Política Cultural e Unidades Culturais de Infocomunicação

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Marco Antonio de Almeida

Resumo

O tema do trabalho é a mediação cultural em espaços institucionais e os impactos proporcionados pelas Tecnologias de Informação e Comunicação (TICS) nesse processo. O texto analisa as políticas culturais em unidades de informação entendidas como espaços culturais. Parte inicialmente da discussão dos próprios termos “Unidades de Informação” e de “Centros Culturais”, considerando a hipótese de que a incorporação de concepções mais alargadas do conceito de cultura e a presença cada vez maior das TICs ampliam a convergência entre esses espaços. O foco concentra-se nas potencialidades de formação e de empoderamento cultural proporcionadas pelas políticas desenvolvidas por estas instituições. Nessa perspectiva, analisa os exemplos dos Pontos de Cultura, no Brasil, e o Sistema de Bibliotecas Públicas de Medellín, na Colômbia. Conclui que essas experiências permitem visualizar possibilidades de constituição de novas ações e cadeias de mediações da cultura, numa perspectiva muito mais dialógica que impositiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
AlmeidaM. A. de. (2017). Política Cultural e Unidades Culturais de Infocomunicação. Arquivos Do CMD, 5(1), 32-51. https://doi.org/10.26512/cmd.v5i1.8965
Seção
Artigos de Dossiês
Biografia do Autor

Marco Antonio de Almeida, Universidade de São Paulo

Doutor em Ciências Sociais, Livre-Docente em Ciência da Informação, Professor da FFCLRP-USP e do PPGCI-ECA/USP.

Referências

ALMEIDA, Marco A. Mediações da cultura e da informação: perspectivas sociais, políticas e epistemológicas. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação v. 1, no 1, 2008.
_____ Habermas e as apropriações culturais das TICs: rumo a ciberesferas públicas? Problemata: R. Intern. Fil. Vol. 03. No. 02, pp. 127-156, 2012.
_____. Políticas culturais e redes sociotécnicas: reconfigurando o espaço público. Revista Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, Vol. 50, N. 1, p. 54-64, jan/abr 2014.
AUGÉ, Marc. Não-lugares. Introdução a uma antropologia da supermodernidade. 3a. ed. Campinas: Papirus, 1994.
BENJAMIN, Walter. O Narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Obras Escolhidas vol. 1. São Paulo: Brasiliense, 1987b, p. 197-221.
BERGER, Peter & LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. Petrópolis (RJ): Vozes, 1974.
CASTELLS, Manuel. Internet e sociedade em rede. In: MORAES, Denis de (org.) Por uma outra comunicação: mídia, mundialização cultural e poder. Rio de Janeiro: Record, 2003b, p. 255-288.
CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. Petrópolis (RJ): Vozes, 1994.
CUNHA, Newton. Cultura e Ação Cultural. São Paulo: Edições SESC, 2010.
DAVALLON, Jean. A mediação: a comunicação em processo? Revista Prisma.Com, n. 4, 2007, p. 03-36.
GLEICK, James. A informação: uma história, uma teoria, uma enxurrada. São Paulo: Companhia das Letras, 2013
HABERMAS, Jürgen. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.
HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 22, nº2, p. 15-46, jul./dez.1997.
ISAR, Yudhishthir Raj. Políticas de cultura: questões para uma análise comparativa transnacional. In: LEITE, José Guilherme Pereira (org.) As malhas da cultura 2. Cotia (SP): Ateliê Editorial, 2013, p. 13-36.
LOGAN, Robert K. Que é informação? A propagação da organização na bisofera, n simbolosfera, na tecnosfera e na ecosfera. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.
LUHMANN, Niklas. Poder. Brasília: Editora da UNB, 1985.
MEDELLÍN, Alcadia. Laboratorio Medellín: catálogo de diez prácticas vivas. Medellín: Alcadía de Medellín/Mesa Editores, 2012.
MinC Ministério da Cultura. Pontos de Cultura. Disponível em http://www.cultura.gov.br/pontos-de-cultura1 . Acesso em 23/09/2014.
PIGNATARI, Décio. Informação Linguagem Comunicação. Cotia (SP): Ateliê Editorial, 2002.
SANTOS, Gildenir Carolino; RIBEIRO, Célia M. Acronicos, siglas e termos técnicos. Campinas: Átomo, 2003.
SHIRKY, C. Ontologias são superestimadas: categorias, links e etiquetas. Extralibris. Disponível em: http://extralibris.org/artigos-e-estudos/ontologias-sao-superestimadas-categorias-links-e-etiquetas Acesso em: 10 abr. 2015.
SILVA, Frederico Barbosa A. Cultura viva e o digital. In: SILVA, F. B. A.; CALABRE, L. (orgs.) Pontos de Cultura: olhares sobre o programa Cultura Viva. Brasília: IPEA, 2011, p. 13-59.
SILVA, F. A. B.; ARAÚJO, H. E. Cultura Viva: avaliação do Programa Arte Educação e Cidadania. Brasília: IPEA, 2010.
THOMPSON, John. A mídia e a Modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis (RJ): Vozes, 1998.
TOLILA, Paul. Cultura e economia. São Paulo: Itaú Cultural: Iluminuras, 2007.
VIANNA, Hermano. Internet e inclusão digital: apropriando e traduzindo tecnologias. In: Schwarcz, L. M.; Botelho. A. (orgs.) Agenda brasileira: temas de uma sociedade em mudança. São Paulo: Companhia das Letras, 2011, p. 314-323.
WARSCHAUER, Mark. Tecnologia e inclusão social: a exclusão digital em debate. São Paulo: Senac, 2006.
WAL, Thomas Vander. Folksonomy Coinage and Definition. Fevereiro/2007. Disponível em http://www.vanderwal.net/folksonomy.html
YÚDICE, George. A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte: UFMG, 2006.