A metodologia na linguística ecossistêmica

Autores

  • Hildo Honório do Couto Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Ecometodologia; Focalização; Perspectiva; Visão geral; Ecolinguística

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir a questão da metodologia na ecolinguística. Antes de entrar no assunto propriamente dito, ele discute perfunctoriamente o próprio conceito de metodologia. Em seguida, apresenta um esboço histórico da metodologia na ecolinguística, começando com o sociólogo Michael Löwy, passando por Mark Garner, Hans Stroher e Joshua Nash. São eles que estabeleceram as bases para a ecomotodologia, que é naturalmente multimetodológica. Para pôr em prática a proposta multimetodológica, adota a proposta do método da focalização de Garner – mesmo que seja com o auxílio de um especialista. Partindo de uma postura holística – a visão ecológica de mundo – o ecolinguista pode investigar fenômenos em nível microscópico mediante uma aproximação do foco e, em seguida, retornando à posição englobante para avaliar os resultados.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hildo Honório do Couto, Universidade de Brasília

Graduado em Letras Vernáculas pela Universidade de São Paulo (1969), mestrado em Lingüística pela Universidade de São Paulo (1973) e doutorado em Lingüística pela Universitaet zu Koeln (1978), Alemanha. Atualmente é Pesquisador Associado da Universidade de Brasília. Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Fonologia, Contato de Línguas, Crioulística e Ecolingüística, atuando principalmente nos seguintes temas: contato de línguas, relações entre língua e meio ambiente (Ecollinguística). Atualmente, está desenvolvendo, juntamente com colaboradores, a versão da Ecolinguística chamada Linguística Ecossistêmica, no âmbito da Escola de Ecolinguística de Brasília. Para detalhes, ver o blog: www.meioambienteelinguagem.blogspot.com.

Referências

ALBUQUERQUE, Davi Borges. Palavras iniciais sobre metodologia em ecolinguística. Via litterae v. 7, n. 1, 2015, p. 131-142.
BENSUSSAN, Gérard. 1982. Lyssenkisme. In: Dictionnaire critique du marxisme. Paris: Presses Universitaires de France, p. 536.
CAPRA, Fritjof. Sabedoria incomum. São Paulo: Cultriz, 10ed., 1995.
_______. Pertencendo ao universo. São Paulo: Cultriz, 10ed, 1994.
CATTON JR., William R. & DUNLAP, Riley E. A new ecological paradigm for post-exuberant sociology. American behavioral scientist v. 24, n. 1, 1980, p. 15-47.
CHOMSKY, Noam. Language and problems of knowledge: The Managua Lectures. Cambridge: The MIT Press, 1988.
COUTO, Elza K. N. N. do. Ecolinguística: Um diálogo com Hildo Honório do Couto. Campinas: Pontes, 2013a.
_______. O meio ambiente dos ciganos de Aparecida de Goiânia (GO). Cadernos de linguagem e sociedade v. 13, n. 1, p. 213-236, 2013b.
COUTO, Hildo Honório do. O que vem a ser ecolinguística, afinal? Cadernos de linguagem e sociedade v. 14, n. 1, p. 235-313, 2013c.
_______. Ecological approaches in linguistics: an historical overview. Language sciences 41, 2014, p. 122-128.
_______. Comunidade de fala revisitada. Ecolinguística: revista brasileira de ecologia e linguagem (ECO-REBEL) v. 2, n. 12, 2016a, p. 47-72. Disponível em:
http://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/20035/14225 (acesso: 25/01/2017).
_______. Ecolinguística. In: MOLLICA, Cecília & FERRAREZI JR., Celso (orgs.). Sociolinguística, sociolinguísticas. São Paulo: Contexto, 2016b, p. 87-95.
_______. Linguística ambiental. Disponível em:
http://meioambienteelinguagem.blogspot.com.br/2017/03/linguistica-ambiental.html
(acesso: 12/07/21-17), 2017.
_______. Ecosystemic linguistics. In: FILL, Alwin & PENZ, Hermine (orgs.). Routledge handbook of ecolinguistics. Londres: Routledge, seção I, B 2018.
DUNLAP, Riley E. & CATTON JR., William R. Environmental sociology. Annual review of sociology 5, 1979, p. 243-273.
GARNER, Mark. Language: An ecological view. Berna: Peter Lang, 2004.
GÜNTHER, Hartmut. 2005. A psicologia ambiental no campo interdisciplinar de conhecimento. Psicologia USP v. 16, n. 1/2, p. 179-183.
_______; ROZESTRATEN, Reinier J. A. 2005. Psicologia ambiental: algumas considerações sobre sua área de pesquisa e ensino. Textos de Psicologia Ambiental n. 10, Lab. Psic. Amb., UnB.
LÖWY, Michael. Ideologias e ciência social: Elementos para uma análise marxista. São Paulo: Cortez Editora, 1985, p. 81.
MANE, Djiby. Djiby Mane. Manjaco, mancanha e papel: três línguas ou três dialetos de uma única língua? Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, 2001.
MELO, Fábio José D. de. O calon dos ciganos do nordeste de Goiás: uma língua obsolescente. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, 2005.
NASH, Jushua. Insular toponymies: Pristine place-naming on Norfolk Island, South Pacific and Dudley Peninsula, Kangaroo Island, South Australia. Tese de Doutorado, Universidade de Adelaide, Austrália, 2011.
NEVES, Walter. Antropologia ecológica. São Paulo: Cortez Editora, 1996.
ORTEGA Y GASSET, José. Origem e epílogo da filosofia. Rio de Janeiro: Livro Ibero-Americano, 1963.
SILVA, Samuel Sousa. Por uma metodologia própria para a ecolinguística e a ADE. Via litterae v. 7, n. 1, p. 143-155, 2015.
SOUSA SANTOS, Boaventura. Um discurso sobre as ciências. Porto: Edições Afrontamento, 8a ed., 1996.
STEVENS, Paul. Towards an ecosociology. Sociology v. 46, n. 4, 2012, p. 579-595.
STROHNER, Hans. Die neue Systemlinguistik: Zu einer ökosystemischen Sprachwissenschaft. In: Fill, Alwin. Sprachökologie und Ökolinguistik. Tübingen: Stauffenburg Verlag, 1996, pp. 49-58.

Publicado

2018-08-29

Como Citar

do Couto, H. H. (2018). A metodologia na linguística ecossistêmica. Ecolinguística: Revista Brasileira De Ecologia E Linguagem (ECO-REBEL), 4(2), 18-33. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/12355

Edição

Seção

Artigos