Violência Juvenil e Medidas Socioeducativas

Revisão de Literatura

  • Jacqueline de Oliveira Moreira PUC Minas
  • Andréa Maris Campos Guerra UFMG
  • Carlos Roberto Drawin UFMG e FAJE
Palavras-chave: Adolescência, Medidas socioeducativas, Estatuto da Criança e do Adolescente, Adolescente em conflito com a lei

Resumo

Neste artigo, partindo do objetivo de compreender a relação entre violência juvenil e a resposta do Estado através das medidas socioeducativas, buscamos explicitar o pano de fundo das pesquisas científcas atuais. Realizamos uma metaanálise dos artigos publicados sobre adolescência e medidas socioeducativas, no campo da psicologia, entre os anos de 2000 e 2012. Concluímos que essa produção nacional pode ser reunida em três grandes categorias: (a) prático-experiencial, que apresenta relatos analíticos da prática na aplicação das medidas socioeducativas, privilegiando a experiência concreta; (b) político-institucional, que discute criticamente a dimensão política da lógica socioeducativa, detendo-se na análise estrutural de sua legislação e de suas instituições; (c) sociocultural, que analisa os determinantes sociais e psíquicos do fenômeno da violência juvenil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jacqueline de Oliveira Moreira, PUC Minas

Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da PUC-MG, doutora em Psicologia Clinica - PUC/SP, Mestre em Filosofia – UFMG, Psicóloga clinica, Bolsista Produtividade Pq2

Andréa Maris Campos Guerra, UFMG

Psicanalista, doutorado em Teoria Psicanalítica pela UFRJ, com período de estudos aprofundados na Université de Rennes II (2007), professora adjunta do Departamento de Psicologia da UFMG.

Carlos Roberto Drawin, UFMG e FAJE

Psicólogo. Psicanalista. Doutor em Filosofia (UFMG). Professor Aposentado do Deptº de Filosofia UFMG e Professor Titular da FAJE

Referências

Almeida, M. M. de., & Silva, R. C. da. (2004). Compreendendo as estratégias de sobrevivência de jovens antes e depois da internação na FEBEM. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 5(1), 82-102.

*Alves, C., Pedroza, R., Pinho, A., Presotti, L., & Silva, F. (2009). Adolescência e maioridade penal: Reflexões a partir da psicologia e do direito. Revista Psicologia Política, 9(17), 67-83.

*Arantes, E. M. de M. (2009). Proteção integral à criança e ao adolescente: Proteção versus autonomia? Psicologia Clínica, 21(2), 431-450.

*Balaguer, G. (2005). Violência e adolescência: Uma experiência com adolescentes internos da FEBEM/SP. Imaginario, 11(11), 91-109.

*Barra, M. B. (2007). A clínica psicanalítica em um ambulatório para adolescentes em conflito com a lei. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 7(3) 72-81.

*Bello, L. M. (2001). Jovens infratores e a terapia: Uma questão para os “observadores da multiplicidade humana”. Psicologia, Ciência e Profissão, 21(4), 34-43. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-989320 01000400005.

Birman, J. (1999). Mal-estar na atualidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Brasil. (1990). Lei Federal nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da criança e do adolescente (ECA). Recuperado em 01 março 2014 de http://www.planalto.gov.br/ccivil/LEIS /L8069.htm.

Brasil. (2012). Lei Federal nº 12.594, de 18 de Janeiro de 2012. Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (SINASE). Recuperado em 21 de fevereiro de 2014 de http://www.planalto.gov.br / ccivil_03 /_ato2011-2014/2012/lei/l12594.htm.

*Brito, L. M. T. de. (2007). Liberdade assistida no horizonte da doutrina de proteção integral. Psicologia, Teoria e Pesquisa, 23(2), 133-138. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722007000200003.

*Cella, S. M., & Camargo, D. M. P. (2009). Trabalho pedagógico com adolescentes em conflito com a lei: Feições da exclusão/inclusão. Educação & Sociedade, 30(106), 281-299.

