O Sujeito na Pesquisa Qualitativa

Desafios da Investigação dos Processos de Desenvolvimento

  • Cláudio Márcio de Araújo Universidade de Brasília
  • Maria Cláudia Santos Lopes de Oliveira Universidade de Brasília
  • Maristela Rossato Universidade de Brasília
Palavras-chave: Sujeito, Pesquisa qualitativa, Desenvolvimento humano

Resumo

O objetivo do artigo é produzir uma reflexão sobre a investigação da subjetividade, suas transformações no tempo irreversível e suas implicações para a investigação qualitativa dos processos de desenvolvimento humano. A primeira parte explora um olhar histórico-filosófico sobre os conceitos de ‘sujeito’ e ‘realidade’. A parte final do texto apresenta e discute cinco desafios não superados, no contexto da pesquisa contemporânea do desenvolvimento humano, a saber: (a) o de representar fenômenos em processo de mudança; (b) o de assumir o caráter complexo da investigação de temas integradores como a ‘subjetividade’; (c) o de considerar as práticas de pesquisa como promotoras de desenvolvimento microgenético; (d) o de reconhecer o pesquisador como parte da realidade investigada, sujeito em desenvolvimento; (e) o de prover o alinhamento adequado entre teoria e metodologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Márcio de Araújo, Universidade de Brasília

Graduado em Filosofia(PUC-Go), mestre e doutorando em Psicologia no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Humano e Saúde, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília (UNB).

Maria Cláudia Santos Lopes de Oliveira, Universidade de Brasília

Professora Associada na Universidade de Brasília, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Humano e Saúde, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília (UNB).

Maristela Rossato, Universidade de Brasília

Professora adjunta da Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento, Laboratório de Microgênese das Interações Sociais, Professora do Programa de Pós Graduação em Processos de Desenvolvimento Humano.

Referências

Araújo, C. M., & Lopes de Oliveira, M. C. S. (2010). Significações sobre desenvolvimento humano e adolescência em um projeto socioeducativo. Educação em Revista, 26(03), 169-194.

Araújo, C. M., & Lopes de Oliveira, M. C. S. (2013). Contribuições de Bourdieu ao tema do desenvolvimento adolescente em contexto institucional socioeducativo. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 8(2), 215-224.

Barthes, R. (1976). Introdução à análise estrutural da narrativa. In R. Barthes, Análise estrutural da narrativa: Pesquisas semiológicas (pp. 19-60). Petrópolis: Vozes.

Bakhtin, M. (1988). [Volochinov, V.] Marxismo e filosofi a da linguagem. São Paulo: Hucitec.

Bakhtin, M. (1992) Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Bolívar, A. (2001). Profi ssão professor: O itinerário profissional e a construção da escola. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Bolívar, C. R. (2008). El enfoque multimétodo en la investigación social y educativa: Una mirada desde el paradigma de la complexidad. Revista de Filosofía y Socio Política de la Educación, 8(4), 13-28

Bruner, J. S. (1991). The narrative construction of reality. Critical Inquiry, 18, 1-20.

Castro, L. R., & Souza, S. J. (1994). Desenvolvimento humano e questões para um fi nal de século: Tempo, história e memória. Psicologia Clínica, 6(6).

Chizzotti, A. (2003). A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: Evolução e desafi os. Revista Portuguesa de Educação, 16(2), 221-236.

Chizzotti, A. (2006). Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez.

Cole, M., & Cole, S. (2003). O desenvolvimento da criança e do adolescente. Porto Alegre: Artmed.

Connelly, F. M., & Clandinin, J. (1990). Stories of experience and narrative inquiry. Educational Researcher. 5(19), 2-14.

Delory-Momgerger, C. (2008). Les histoires de vie: De l’invention de soi au projet de formation. Paris: Anthropos.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S (2006). O Planejamento da pesquisa qualitativa: Teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed.

Descartes, R. (1962). Obra escolhida. (J. Guinsburg & B. Prado Júnior, Trad.). São Paulo: Difusão Europeia do livro.

Descartes, R. (1993). Discurso do método. (A. Morão, Trad.): Lisboa.

Ericeira, R. C. S. (2007, Outubro). História e vida mental: A psicologia dos povos Wundtiana. Trabalho completo apresentado no 14º Encontro Nacional da ABRAPSO, Rio de Janeiro, Brasil.

