A herança africana na estética das festas populares e sua participação na construção da sociedade brasileira

Main Article Content

Alberto Bomfim da Silva

Resumo

Propõe-se uma análise teórica sobre o papel jogado pela estética das festas populares, sobretudo aquelas ligadas à cultura afro-brasileira, na construção sócio histórica do país. A metodologia compreende a releitura de autores clássicos que contribuíram para a ideia de Brasil que se construiu após a abolição da escravidão, cruzando as informações ali contidas sobre tais festas. A conclusão inicial aponta que a memória historiográfica brasileira elidida no século XX, eivada do utilitarismo monocrático da modernidade, deixou escapar, ou reduziu, a importância das festas populares na construção da história do país. Segue-se a hipótese de que o aprofundamento da releitura e análise desta produção intelectual, com a inclusão, nos limites possíveis do rigor dos Estudos Culturais, da perspectiva das cosmologias que compunham a estética das práticas festivas populares, poderá demonstrar outras maneiras pelas quais a estética dessas festas atravessou a história do Brasil desde o fim da sociedade escravista

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
da Silva, A. B. (2023). A herança africana na estética das festas populares e sua participação na construção da sociedade brasileira. Arquivos Do CMD, 10(1), 82–95. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/CMD/article/view/51678
Seção
Artigos de Dossiê
Biografia do Autor

Alberto Bomfim da Silva, Sec. Ed. Vit. Conq.

Doutor em Memória pelo Programa de Pós-graduação em Memória: Linguagem e Sociedade/Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (PPGMLS/UESB). Graduando em Letras pela Universidade Estácio. Possui graduação em História pela UESB (1998); especialização em História: Política,
Cultura e Sociedade (2011) pela mesma universidade; mestrado em Letras: Cultura, Educação e Linguagens (2015), também pela UESB. Atualmente é professor do Curso Pré--Vestibular Dom Climério, que atende principalmente afro--brasileiros(vinculado a APN’S) e professor efetivo da Secretaria Municipal de Educação de Vitória da Conquista (BA). Atua principalmente com os seguintes temas: cultura, educação, ciência, memória, cultura afro-brasileira , relaçõesétnico-raciais, identidade, gênero e história geral.

Referências

BOURDIEU, Pierre. Le sens pratique. Paris: Minuit, 1980.

CASTILLO, Lisa Earl. Os agudás de Lagos: Brasil, Cuba e memórias atlânticas. Afro-Ásia , Vol. 48 (2013), 407-417.

FONSECA, Marcus Vinícius, BARROS, Surya Aaronovich Pombo de (Orgs.). A história da educação dos negros no Brasil. Niterói: EdUFF, 2016.

GOMES, Flávio dos Santos; DOMINGUES Petrônio. Da nitidez e invisibilidade: legados do pós-emancipação no Brasil. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.

HEGEL, G. Fenomenologia do Espírito. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

HERODOTO DE HELICARNASSO. Los nueve libros de la História. Tomo três. Ed. Elaleph.com, 2000. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bk000439.pdf acesso em 17.06.2020.

IVO, Isnara Pereira. Homens de caminho: trânsitos culturais, comércio e cores nos sertões da América portuguesa. Século XVIII. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2012.

KI‑ZERBO, Joseph (Org.). História geral da África, I: Metodologia e pré-história da África / editado por Joseph Ki‑Zerbo.– 2.ed. rev. – Brasília : UNESCO, 2010.

MAGGIE. Yvonne. Medo do feitiço 15 anos depois: “a ilusão da catequese” revisitada. In: CUNHA, Olivia Maria Gomes da; GOMES, Flávio dos Santos. Quase cidadãos: histórias e antropologia da pós-emancipação no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

MUNANGA, Kabengele. Por que ensinar a história da África e do negro no Brasil de hoje? Revista do Instituo de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 62, p. 20-31, dez. 2015

NETO, Lira. Uma história do samba: as origens (vol. 1). São Paulo: Cia das Letras, 2017.

PRADO JR., Caio. História econômica do Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 1965.

PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos Orixás. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

ROMERO. Sílvio. Zéverissimações ineptas da crítica: repulsas e desabafos. Porto: Oficinas do comércio do Porto (Brasiliana Digita/Usp), 1909.

RUSSEL-WOOD, A. J. R. Fidalgos e filantropos: a Santa Casa de Misericórdia da Bahia 1550-1755. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1981.

SODRÉ, Muniz. 0 terreiro e a cidade: a forma social negro-brasileira. Rio de Janeiro: Imago Ed.; Salvador, BA: Fundação Cultural do Estado da Bahia, 2002.