O Divórcio Destrutivo Inscrito no Ciclo de Vida Familiar e suas Implicações

Críticas à Alienação Parental

  • Josimar Antônio de Alcântara Mendes Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB; Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas
  • Julia Sursis Nobre Ferro Bucher-Maluschke
Palavras-chave: Alienação parental, Divórcio, Ciclo de vida familiar, Disputa de guarda

Resumo

Algumas dificuldades podem surgir durante o processo de divórcio, levando a família ao “divórcio destrutivo”. Nesses casos, alguns autores compreendem o surgimento da Alienação Parental (PA). Este artigo tem como objetivo criticar a PA, refletindo sobre o Ciclo Vital da Família e divórcio. A esse respeito, um estudo qualitativo foi realizado com atores legais (juízes, promotores, psicólogos, assistentes sociais, advogados) sobre as questões do divórcio e PA, e os resultados foram construídos com as concepções de Zonas de Sentido de Gonzalez Rey. O resumo dos resultados é: (a) PA não contextualiza o conflito; (b) não considera a história das relações; (c) patologiza, medica e criminaliza os fenômenos do pós-divórcio e (d)
PA subestima a criança no conflito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barbosa, L. P. G., & Castro, B. C. R. (2013). (Orgs.) Alienação Parental: Um retrato dos processos e das famílias em situação de litígio. Brasília: Liber Livro.

Barbosa, L. P. G., & Juras, M. M. (2010). Refl exões sistêmicas sobre a Síndrome de Alienação Parental. In I. Ghesti-Galvão & E. C. B. Roque (Comp.), Aplicação da lei em uma perspectiva interprofi ssional: Direito, Psicologia, Psiquiatria, Serviço Social e Ciências Sociais na prática jurisdicional (pp. 315-330). Brasília DF: Lumen Juris.

Boris, G. D. J. B. (2012). As múltiplas facetas do poder nas relações conjugais. Psicologia & Sociedade, 24(2), 487-490.

Boszormenyi–Nagy, I., & Spark, G. M. (2008). Lealtades invisibles: Reciprocidad en terapia familiar intergeneracional. Madrid: Amorrortu Editores.

Bruch, C. S. (2001). Parental Alienation Syndrome and Parental Alienation: Getting it wrong in child custody cases. Family Law Quarterly, 35(3), p. 527-552.

Bucher-Maluschke, J. S. N. F. (2007). Lei, transgressões, famílias e instituições: Elementos para uma reflexão sistêmica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(spe), 83-87.

Carrey, N. (2011). Coasting to DSM-5 - Parental Alienation Syndrome and Child Psychiatric Syndromes: We are what and who we defi ne. Journal of the Canadian Academy of Child and Adolescent Psychiatry, 20(3), 163.

Carter, B., & McGoldrick, M. (2001). As mudanças no ciclo de vida familiar: Uma estrutura para a terapia familiar (2ª Ed.). Porto Alegre: Artmed.

Cerveny, C. M. O., & Berthoud, C. M. E. (1997). Família e ciclo vital: Nossa realidade em pesquisa. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Costa, L. F., Penso, M. A., Legnani, V. N., & Sudbrack, M. F. O. (2009). As competências da Psicologia Jurídica na avaliação psicossocial de famílias em conflito. Psicologia & Sociedade, 21(2), 233-241.

Coelho, M. I. S. M (2013). A lei da alienação parental (lei 12.318/2010): Concepções e práticas de psicólogos peritos (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade de Fortaleza, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Féres-Carneiro, T. (2003). Separação: O doloroso processo de dissolução da conjugalidade. Estudos de Psicologia, 8(3), 367-374.

Fiorelli, J. O., & Mangini, R. C. R. (2009). Psicologia jurídica. São Paulo: Editora Atlas S.A.

Fonseca, P. M. P. C. (2006). Síndrome de alienação parental. Pediatria, 28(3), 162-168.

Gardner, R. A. (2001a). Should courts order PAS children to visit/reside with the alienated parent? A follow-up study. The American Journal of Forensic Psychology, 19(3), 61-106.

Gardner, R. A. (2001b). Parental Alienation Syndrome (PAS): Sixteen years later. Academy Forum, 45(1), 10-12.

Gardner, R. A. (2002a). Empowerment of children in the development parental alienation syndrome. American Journal of Forensic Psychology, 20(2), 5-29.

Gardner, R. A. (2002b). Misinformation versus facts about the contributions of Richard A. Gardner, M.D. The American Journal of Family Therapy, (30), 395–416.

Gardner, R. A. (2002c). Parental Alienation Syndrome vs. Parental Alienation: Which diagnosis should evaluators use in childcustody disputes? The American Journal of Family Therapy, (30), 93–115.

