Representações Sociais de Mulher Cigana entre População Não-Cigana Brasileira e Italiana

Ancoragem Psicológica e Social

  • Mariana Bonomo UFES
  • Giannino Melotti Università di Bologna / Italia
  • Monica Pivetti
Palavras-chave: Mulher cigana, Processos de ancoragem, Representações sociais

Resumo

Referenciados pela abordagem não consensual da Teoria das Representações Sociais, objetivou-se investigar os processos de ancoragem psicológica e social frente às representações sociais de mulher cigana. Participaram do estudo 643 sujeitos não ciganos, brasileiros e italianos, com idade média de 22.81 anos (DP= 5.73). Aplicando a análise de correspondência lexical, o processo de ancoragem psicológica indicou a formulação de oito clusters, que caracterizam diferentes representações, segundo as dimensões: mágico-religiosa, maternidade e cuidado com o grupo-família, exclusão social e figuras do feminino. Por meio da análise do processo de ancoragem social, verificou-se que variáveis como contato, sexo e nacionalidade atuam na modulação dessas diferentes representações sobre o objeto, produzindo ambiguidades que, historicamente, têm orientado processos de discriminação contra grupos ciganos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Bonomo, UFES

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (2005). Cursou o primeiro período do mestrado (2006) e teve passagem direta para o doutorado. Atualmente é aluna do Doutorado da Universidade Federal do Espírito Santo e participa da Rede de Estudos e Pesquisas em Psicologia Social (RedePSO - UFES). Tem experiência na área de Psicologia Social, com ênfase em Identidades Sociais e Relações Grupais, atuando principalmente nos seguintes temas: representações sociais, identidades sociais, ruralidade e etnia.

Monica Pivetti

Università di Chieti-Pescara / Italia

Referências

Almeida, A. M. O. (2009). Abordagem societal das representações sociais. Sociedade e Estado, 24(3), 713-737. doi: 10.1590/S0102-69922009000300005

Berti, C., Pivetti, M., & Di Battista, S. (2013). The ontologization of Romani: An italian study on the cross-categorization approach. International Journal of Intercultural Relations, 37(4), 405-414. doi:10.1016/j.ijintrel.2013.03.002

Bonomo, M., Souza, L., Melotti, G., & Palmonari, A. (2013). Princípios organizadores das representações de rural e cidade. Sociedade e Estado, 28(1), 91-118. doi: 10.1590/S0102-69922013000100006

Bonomo, M., Souza, L., Trindade, Z. A., Canal, F. D., Brasil, J.,Livramento, A. M., & Patrocínio, A. P. S. M. (2011). Mulheres ciganas: Medo, relações intergrupais e confrontos identitários. Universitas Psychologica, 10(3), 745-758.

Brasil - Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. (2013). Brasil cigano - Relatório Executivo I semana nacional dos povos ciganos. Retrieved from http://www.seppir.gov.br/comunidades-tradicionais/relatorio-executivo-brasil-cigano.pdf

Carvalho, N. C., Lima, M. E. O., Faro, A., & Silva, C. A. F. (2012). Representações sociais dos ciganos em Sergipe: Contato e estereótipos. Psicologia e Saber Social, 1(2), 232-244.

Ceneda, S. (2002). Romani women from central and eastern europe: A ‘fourth world’, or experience of multiple discrimination. Czech Republic/Poland/Romania: Asylum Aid.

Clémence, A., Doise, W., & Lorenzi-Cioldi, F. (1994). Prises de position et principes organisateurs des représentations sociales. In C. Guimelli (Ed.), Structures et transformations des représentations sociales (pp. 119-152). Neufchâtel, Suisse: Delachaux et Niestlé.

Curran, S. (2016). Intersectionality and human rights law: An examination of the coercive sterilisations of romani women. In The Equal Rights Review (pp. 132 – 159). Londres: Equal Rights Trust.

Deschamps, J-C., & Moliner, P. (2009). A identidade em psicologia social – Dos processos identitários às representações sociais. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Doise, W. (1982). L’explication en psychologie sociale. Paris: PUF (Presses Universitaires de France).

Doise, W. (1992). L’ancrage dans les études sur les représentations sociales. Bulletin de Psychologie, 45, 189-195.

Doise, W. (2002). La forza delle idee. Bologna: Il Mulino.

Doise, W. (2011). Sistema e metasistema. In A. M. O. Almeida, M. F. S. Santos, & Z. A. Trindade (Eds.), Teoria das representações sociais: 50 anos (pp. 123-156). Brasília: Technopolitik.

Doise, W., Clemence, A., & Lorenzi-Cioldi, F. (1992). Représentations sociales et analyses de données. Grenoble: PUG (Presses Universitaires de Grenoble).

Grabovschi, C. (2011). L’étude des représentations sociales de l’alimentation: Une approche développementale intégrative. Revista Educação e Cultura Contemporânea, 8(16), 1-20.

Hancock, I. (2008). The “gypsy” stereotype and the sexualization of romani women. In V. Glajar & D. Radulescu (Orgs.), “Gypsies” in european literature and culture (pp. 181-191). New York: Palgrave Macmillan.

Jodelet, D. (1999). Os processos psicossociais da exclusão. In B. B. Sawaia (Org.), As artimanhas da exclusão: Análise psicossocial e ética da desigualdade social (pp. 53-66). Petrópolis: Vozes.