*Costa, C. B., & Almeida, E. O. C. de. (2007). Violência: A compreensão do conceito por jovens submetidos a medidas socioeducativas. Psicologia Revista da Vetor Editora, 8(1), 71-76.

*Costa, C. R. B. S. F. da. (2005). É possível construir novos caminhos? Da necessidade de ampliação do olhar na busca de experiências bem-sucedidas no contexto sócio-educativo. Estudos e Pesquisa em Psicologia, 5(2), 79-95.

*Costa, C. R. B. S. F. da., & Assis, S. G. de. (2006). Fatores protetivos a adolescentes em conflito com a lei no contexto socioeducativo. Psicologia & Sociedade, 18(3), 74-81. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822006000300011.

*Costa, L. S. da, Carvalho, M.C. N., & Wentzel, T. R. (2009). Intervenção psicológica focal em adolescentes autores de ato infracional. Ciência & Cognição, 14(2),130-146.

*Costa, L. F., Guimarães, F. L., Pessina, L. M., & Sudbrack, M. F.O. (2007). Single session work: Intervenção única com a família e adolescente em conflito com a lei. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano,17(3), 104-113.

*Costa, L., Penso, M. A., Sudbrack, M. F. O., & Jacobina, O. M. P. (2011). Adolescentes em conflito com a lei: O relatório psicossocial como ferramenta para promoção do desenvolvimento. Psicologia em Estudo, 16(3),379-387.

*Coutinho, M. da P. de L.,Estevam, I. D.,Araujo, L.F., & Araujo, L. S. (2011). Prática de privação de liberdade em adolescentes: Um enfoque psicossociológico. Psicologia em Estudo, 16(1), 101-109. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722011000100012.

*Gallo, A. E. (2008). Atuação do psicólogo com adolescentes em conflito com a lei: A experiência do Canadá. Psicologia em Estudo, 13(2), 327-334. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722008000200015&lng=pt&tlng=pt.

*Germano, I., & Bessa, L. L. (2010). Pesquisas narrativo-dialógicas no contexto de conflito com a lei: Considerações sobre uma entrevista com jovem autora de infração. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 10(3), 995-1033.

Gomes, R. (2001). A análise de dados em pesquisa qualitativa. In M. C. S. Minayo (Ed.), Pesquisa social: Teoria, método e criatividade (pp. 67-80). Petrópolis: Vozes.

*Guerra, A. M. C., Moreira, J. O., Lima, N. L., Pompeo, B. D. S., Soares, C. A. N., Carvalho, L. M. S., & Pechir, N. A. N. (2010). Construindo ideias sobre a juventude envolvida com a criminalidade violenta. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 10(2), 434-456.

*Jacobina, O. M. P., & Costa, L. F. (2007). Para não ser bandido: Trabalho e adolescentes em conflito com a lei. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 10(2), 95-110.

*Jost, M. C. (2010). Fenomenologia das motivações do adolescente em conflito com a lei. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(1), 99-108. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000100012.

*Kobayashi, M. do C. M., & Zane, V. C. (2010). Adolescente em conflito com a lei e sua noção de regras no jogo de futsal. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 24(2), 195-204. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S 1807-55092010000200004.

Lacan, J. (1995). O Seminário, livro 4: A relação de objeto (1956- 57). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1956-57)

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A construção do saber: Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed.

*Lemos, F. C. S. (2009). O Estatuto da Criança e do Adolescente em discursos autoritários. Fractal Revista de Psicologia, 21(1), 137-150.

*Lima, I. M. S. O. Alcântara, M. A. R., Almeida, K.V. D., & Alves V. S. (2006). Experiências de violência intrafamiliar entre adolescentes em conflito com a lei. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 16(2), 16-24.

* López, E. G. (2004). Edad penal y psicología jurídica: la necesidad de una respuesta social al adolescente infractor. Psicologia para América Latina, 2. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1870-350X2004000200002&lng=pt&tlng=es.

