A construção de trabalhadores

Autores

  • Simoni Lahud Guedes

Palavras-chave:

Antropologia

Resumo

No denso e complexo espaço de debates sobre a ‘cultura operária’1 e, por esta via, no espaço ainda mais estruturante, do ponto de vista teórico, da discussão acerca da relação entre unidades sociais mais ou menos discretas, representações sociais e ideologias, situa-se o trabalho de Willis* (ver 1978). De fato, na aparente simplicidade da questão inicial - por que jovens de classe trabalhadora ‘optam’ por empregos, globalmente desvalorizados, de trabalhadores manuais - estão embutidas algumas das mais importantes questões que norteiam este campo de estudos. É importante que seja anotado, desde o infcio, que o caráter de ‘opção’ pode ser considerado, na medida em que há, para os jovens pesquisados, uma oferta da formação profissional num outro mercado de trabalho. Para responder a esta pergunta, Willis enfrenta questões diffceis como as da identidade de classe e divisão interna da classe trabalhadora, discute o papel e o lugar do cultural e do ideológico em relação às condições infraestruturais, analisa as relações entre ideologia dominante, resistência à dominação e suas limitações, relaciona o conceito de força de trabalho, o de cultura e o de classes sociais a suas realizações institucionais, no que inclui o tema das continuidades e descontinuidades entre uma working class culture e suas ‘subculturas’, contribui teoricamente para o estudo das relações entre formas culturais e reprodução social, forjando mesmo alguns novos termos com pretensões conceituais que precisariam ser avaliados. Além disso, sob uma outra via, discute também o valor e as limitações do trabalho etnográfico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BALAZS, G. e J. P. FAGUER. 1979. Jeunes à Tout Faire et Pétit Patronat en Déclln. Aat”¢ ”¢ d* la Recherche en Sciences Sociales, 26/27: 49-55.
BOURDIEÜ, P. 1972. Esquisse d'une Théoríe de Ia Pratique. Paris: Librarle Droz.
DUARTE, L. F. 1986. Da Vida Nervosa nas Classes Trabalhadoras Urbanas, Rio de Janeiro/ Brasilia: Zahar/CNPq.
____________ 1987. "Identidade Social e Padrões de Agressividade Verbal em um Grupo de Trabalhadores Urbanos”. In Cultura & Identidade Operária. Aspectos da Cultura da Clause Trabalhadora (José Sérgio Leite Lopes, org.). Rio de Janeiro: UFRJ/Maroo Zero. pp. 171-201.
FOOTE-WHITE, W. 1973. Street Comer Society. The Social Structure of rn Italian Slum. Chicago: University of Chicago Press.
HOGGART, R. 1973. As Utilizações da Cultura. Lisboa: Presença.LOPES, J. S. 1982. "Apresentação” . Comunicação n- 7. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, UFRJ.
MACEDO, C. C. 1979. A Reprodução da Desigualdade. O Projeto de Vida Familiar da um Grupo Operário. São Paulo: HUCITEC.
MURDOCK, G. e R. McCRON. 1976. "Youth and Class: the Career of a Confusion” . In Working Class Youth Culture (Mugham & Pearson, org.). Londres: Routledge & Kegan Paul.
PIALOUX, M. 1979. “Jeunesse sans Avenir et Travail intérimalre” . Actes de la Rechercha en Sciences Sociales 26/27:19-47.
THÉVENOT, L. 1979. "Une Jeunesse Difficile: Les Fonctions Sociales du Flou et de la Rigueur dans les Classements” . Acts de la Recherche en Sciences Sociale», 2S/27: 3-18,
THOMPSON, E. P. 1987. A Formação da Classe Operária Inglesa. Rio de Janeiro: Pal ”¢ Terra.
WILLIS, P. 1978. L’École des Ouvriers. Actes de la Recherche en Science» Soclalet, 84! 51-61.

Downloads

Publicado

2018-01-26

Como Citar

Guedes, Simoni Lahud. 2018. “A construção De Trabalhadores”. Anuário Antropológico 13 (1):223-35. https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6419.

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.