PARTICIPAÇÃO SOCIOPOLÍTICA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL FILANTRÓPICO DE VITÓRIA/ES

  • Maryellen Polezi Pereira Emescam
  • Caroline Feitosa Dibai de Castro Emescam
  • Bruno Henrique Fiorin Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: Perfil da Enfermagem., Equipe de Enfermagem., Política.

Resumo

Objetivou-se descrever os aspectos relacionados à participação sociopolítica da equipe de enfermeiros e técnicos de enfermagem. Trata-se de pesquisa descritiva, com delineamento transversal, realizada no Hospital Santa Casa de Misericórdia de Vitória/ES. Incluíram-se os enfermeiros e técnicos de enfermagem e excluíram-se enfermeiros e técnicos de enfermagem que estavam de licença médica no período de coleta de dados. A análise dos dados foi feita por meio do programa estatístico SPSS 17. Participaram do estudo 282 profissionais de enfermagem, com prevalência do sexo feminino (82,3%). Os cargos de nível médio responderam por 75,5% dos participantes, sendo seguidos pela categoria de enfermeiros assistenciais, com 24,5%. Em relação a lutas de classe, percebe-se maior interesse dos enfermeiros, com prevalência da classe masculina, mesmo sendo eles a minoria na equipe. Ainda existem profissionais que não conhecem nem participam de nenhuma entidade de representação, mesmo sabendo que a associação ao Conselho Regional de Enfermagem (COREN) é obrigatória para o exercício da enfermagem. A organização política da enfermagem brasileira é caracterizada por avanços e retrocessos. Embora exista um número expressivo de profissionais interessados na política, é necessário maior envolvimento da categoria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maryellen Polezi Pereira, Emescam

Enfermeira oncológica. Especilista em Gestão em Saúde.

Caroline Feitosa Dibai de Castro, Emescam

Professora Assistente da Faculdade de Enfermagem- Emescam, doutoranda em Saúde Coletiva. 

Bruno Henrique Fiorin, Universidade Federal do Espírito Santo

Enfermeiro, Mestre em Saúde Coletiva, Doutor em Ciência. Professor do Programa de Pós Graduação em Gestão Pública- UFES

Referências

Pires DEP. Transformações necessárias para o avanço da Enfermagem como ciência do cuidar. Rev Bras Enferm. 2013; 66(esp): 39-44.

Mininel VA, Baptista PCP, Felli VEA. Cargas psíquicas e Processos de desgaste em Trabalhadores de enfermagem de hospitais Universitários Brasileiros. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2011; 19(2): 340-7.

Cezar ES, Marziale MHP. Occupational violence problems in an emergency hospital in Londrina, Parana, Brazil. Cad[15]Saúde Publica, Rio de Janeiro, 2006; 22(1):217-221.

Costa RA, Shimizu HE. Atividades desenvolvidas pelos enfermeiros nas unidades de internação de um hospital-escola. Rev Latino-Am Enferm 2005;13(5): 654-62.

Machado, HM, Vieira ALS, Oliveira E. Construindo o perfil da enfermagem. Rev. Enfermagem em Foco. 2016; 7(ESP): 35-62.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo demográfico. Rio de janeiro, 2010.

Machado MH, Aguiar Filho W, Lacerda WF, Oliveira E, Lemos W, Wermelinger M, Et al. Características Gerais da Enfermagem: O Perfil sociodemográfico. Rev Latino-Am Enferm (Internet). 2016 (Acesso em 22 Fev. 2016); Disponível em: http://revista.portalcofen.gov.br/index.php/ enfermagem/article/view/686.

Persegona KR, Rocha DLB, Lenardt MH, Zagonel IPS. O Conhecimento político na atuação do enfermeiro. Esc Anna Nery Rev Enferm (Internet). 2009 (Acesso em 15 Mai. 2009); 13 (3): 645-50. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/ v13n3/v13n3a27.pdf.

Melo CMM, Santos TA. A participação política de enfermeiras na gestão do Sistema Único de Saúde em nível municipal. Texto contexto - enferm. (Internet). 2007 [Acesso em 23 Ago. 2016); 16 (3): 426-432. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S0104-07072007000300007&lng=en.

Oliveira AAS, Leite LP. Construção de um sistema educacional inclusivo: um desafio político-pedagógico. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ. 2007; 15(57): 511-524.

Lessa ABSL, Araújo CNV. Brazilian nursing: a reflection about political activity. Reme: Revista Mineira de Enfermagem. 2013; 17 (2): 481-7.

Santos RM, Trezza MCSF, Barros WO, Leite JL. História e perspectivas da organização dos enfermeiros nos movimentos sindicais. Rev. bras. enferm. 2006; 59 (1): 89-94.

Brasil. Constituição. Lei nº 7498, de 25 de Junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem, e dá outras providências. Brasília: 1986.

Fortes PAC. Ética e saúde: questões éticas, deontológicas e legais, tomada de decisões, autonomia e direitos do paciente, estudo de casos. São Paulo: EPU, 1998.

Schneider DG, Ramos FRS. Nursing ethical processes in the State of Santa Catarina: characterization of factual elements. Revista Latino-americana de Enfermagem. 2012; 20 (4): 744-752.

COFEN (MG). Resolução COFEN n.240/2000. Aprova o Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem e da outras Providências. Boletim do COREN, Belo Horizonte (MG) 2003 set; 9(1):39-48.

Ferraz F. O Processo de Vinculação da Educação Continuada em Serviço, com a Equipe de Enfermagem no Cuidado Terapêutico ao Cliente Hemato-oncológico Adulto. (Monografia de Graduação). Santa Maria (RS): Universidade Federal de Santa Maria; 2003.

Santos RM, Trezza MCSF, Barros WO, Anunciação WM. A organização sindical da 9 saúde e a enfermagem: uma (re) análise oportuna. In: Anais do 60º Congresso Brasileiro de Enfermagem, Rio de Janeiro: 2003.

Gomes MLB, Baptista SS, Silva ICM. A luta pela politização das enfermeiras: sindicalismo no Rio de Janeiro – 1978/1984. Rio de Janeiro (RJ): Ed. EEAN/UFRJ, 1999.

Publicado
2019-05-23
Como Citar
1.
Polezi Pereira M, Feitosa Dibai de Castro C, Fiorin BH. PARTICIPAÇÃO SOCIOPOLÍTICA DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL FILANTRÓPICO DE VITÓRIA/ES. gs [Internet]. 23maio2019 [citado 16jul.2019];10(2):203 -217. Available from: http://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/22910
Seção
Artigos Originais