Política Cultural e Unidades Culturais de Infocomunicação

Conteúdo do artigo principal

Marco Antonio de Almeida

Resumo

O tema do trabalho é a mediação cultural em espaços institucionais e os impactos proporcionados pelas Tecnologias de Informação e Comunicação (TICS) nesse processo. O texto analisa as políticas culturais em unidades de informação entendidas como espaços culturais. Parte inicialmente da discussão dos próprios termos “Unidades de Informação” e de “Centros Culturais”, considerando a hipótese de que a incorporação de concepções mais alargadas do conceito de cultura e a presença cada vez maior das TICs ampliam a convergência entre esses espaços. O foco concentra-se nas potencialidades de formação e de empoderamento cultural proporcionadas pelas políticas desenvolvidas por estas instituições. Nessa perspectiva, analisa os exemplos dos Pontos de Cultura, no Brasil, e o Sistema de Bibliotecas Públicas de Medellín, na Colômbia. Conclui que essas experiências permitem visualizar possibilidades de constituição de novas ações e cadeias de mediações da cultura, numa perspectiva muito mais dialógica que impositiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Almeida, M. A. de. (2017). Política Cultural e Unidades Culturais de Infocomunicação. Arquivos Do CMD, 5(1), 32-51. https://doi.org/10.26512/cmd.v5i1.8965
Seção
Artigos de Dossiês
Biografia do Autor

Marco Antonio de Almeida, Universidade de São Paulo

Doutor em Ciências Sociais, Livre-Docente em Ciência da Informação, Professor da FFCLRP-USP e do PPGCI-ECA/USP.

Referências

ALMEIDA, Marco A. Mediações da cultura e da informação: perspectivas sociais, políticas e epistemológicas. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação v. 1, no 1, 2008.
_____ Habermas e as apropriações culturais das TICs: rumo a ciberesferas públicas? Problemata: R. Intern. Fil. Vol. 03. No. 02, pp. 127-156, 2012.
_____. Políticas culturais e redes sociotécnicas: reconfigurando o espaço público. Revista Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, Vol. 50, N. 1, p. 54-64, jan/abr 2014.
AUGÉ, Marc. Não-lugares. Introdução a uma antropologia da supermodernidade. 3a. ed. Campinas: Papirus, 1994.
BENJAMIN, Walter. O Narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Obras Escolhidas vol. 1. São Paulo: Brasiliense, 1987b, p. 197-221.
BERGER, Peter & LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. Petrópolis (RJ): Vozes, 1974.
CASTELLS, Manuel. Internet e sociedade em rede. In: MORAES, Denis de (org.) Por uma outra comunicação: mídia, mundialização cultural e poder. Rio de Janeiro: Record, 2003b, p. 255-288.
CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Petrópolis (RJ): Vozes, 1994.
CUNHA, Newton. Cultura e Ação Cultural. São Paulo: Edições SESC, 2010.
DAVALLON, Jean. A mediação: a comunicação em processo? Revista Prisma.Com, n. 4, 2007, p. 03-36.
GLEICK, James. A informação: uma história, uma teoria, uma enxurrada. São Paulo: Companhia das Letras, 2013
HABERMAS, Jürgen. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.
HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 22, nº2, p. 15-46, jul./dez.1997.
ISAR, Yudhishthir Raj. Políticas de cultura: questões para uma análise comparativa transnacional. In: LEITE, José Guilherme Pereira (org.) As malhas da cultura 2. Cotia (SP): Ateliê Editorial, 2013, p. 13-36.
LOGAN, Robert K. Que é informação? A propagação da organização na bisofera, n simbolosfera, na tecnosfera e na ecosfera. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.
LUHMANN, Niklas. Poder. Brasília: Editora da UNB, 1985.
MEDELLÍN, Alcadia. Laboratorio Medellín: catálogo de diez prácticas vivas. Medellín: Alcadía de Medellín/Mesa Editores, 2012.
MinC Ministério da Cultura. Pontos de Cultura. Disponível em http://www.cultura.gov.br/pontos-de-cultura1 . Acesso em 23/09/2014.
PIGNATARI, Décio. Informação Linguagem Comunicação. Cotia (SP): Ateliê Editorial, 2002.
SANTOS, Gildenir Carolino; RIBEIRO, Célia M. Acronicos, siglas e termos técnicos. Campinas: Átomo, 2003.
SHIRKY, C. Ontologias são superestimadas: categorias, links e etiquetas. Extralibris. Disponível em: http://extralibris.org/artigos-e-estudos/ontologias-sao-superestimadas-categorias-links-e-etiquetas Acesso em: 10 abr. 2015.
SILVA, Frederico Barbosa A. Cultura viva e o digital. In: SILVA, F. B. A.; CALABRE, L. (orgs.) Pontos de Cultura: olhares sobre o programa Cultura Viva. Brasília: IPEA, 2011, p. 13-59.
SILVA, F. A. B.; ARAÚJO, H. E. Cultura Viva: avaliação do Programa Arte Educação e Cidadania. Brasília: IPEA, 2010.
THOMPSON, John. A mídia e a Modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis (RJ): Vozes, 1998.
TOLILA, Paul. Cultura e economia. São Paulo: Itaú Cultural: Iluminuras, 2007.
VIANNA, Hermano. Internet e inclusão digital: apropriando e traduzindo tecnologias. In: Schwarcz, L. M.; Botelho. A. (orgs.) Agenda brasileira: temas de uma sociedade em mudança. São Paulo: Companhia das Letras, 2011, p. 314-323.
WARSCHAUER, Mark. Tecnologia e inclusão social: a exclusão digital em debate. São Paulo: Senac, 2006.
WAL, Thomas Vander. Folksonomy Coinage and Definition. Fevereiro/2007. Disponível em http://www.vanderwal.net/folksonomy.html
YÚDICE, George. A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte: UFMG, 2006.