Jodelet, D. (2015). Représentations sociales et mondes de vie (Textes édités par N. Kalampalikis). Paris: Editions des Archives Contemporaines.

Jovanović, J., Kóczé, A., & Balogh, L. (2015). Intersections of gender, ethnicity, and class: History and future of the romani women’s movement. Budapest: Central European University.

Laszlo, J. (1997). Narrative organisation of social representations. Papers on Social Representations, 6(2), 155-172.

Lebart, L., Morineau, A., Becue, M., & Haeusler, L. (1994). SPAD-T - Manuel de l’utilisateur. Saint-Mondé, France: Cisia – Centre International de statistique et d’informatique appliquées.

Lermo, J., Román, J., Marrodán, M.D., & Mesa, M.S. (2006). Modelos de distribución de apellidos en la población gitana española. Antropo, 13, 69-87.

Lima, M. E. O., Faro, A., & Santos, M. R. (2016). A desumanização presente nos estereótipos de índios e ciganos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(1), 219-228. doi: 10.1590/0102-37722016012053219228

Magano, O., & Mendes, M. M. (2014). Mulheres ciganas na sociedade portuguesa: Tracejando percursos de vida singulares e plurais. Revista Sures, 3, 1-15.

Marková, I. (2000). Des thêmata de base des représentations sociales du SIDA. In C. Garnier (Ed.), Les formes de la pensée sociale (pp. 55-77). Paris: Presses Universitaires de France.

Marková, I. (2006). Dialogicidade e representações sociais – As dinâmicas da mente. Petrópolis: Editora Vozes.

Mendes, M. M. (2015). Nos interstícios das sociedades plurais e desigualitárias: a situação social dos ciganos. In E. Martins, R. Fernandes, & S. Fonseca (Coords.), Modelos e projetos de inclusão social (pp. 32-41). Viseu: Escola Superior de Educação de Viseu.

Monacelli, N., Molinari, L., & Emiliani, F. (2007). Cerner les similitudes, composer avec les diff érences. Les droits de l’enfant en Italie et en Jordanie. Les Cahiers Internationaux de Psychologie Sociale, 1(73), 47-59. doi: 10.3917/cips.73.0047

Monaci, M. G., & Trentin, R. (2008). Gli alunni rom/sinti nella scuola media: Eff etti del contatto sull’atteggiamento etnico nelle classi multiculturali. Giornale Italiano di Psicologia, 4, 933-960. doi: 10.1421/28424

Moonen, F. (2011). Anticiganismo na Europa e no Brasil. Edição 3, digital revista e atualizada. Recife: Núcleo de Estudos Ciganos.

Moscovici, S. (2003). Representações sociais – Investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes.

Moscovici, S. (2009). Os ciganos entre perseguição e emancipação. Sociedade e Estado, 24(3), 653-678.

Moscovici, S. (2011). An essay on social representations and ethnic minorities. Social Science Information, 50, 442-461. doi: 10.1177/0539018411411027

Oprea, A. (2009). Intersectionality backlash: A romani feminist’s response. Budapest: European Roma Rights Centre.

Pérez, J. A., Moscovici, S., & Chulvi, B. (2002). Natura y cultura como principio de clasificación social - Anclaje de representaciones sociales sobre minorías étnicas. Revista de Psicología Social, 17(1), 51-67.

Pettigrew, T. F., & Tropp, L. R. (2006). A meta-analytic test of intergroup contact theory. Journal of Personality and Social Psychology, 90(5), 751-783. doi: 10.1037/0022-3514.90.5.751

Ram, M. H. (2014). Europeanized hypocrisy: Roma inclusion and exclusion in central and eastern Europe. Journal on Ethnopolitics and Minority Issues in Europe, 3(13), 15-44.

Rateau, P. (2004). Organizing principles and central core of social representations empirical hypothesis. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 56(1), 82-92.

Ravnbøl, C. I. (2010). The human rights of minority women: Romani women’s rights from a perspective on international human rights law and politics. International Journal on Minority and Group Rights, 17, 1-45. doi: 10.1163/157181110X12595859744123

Rimé, B., & Páez, D. (2014). Eventi emozionali collettivi e rappresentazioni sociali. In A. Palmonari & F. Emiliani (Eds.), Psicologia delle rappresentazioni sociali (pp. 95-122). Bologna: Il Mulino.

Shiraev, E. B., & Levy, D. (2015). Cross-cultural psychology: Critical thinking and contemporary applications. Routledge.

Sigona, N. (2006). Country profi le. In N. Sigona (Coord.), Political participation and media representation of Roma and sinti in Italy (pp. 5 – 8). Firenze: OsservAzione.

Teixeira, R. C. (2008). História dos ciganos no Brasil. Recife: Núcleo de Estudos Ciganos.

Tileagã, C. (2015). The nature of prejudice: Society, discrimination and moral exclusion. Abingdon: Routledge.

Publicado
2017-08-29
Como Citar
BonomoM., MelottiG., & PivettiM. (2017). Representações Sociais de Mulher Cigana entre População Não-Cigana Brasileira e Italiana. Psicologia: Teoria E Pesquisa, 33(1). Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/19487
Seção
Estudos Empíricos