*Mello, S. L. de. (1999). Estatuto da criança e do adolescente: É possível torná-lo uma realidade psicológica? Psicologia, 10(2), 139-151.

*Menicucci, C. G., & Carneiro, C. B. L. (2011). Entre monstros e vítimas: A coerção e a socialização no Sistema Socioeducativo de Minas Gerais. Serviço Social & Sociedade, 107, 535-556.doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-66282011000300009.

*Minahim, M. A., & Sposato, K. B. (2011). A internação de adolescentes pela lente dos tribunais. Revista Direito GV, 7(1), 277-298. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1808-24322011000100014.

*Miraglia, P. (2005). Aprendendo a lição: Uma etnografia das Varas Especiais da Infância e da Juventude. Novos Estudos, CEBRAP, 72, 79-98. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-33002005000200005.

*Monte, F. F. de C., Sampaio, L. R., Rosa Filho, J. S., & Barbosa, L. S. (2011). Adolescentes autores de atos infracionais: Psicologia moral e legislação. Psicologia & Sociedade, 23(1), 125-134. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822011000100014.

*Monteiro, L. de O. (2006). A judicializaçao dos conflitos de adolescentes infratores: Solução ou mito? Revista Katálysis, 9(1), 63-74.

*Moreira, J. O., Rosario, Â. B. do., & Costa, D. B. da. (2008). Criminalidade juvenil no Brasil pós-moderno: Algumas reflexões psicossociológicas sobre o fenômeno da violência. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 8(4), 1021-1046.

Minayo, M. C. de S. (2001). Ciência técnica e arte: O desafio da pesquisa social. In M. C. S. Mynaio (Ed.), Pesquisa social: teoria, método e criatividade (pp. 9-30). Petrópolis: Vozes.

Moreira, J. O., Romagnoli, R. C., Rocha, P. M., Dias, A. F. G., & Bouzada, G. C. F. A. (2014). Medida socioeducativa de internação sob uma lente foucaultiana. Polis e Psique, 4, 73-89. Retirado de http://seer.ufrgs.br/index.php/PolisePsique/article/view/46017.

Moreira, J. O., Guerra, A. M. C., Oliveira, N. A., Souza, J. M. P., Soares, C. A. N. (2015). Medidas socioeducativas com seus dispositivos disciplinares: O que, de fato, está em jogo nesse sistema? Revista Psicologia Política, 15(33), 285-302.

Moreira, J. O., Guerra, A. M. C., Martins, A. S., Cadar, A. C. B., & Rosário, A. B. (2015). Recognition and Indeterminacy: A psychoanalytic reading of illegals acts in adolescence. Psychology (Irvine), 06, 1570-1579. doi: http://dx.doi.org/10.4236/psych.2015.612154.

Moreira, J. O., Souza, J. M. P., Rocha, P. M., Guerra, A. M. C., Peixoto, M. L. V. L. (2014). Os desafios da aplicação das medidas socioeducativa no Brasil: Uma reflexão sobre diferentes relatos de experiências. Psychologia Latina, 5, 1-10. Retirado de http://pendientedemigracion.ucm.es/info/psyhisp/es/8/art35.pdf.

*Nascimento, M. L. do, Lacaz, A. S., & Travassos, M. (2010). Descompassos entre a lei e o cotidiano nos abrigos: Percursos do ECA. Aletheia, 31, 16-25.

*Passamani, M. E., & Rosa, E. M. (2009). Conhecendo um programa de liberdade assistida pela percepção de seus operadores. Psicologia, Ciência & Profissão, 29(2), 330-345.

*Penso, M. A., & Sudbrack, M. de F. O. (2009). O filho fora do tempo: Atos infracionais, uso de drogas e construção identitária. Arquivo Brasileiro de Psicologia, 61(1), 2-15.