Gardner, R. A. (2002). O DSM-IV tem equivalente para o diagnóstico de Síndrome de Alienação Parental (SAP) (R. Rafaeli, Trans.). Manuscript unpublished.

González Rey, F. L. (2000). Subjetividade e Saúde: Desafios para a investigação em psicologia da saúde. Retrieved from http://www.revistademedicina.ufc.br/v40/v406.htm

González Rey, F. L. (2005). Pesquisa qualitativa e subjetividade: Os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

González Rey, F. L. (2011). Pesquisa qualitativa em Psicologia: Caminhos e desafi os. São Paulo: Cengage Learning.

Harper, D. (2002). Talking about pictures: A case for photo elicitation. Visual Studies, 17(1), 13-26.

Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. (2010a). Estatísticas do Registro Civil. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais.

Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. (2010b). Censo Demográfico. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais.

Instituto Brasileiro de Geografia Estatística. (2011). Estatísticas do Registro Civil. Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais.

Juras, M. M., & Costa, L. F. (2011). O divórcio destrutivo na perspectiva de filhos com menos de 12 anos. Estilos da Clínica; 16(1), 222-245.

Kelly, J. B., & Johnston, J. R. (2001). The alienated child: A reformulation of parental alienation syndrome. Family Court Review, 39(3), 249-266.

King, M. (2002). An autopoietic approach to ‘Parental Alienation Syndrome’. The Journal of Forensic Psychiatry, l13(3), 609–635.

Lima, H. G. D., & Campos, N. M. V. (2003). A importância da subjetividade nos processos de família: a desconstrução da disputa. In H. G. D Lima (Org.), Construindo Caminhos para a

Intervenção Psicossocial no Contexto da Justiça (pp. 180-190). Brasília: Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios.

McNaught, C., & Lam, P. (2010). Using Wordle as a supplementary research tool. The Qualitative Report, 15(3), 630-643.

Mendes, J. A. A. (2013). Refl exões sistêmicas sobre o olhar dos atores jurídicos que atuam nos casos de disputa de guarda envolvendo alienação parental (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Moses, M., & Towsend, B. A. (2011). Parental Alienation in child custody disputes. Tennesee Bar Jounal 47(5), 25-29

Milani, G. D., Santos, P. R., & Volpato, L. M. B. (2011). A Alienação Parental e a intervenção do assistente social no judiciário. Seminário Integrado, 5(5), 1983-0602.

Parker, L. D. (2009). Photo-elicitation: An ethno-historical accounting and management research prospect. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 22(7), 1111-1129.

Pepiton, M. B., L. J., Alvis, Allen, K., & Logid, G. (2012). Is Parental Alienation disorder a valid concept? Not according to scientific evidence. A Review of Parental Alienation, DSM-5 and ICD-11. Journal of Child Sexual Abuse, 21(2), 244-253.

Pinho, A. C. (2012). A Alienação Parental e a guarda compartilhada como forma de prevenção. Direito e Humanidades, 10(21), 135-152.

Santos, D. C. S., & Fonseca, M. A. M. (2003). A regulamentação de visitas e a difi culdade de separação dos casais. In Lima, H. G. D. (Org.), Construindo caminhos para a intervenção psicossocial no contexto da justiça (pp. 62-74). Brasília, DF: TJDFT.

Santos, R. S., & Melo Júnior, R. F. (2011) Síndrome de Alienação Parental e Mediação Familiar – Do confl ito ao diálogo. Revista Eletrônica Unifacs, 128(10), 01-24.

Schabbel, C. (2005). Relações familiares na separação conjugal: Contribuições da mediação. Psicologia: Teoria e Prática, 7(1), 13-20.

Sousa, A. M. (2010). Síndrome da alienação parental: Um novo tema nos juízos de família. São Paulo: Cortez.

Turkat. I. (2002). Parental Alienation Syndrome: A review of critical issues. Journal of the American Academy of Matrimonial

Lawyers, 18, 131 – 176.

Zirogiannis, L. (2001). Evidentiary issues with Parental Alienation Syndrome. Family Court Review, 39(3), 334-343.

Zuim, C. B. B., & Leite, A. C. M. (2010). A criança no meio da disputa: análise de contexto familiar e intervenção na justiça. In I. Ghesti-Galvão & E. C. B. Roque (Comp.), Aplicação da lei em uma perspectiva interprofi ssional: Direito, Psicologia, Psiquiatria, Serviço Social e Ciências Sociais na prática jurisdicional (pp. 257-270). Brasília, DF: Lumen Juris.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
MendesJ. A. de A., & Bucher-MaluschkeJ. S. N. F. (2017). O Divórcio Destrutivo Inscrito no Ciclo de Vida Familiar e suas Implicações. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19491
Seção
Estudos Empíricos