GONÇALVES, José Reginaldo; BITAR, Nina Pinheiro & GUIMARÃES, Roberta Sampaio. 2013. A alma das coisas: patrimônios, materialidade e ressonância. Rio de Janeiro: Mauad: FAPERJ. 296 pp.

Autores

  • Patrícia Martins

Palavras-chave:

patrimônio, materialidade, sujeitos x objetos

Resumo

A experiência etnográfica apresenta ao antropólogo uma diferença irredutível e conceitual: a de que os nativos lançam mão de conceitos ou concepções muito distintos daqueles que o próprio antropólogo leva para o campo. Se isso deve ser levado a sério, o único modo é descartar a diferença entre conceitos e coisas. Essa é uma das propostas centrais da coletânea A alma das coisas. Trata-se de uma volta às coisas, não mais como apelo ao mundo vivido da fenomenologia, mas à ideia de que a experiência das coisas é, ela mesma, conceitual, expressando regimes específicos na relação sujeitos x objetos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

APPADURAI, Arjun. The social life of things: commodities in cultural perpective. London. Cambridge University press, 1987.
HENARE, Amiria et al. Thinking through things: theorizing artefacts ethnographically. London/New York: Routledge, 2007.
GELL, Alfred. Art and agency: an anthropological theory. Oxford: Clarendon,1998.
INGOLD, TIM. Being Alive: essays on movement, knowledge and description. London: Routledge, 2011.
LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1994.
________________Reagregando o social. Salvador: Edufba, 2012.
MILLER, Daniel. Materiality. Durham/London. Duke University Press, 2005.

Downloads

Publicado

2018-02-16

Como Citar

Martins, P. (2018). GONÇALVES, José Reginaldo; BITAR, Nina Pinheiro & GUIMARÃES, Roberta Sampaio. 2013. A alma das coisas: patrimônios, materialidade e ressonância. Rio de Janeiro: Mauad: FAPERJ. 296 pp. Anuário Antropológico, 39(2), 343–347. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6837