Dis-moi pourquoi

Os processos de promoção da música ligeira em Belém

Palavras-chave: Música pianística, Música impressa, Música no Brasil

Resumo

O presente artigo tem o objetivo de revelar os processos de promoção da música pianística em Belém durante a virada do século XX. O problema de pesquisa se apresenta através das seguintes perguntas: Como a música impressa para piano era promovida em Belém? Quais ações eram implementadas na promoção desas partituras? O artigo foca na ação de certos sujeitos, buscando os objetivos do trabalho através da análise de anúncios e artigos de jornal, assim como de partituras impressas do período. O trabalho é orientado pelo modelo de estudo da música na cultura, proposto por Alan Merriam. Concluímos que ao longo dos anos foi utilizado o termo “novidades musicais” para designar a música ligeira e o repertório de música pianística em geral, que incluía gêneros musicais em voga, tais como a valsa, a polka, e o schottisch, assim como a existência de uma rede de relacionamento entre compositores, editores e redatores de jornais, em que sujeitos cooperavam em um sistema, de certo modo, de interdependência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Vieira Venturieri, Universidade Federal do Pará

Músico nascido em Belém, Pará no ano de 1980. É multi-instrumentista, compositor e Mestre em Artes. Em 2010 obteve o título de Especialista em Processos de Criação Musical (UFPA) e em 2014 o de Bacharelado em Música, com habilitação em Composição e Arranjo (UEPA). No ano de 2018, conquistou o título de Mestre em Artes, ao defender a dissertação: O Schottisch de Clemente Ferreira Júnior, sobre seu tataravô, compositor do século XIX em Belém. Atualmente, é doutorando em Artes pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e Instituto de Ciências da Arte (ICA). Em sua atuação musical, Leonardo Venturieri trabalha com escrita para música contemporânea, rock e música instrumental, além de criar trilhas sonoras para cinema, teatro e dança. Tem como instrumentos principais: guitarra elétrica, bandurra, viola toeira, violão, sintetizador e theremin.

Gilda Helena Gomes Maia, Universidade Federal do Pará

Doutoranda em Artes da Universidade Federal do Pará, com a pesquisa intitulada “Uirapurus Paraenses: atuações artísticas de Helena Nobre e Ulysses Nobre”.

Referências

“Alberto Frend & Comp”. 1983. A República. 825 edição. Disponível em http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/, acessado em 6 junho 2019.

“Alberto Frend & Comp.” 1894. Correio Paraense. 518 edição. Disponível em http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/, acessado em 6 junho 2019.

Castello Branco, Manuel. [1890?]. Rainha das Ondas. Op. 24, valsa para piano. Pará: José Mendes Leite.

_____. [1900?]. Madrigal. Op. 7. Schottisch para piano. Pará: Livraria Bittencourt.

_____. [1900?]. Nove de Julho. Op. 37. Passo-double para piano. Pará: José Mendes Leite.

_____. [1900?]. Zita. Op. 36. Schottisch para piano. Pará: José Mendes Leite.

_____. [1904?]. Dezesete de Dezembro. Op. 15. Schottisch para piano. Pará: Livraria Bittencourt.

_____. [1910?] Flores e risos. Op. 30. Schottisch para piano. Pará: José Mendes Leite.

_____. [1910?]. O Carnaval. Op. 25. Para piano. Pará: José Mendes Leite.

“Dis-moi Pourquoi”. 1890. A República. 61 edição. Disponível em http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/, acessado em 6 junho 2019.

Ferreira Junior, Clemente. [1890?]. Gavotte Républicaine. Pour piano. Pará: R. L. Bittencourt.

Ferreira Junior, Clemente. [1890?]. Quando o amor quer… Valsa para piano. Pará: Livraria Bittencourt.

_____ [1900?] Matintapêrêra. Valsa para piano. Pará: R. L. Bittencourt.

_____. [1900?]. Não posso amar. Schottisch para piano. Pará: José Mendes Leite.

_____. [1904?]. A Província do Pará. Valsa para piano. Pará: José Mendes Leite.

_____. [1904?]. Dezesete de Dezembro. Marcha para piano. Pará: José Mendes Leite.

_____. [1980?]. Qual a mais bella. Valsa para piano. Pará: José Mendes Leite.

“Flôr do Abacate”.1916. Estado do Pará. 2073 edição.

“Gavotte Republicaine”. 1890. A República. 22 edição. Disponível em http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/, acessado em 6 junho 2019.

Le Goff, Jacques. História e Memória. 4o ed. Campinas: Unicamp, [s.d.].

Merriam, Alan. 1964. The Anthropology of Music. Illinois: Northwestern University Press.

“Musicas (sic)”. 1916. Estado do Pará. 2059 edição. Disponível em http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/, acessado em 6 junho 2019.

Nettl, Bruno. 2005. The Study of Ethnomusicology: Thirty-one issues and concepts. Illinois: Urbana: University of Illinois.

Salles, Vicente. 1972. “Editoras de Música no Pará”. Revista Brasileira de Cultura.

———. 2007. Música e Músicos do Pará. 2o ed. Belém: Secult / Seduc / Amu-PA.

Santos, José Luiz dos. 1996. O Que é Cultura. 16o ed. 110. São Paulo: Brasiliense.

“Ultimas Novidades Musicaes (sic)” 1893. A República. 518 edição. Disponível em http://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/, acessado em 10 maio 2019.

Vieira, Lia, e Jusamara Souza. 2013. “Música em Belém do Pará: Um Estudo sobre Fontes Escritas.” In Trânsito entre Fronteiras na Música, 46. Belém: UFPA.

Publicado
2019-08-09
Como Citar
Venturieri, Leonardo, e Gilda Maia. 2019. Dis-Moi Pourquoi. Música Em Contexto 13 (1), 36-54. http://periodicos.unb.br/index.php/Musica/article/view/26586.
Seção
Artigos