1a edição. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

LEFEBVRE, Henri. O Direito à Cidade. Editora Centauro, 2010.

MAFFESOLI, M. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. 2a edição. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 1998.

MISCHE, Ann. De estudantes a cidadãos: Redes de jovens e participação política. Revista Brasileira de Educação, número 5 e 6, 1997.

MONTANER, Josep Maria. A modernidade superada: ensaios sobre arquitetura contemporânea. 2a edição. São Paulo: G. Gili, 2012.

PARRA, Eduardo Barbosa. Zizek: Conceito de Ideologia e Aparelhos ideológicos. Vol. 1, número 1, 2008. Disponível em: www.marilia.unesp.br/filogenese.

PIXO. João Wainer e Roberto T. Oliveira. Produtora: Sindicato Paralelo Filmes, 61 minutos, 2009, documentário.

RAMOS, C. M. A. Grafite Pichação & CIA. 1a edição. São Paulo: Annablume, 1994.

STAHL, Johannes. Street Art. H.F.Ulmann, 2009.

Viva la Revolución: A dialogue with the urban landscape. Organização: Museum of Contemporary Art San Diego. MCASD, 2011.

Como Citar

Farinasso, G. C. (1). ARTE E TRANSGRESSÃO NA MODERNIDADE. Revista Estética E Semiótica, 4(1). https://doi.org/10.18830/issn2238-362X.v4.n1.2014.08

Edição

Seção

Artigos
Share |

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##