Flick, U. (2004). Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Flick, U., von Kardorff , E., & Steinke, I. (2000). (Orgs.). Was ist qualitative Forschung? Einleitung und überblick. In U. Flick, E. von Kardorff , & I. Steinke (Orgs.), Qualitative forschung: Ein handbuch (pp. 13-29). Reinbek: Rowohlt.

Freitas, M. T. A. (2002). A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de Pesquisa, 116, 21-39.

Gonzalez Rey, F. (2002). Pesquisa qualitativa em psicologia: Caminhos e desafi os. São Paulo: Thomson.

González Rey, F. (2003). Epistemología cualitativa y subjetividad. São Paulo: EDUC.

González Rey, F. (2005). Pesquisa qualitativa e subjetividade: Os processos de construção da informação. Thomson: São Paulo.

Günther, H. (2006). Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: Esta é a questão?. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(2), 201-210.

Hall, S. (2002). Identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A.

Hermans, H. J. M. (2002). The Dialogical self as a society of mind: An introduction. Theory and Psychology, 12(2), 147-160.

James, W. (1952). The principles of psychology (Great books of the western world, Vol. 53). Chicago: Enciclopaedia Britannica. (Original publicado em 1890)

Jardim, A. F. C. (2001). Morte do homem, morte do sujeito: Nietzsche e a crítica à metafísica da subjetividade em Descartes. Unimontes Científi ca, 2(2), 1-22.

Labov, W. & Waletzky, J. (1967). Narrative analysis: Oral versions of personal experience. In J. Helm (Org.), Essays on the verbal and visual arts (pp. 12-44). Seattle: University of Washington Press.

Lincoln Y. S., & Guba, E. G. (1985). Naturalistic inquiry. Beverly Hills, CA: Sage.

Lopes de Oliveira, M. C. S. (2003). Subjetividade e conhecimento: Do sujeito da representação ao sujeito dialógico. Fractal: Revista de Psicologia, 15(2), 33-52.

Lopes de Oliveira, M. C. S. (2006). Identidade, narrativa e desenvolvimento na adolescência: Uma revisão crítica. Psicologia em Estudo, 11(2), 427-436.

Lopes de Oliveira, M. C. S. (2016). Desenvolvimento do self e processos de hiperindividualização: Interrogações à psicologia dialógica. Revista Psicologia USP.

Mancebo, D. (2004). Indivíduo e Psicologia: Gênese e desenvolvimentos atuais. In D. Mancebo & A. M. Jacó-Vilela (Orgs.), Psicologia social: Abordagens sócio-históricas e desafi os contemporâneos (pp. 35-48). Rio de Janeiro: EdUERJ.

Marková, I. (2003). Dialogicality and social representations: The dynamics of mind. Cambridge: Cambridge University Press.

Minayo, M.C.S. (1993).Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes.

Morin, E. (1996). A noção de sujeito. In D. F. Schnitman (Org.), Novos paradigmas, cultura e subjetividade (J. H. Rodrigues, Trad., pp. 45-55). Porto Alegre: Artes Médicas.

Rossato, M. (2009). O movimento da subjetividade no processo de superação das dificuldades de aprendizagem escolar (Tese de doutorado não publicada). Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil. Recuperado de http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_arquivos/45/TDE-2010-11-24T173440Z-5279/Publico/2009_MaristelaRossato.pdf

Salgado, J., Cunha, C., & Bento, T. (2013). Positioning micronalysis: Studying the self through the exploration of dialogical processos. Integrative Psychological and Behavioral Sciences, 47(3), 325-53.

Souza, T. Y., Branco, A. U., & Lopes de Oliveira, M. C. S. (2008). Pesquisa qualitativa e desenvolvimento humano: Aspectos históricos e tendências atuais. Fractal: Revista de Psicologia, 20(2), 357-376.

Schinitman, D. F., & Fuks, S. L. (1996). Metáforas da mudança: Terapia e processo. In D. F. Schinitman (Org.), Novos paradigmas, cultura e subjetividade (pp. 244-253). Porto Alegre: Artmed.

Valsiner, J. (2012). Fundamentos da psicologia cultural: Mundos da mente, mundos da vida. Porto Alegre: Artmed.

Vygotski, L. S. (1991) Obras escogidas (Vol. 1). Madrid, Espanha: Visor.

Zittoun, T. (2012). On the emergence of the subject. Integrative Psychological and Behavioral Science, 46(3), 259-273.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
AraújoC. M. de, Lopes de OliveiraM. C. S., & RossatoM. (2017). O Sujeito na Pesquisa Qualitativa. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19506
Seção
Artigos Teóricos