Identidade camponesa e identidade étnica (um estudo de caso)

Autores

  • Giralda Seyferth

Palavras-chave:

Antropologia

Resumo

O objeto deste artigo é a dimensão étnica da identidade camponesa expressa, no sul do Brasil, pela categoria colono. Os dados empíricos que servem de base à análise foram obtidos em pesquisa de campo realizada nas localidades de D. Joaquim e Peterstrasse, município de Brusque, e no município de Guabiruba (Vale do Itajaí) ”” áreas que na segunda metade do século passado faziam parte de um projeto oficial de colonização com imigrantes europeus. A elaboração de uma identidade camponesa com forte conteúdo étnico se realizou a partir do confronto com indivíduos oriundos de áreas rurais próximas, que não participaram diretamente do processo histórico de colonização, e são denominados caboclos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ALBERSHEIM, Ursula. 1962. Uma Comunidade Teuto-brasileira (Jarim). Rio de Janeiro: CBPE/INEP.
ARONSON, D.R. 1976. "Ethnicity as a Cultural System". In Ethnicity in the Americas (F. Henry, org.). Paris: Mouton.
BARTH, Fredrik. 1969. "Introduction". In Ethnic Groups and Boundaries (F. Barth, org.). Londres: Allen & Unwin.
CANDIDO, Antonio. 1964. Os Parceiros do Rio Bonito. Rio de Janeiro: J. Olympio.
COHEN, Abner. 1974. "The Lesson o f Ethnicity". In Urban Ethnicity (A. Cohen, org.). Londres: Tavistock.
DIÉGUES JR., M. 1976. Etnias e Culturas no Brasil. 5 a edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Brasília: INL.
EPSTEIN, A.L. 1978. Ethos and Identity. Londres: Tavistock.
FRANKLIN, S.H. 1969. The European Peasantry. The Final Phase. Londres: Methuen.
FUNDAÇÃO IBGE. 1983. Censo Agropecuário: Santa Catarina. Recenseamento Geral do Brasil, 1980, v. 2, t. 3.
GALESKI, G. 1972. Basic Concepts of Rural Sociology. Manchester: Manchester University Press.
GLAZER, N. & D.P. MOYNIHAN. 1975. "Introduction”. In Ethnicity: Theory and Experience. Cambridge, Mass.: Harvard University Press.
GOFFMAN, E. 1963. Stigma. Notes on the Management o f Spoiled Identity. Englewood Cliffs, N. Jersey: Prentice-Hall.
GRAMKOW, M.M. 1983. O Colono da Cana ”” Estudo sobre as Unidades de Produção Familiares do Vale do Rio Tijucas. Dissertação de Mestrado, Curso de Pós-Graduação em Ciências Sociais, UFSC.
HANDELMANN, H. 1931. História do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.
MARTINS, Wilson. 1989. Urn Brasil Diferente. 2 a edição. São Paulo: T.A. Queirós.
RENK, Arlene A. 1990. A Luta da Erva: um Oficio Étnico da 'Nação Brasileira’ no Oeste Catarinense. Dissertação de Mestrado, PPGAS, Museu Nacional, UFRJ.
SEYFERTH, Giralda. 1982. Nacionalismo e Identidade Étnica. Florianópolis: Fundação Catarinense de Cultura. . 1984. Camponeses ou Operários? O Significado da Categoria ‘Colono’ numa Situação de Mudança. Revista do Museu Paulista, N.S., 29.
______ . 1985. Herança e Estrutura Familiar Camponesa. Boletim do Museu Nacional, N.S., Antropologia, 52.
______ . 1991. Os Paradoxos da Miscigenação: Observações sobre o Tema Imigração e raça no Brasil. Estudos Afroasiáticos 20.
______ . 1992. As Contradições da Liberdade. Revista Brasileira de Ciências Sociais 18.
SMITH, T. Lynn. 1967. Brasil: Povo e Instituições. Rio de Janeiro: Bloch.
WAGEMANN, Emst. 1949. A Colonização Alemã no Espírito Santo. Rio de Janeiro: IBGE.
WAIBEL, Leo. 1958. Capítulos de Geografia Tropical e do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE.
WEBER, Max. 1971. Economie et Société. Paris; Plon.
WILLEMS, Emilio. 1940. Assimilação e Populações Marginais no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional. , 1946. Aculturação dos Alemães no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Downloads

Publicado

2018-01-30

Como Citar

Seyferth, G. (2018). Identidade camponesa e identidade étnica (um estudo de caso). Anuário Antropológico, 16(1), 31–63. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6465