A Cidade e o Teatro em Cavaleiros de Aristófanes: O Poeta e o Político – Introdução à tradução de Cavaleiros.

Main Article Content

Ana Maria César Pompeu

Resumo




A peça Cavaleiros, de Aristófanes, data de 424 a.C. e é a comédia mais política dentre as que nos restaram do comediógrafo, logo também é a mais política da comédia antiga grega. O enredo da peça é uma disputa, ou agón, entre um escravo (o Barraqueiro, que representa o demagogo Cléon), recém-comprado pelo Povo, personificado como o patrão, e um vendedor de chouriços (o Vendetripa, que sugerimos representar o Poeta cômico), pela liderança de Atenas. A rivalidade e o antagonismo entre o Vendetripa e o Barraqueiro escondem uma identidade e duplicação de um no outro. O Povo de Atenas é a presa disputada por ambos, que usam de impudência e de malícia para conseguir o governo da pólis. Mas, no final, o Vendetripa se revela amigo verdadeiro do Povo, enquanto o Barraqueiro apenas finge ter amor ao Povo, para enriquecer. Traduzimos os nomes das personagens enfatizando suas características de vendedores do mercado: Vendetripa, Barraqueiro, Bom de Feira, Zeus Feirante.




Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
César Pompeu A. M. . (2020). A Cidade e o Teatro em Cavaleiros de Aristófanes: O Poeta e o Político – Introdução à tradução de Cavaleiros . Dramaturgias, (13), 265-285. https://doi.org/10.26512/dramaturgias.vi13.31065
Seção
Dossiê

Referências

ANDERSON, Carl A.. “The dream-oracles of Athena, Knights 1090-95”. Tapha 121, 149-155, 1991.
ARISTÓFANES. Os cavaleiros. Introdução, versão do grego e notas de Maria de Fátima de Sousa e Silva. Coimbra: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1985.
ARISTÓFANES. Cavaleiros. Tradução de Ana Maria César Pompeu e Grupo de Estudos Aristofânicos -GEA. Edição Bilíngue. Fortaleza: Substânsia, 2017. ARISTOPHANES. Aristophanes Comoediae, ed. F.W. Hall and W.M. Geldart, vol.
1. F.W. Hall and W.M. Geldart. Oxford. Clarendon Press, Oxford. 1907. BELTRAMETTI, Anna. “Le couple comique. Des origines mythiques aux dé-
rives philosophiques”. In: Desclos, Marie-Laurence (dir.) Le rire des grecs: anthropologie du rire en Grèce ancienne. Grenoble: Editions Jérôme Millon, 2000, p. 215-226.
DESFRAY, Suzanne. “Oracles et animaux dans les Cavaliers d‟Aristophane”. L’Antiquité Classique, 35-56, 1999.
HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. Estudo e tradução Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 2001.
NIGHTINGALE, Andrea Wilson. Genres in Dialogue: Plato and the construct of philosophy. Cambridge University Press, 1995.
POMPEU, Ana Maria César. Aristófanes e Platão: A justiça na pólis. São Paulo: Biblioteca 24 Horas, 2011.
______Dioniso matuto: Uma abordagem antropológica do cômico na tradução de Acarnenses para o cearensês. Curitiba: Editora Appris, 2014.
PLATÃO. A república. Introdução, tradução e notas de Maria Helena da Rocha Pareira. 7a. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.
________. Diálogos: Fedro, Cartas, O primeiro Alcibíades. Tradução Carlos Alberto Nunes. V. 5. Universidade Federal do Pará, 1975.
________. Górgias. Introdução, tradução do grego e notas de Manuel de Oliveira Pulquério. Lisboa: Edições 70, 1991.
PLUTARCH. Moralia. with an English Translation by. Harold North Fowler. Cambridge, MA. Harvard University Press. London. William Heinemann Ltd. 1936. 10.
SAETTA-COTTONE, Rossella. “Aristophane: injure et comique”, Methodos [En ligne], 1 | 2001, mis en ligne le 02 avril 2001, consulté le 05 février 2015. url: http://methodos.revues.org/143; DOI : 10.4000/methodos.143
SMITH,NicholasD.“DivinersanddivinationinAristophaniccomedy”.Classical Antiquity, 140-158, 1989.
VAN DAELE, Hilaire. Notice – Les Cavaliers. In: ARISTOPHANE. Les Acharniens, Les Cavaliers, Les Nuées. Texte établi par Victor Coulon et traduit par Hilaire Van Daele. Paris: Sociéte D’Édition “Les Belles Lettres, 1952.
WHITMAN, Cedric H. Aristophanes and the comic hero. Cambridge – Massachusetts: Havard University Press, 1964.