*Perfeito, D. M. (2005). Adolescentes infratores: Uma aprendizagem e uma luz na psicoterapia - relato de prática profissional. Psicologia para América Latina, 4. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1870-350X2005000200007&lng=pt&tlng=pt..

*Rosario, Â. B. do. (2010). Grupo com adolescentes em privação de liberdade: Circulação da palavra como possibilidade de ressignificação do ato infracional. Revista SPAGESP, 11(1), 66-76.

*Rosário, A. B. (2004). O mundo do crime: Possibilidade de intervenção a adolescentes em conflito com a lei. Mental, 2(2), 101-113. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-44272004000100008&lng=pt&tlng=pt.

Roudinesco, E. (2006). A análise e o arquivo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Santos, B. de S. (2001). Da ideia de universidade à universidade da ideia. In Pela Mão de Alice O social e o político na transição pós-moderna (pp. 163-202). 8º edição. São Paulo: Cortez

*Santos, T. C. dos, & Zeitoune, C. da M. (2011). Amor, impasses da sexuação e ato infracional na adolescência. Tempo Psicanalítico, 43(1), 85-108.

*Sartorio, A. T., & Rosa, E. M. (2010). Novos paradigmas e velhos discursos: Analisando processos de adolescentes em conflito com a lei. Serviço Social e Sociedade, 103, 554-575.

*Silva, A. A., Lemos, F. C. S., & Mello, R. P. (2011). Percursos de um jovem pela rede jurídica: Uma análise crítica. Barbaroi, 35, 58-74.

*Silva, F. S., Oliveira, F. H. da S., Piccione, M. A., & Lemos, R. F. (2008). Futebol libertário: Compromisso social na medida. Psicologia, Ciência & Profissão, 28(4), 832-845.

*Silva, I. R. de O., & Salles, L. M. F. (2011). Adolescente em liberdade assistida e a escola. Estudos de Psicologia, 28(3), 353-362. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2011000300007.

*Silva, R. de A. (2007). As múltiplas faces da violência. Latin American Journal of Fundamental Psychopathology, 4(2), 219-228.

*Silveira, A. D. (2012). Atuação do Tribunal de Justiça de São Paulo com relação ao direito de crianças e adolescentes à educação. Revista Brasileira de Educação, 17(50), 353-368.

*Silveira, K. S. S., Machado, J. C., Zappe, J. G., & Dias, A. C. G.. (2015). Projetos futuros de adolescentes privados de liberdade: implicações para o processo socioeducativo. Psicologia: Teoria e Prática, 17(2), 52-63. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872015000200004&lng=pt&tlng=pt..

*Sisto, F. F., Cecilio-Fernandes, D., & Silveira, F. J. (2012). Funcionamento diferencial de condutas agressivas em jovens infratores e universitários agressivos. Estudos e Pesquisa em Psicologia, 12(1), 158-174.

*Spagnol, A. S. (2005). Jovens delinqüentes paulistanos. Tempo & Sociedade, 17(2), 275-299.

*Vicentin, M. C. G., Gramkow, G., & Rosa, M. D. (2010). A patologização do jovem autor de ato infracional e a emergência de “novos” manicômios judiciários. Revista Brasileira de Crescimento & Desenvolvimento Humano, 20(1), 61-69.

*Vorcaro, Â., Mazzini, C. de A., & Monteiro, J. P. (2008). Ato infracional e metáfora paterna. Psicologia Teoria e Prática, 10(2), 135-146.

Waiselfisz, J. J. (2012). Mapa da violência no Brasil: 2010. Anatomia dos Homicídios no Brasil . São Paulo: Instituto Sangari. Recuperado de http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2010/MapaViolencia2010.pdf

*Zappe, J. G., & Ramos, N. V. (2010). Perfil de adolescentes privados de liberdade em Santa Maria/RS. Psicologia & Sociedade, 22(2), 365-373.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
Moreira, J., Guerra, A., & Drawin, C. (2017). Violência Juvenil e Medidas Socioeducativas. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19496
Seção
Revisão da Literatura

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##