(Re)lembrando Jango hoje: uma análise sociológica das memórias sobre João Goulart

Main Article Content

Barbara Goulart

Resumo

O objetivo do trabalho é analisar as memórias das esquerdas dos anos 1960 sobre a figura de João Goulart a partir de uma perspectiva sociológica. Para isso, são analisadas diversas entrevistas de história oral realizada nos últimos anos com militantes de esquerda do período em questão, incluindo membros do PCB e de grupos de luta armada. A partir da pesquisa, conclui-se que, ao longo das últimas décadas, essas memórias sofreram alterações significativas, sendo Goulart inicialmente considerado pelas esquerdas radicais um presidente excessivamente conciliador e hoje sendo visto como um líder democrático e bem-intencionado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Goulart, B. (2022). (Re)lembrando Jango hoje: uma análise sociológica das memórias sobre João Goulart. Sociedade E Estado, 37(02), 651–672. https://doi.org/10.1590/s0102-6992-202237020012
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Barbara Goulart, Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGSA/IFCS/UFRJ)

Pesquisadora de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGSA/IFCS/UFRJ). É doutora pela mesma instituição, com período sanduíche na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS), Paris, França

Referências

AARÃO REIS, Daniel. O governo Lula: das utopias revolucionárias à política como arte do possível. Revista USP, n. 65, p. 64-73, 2005.

CASTRO GOMES, Ângela; FERREIRA, Jorge. Jango: as múltiplas faces. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

CONWAY, Brian. New directions in the sociology of collective memory and commemoration. Sociology Compass, v. 4, n. 7, 2010.

COOLEY, Charles Horton. Social processes. New York: Scribner’s, 1927.

DELGADO, Lucília. O governo João Goulart e o Golpe de 1964: memória, história e historiografia. Tempo, v. 14, n. 28, 2010.

FERREIRA, Jorge. João Goulart: uma biografia. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

FINE, Gary Alan. Reputational entrepreneurs and the memory of incompetence: Melting supporters, partisan warriors, and images of president Harding. American Journal of Sociology, v. 101, n. 5, p. 1159-1193, 1996.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas - A esquerda brasileira. Das ilusões perdidas à luta armada. São Paulo: Ática, 1987.

GOULART, Barbara. Reflexões sociológicas sobre memória e política. Contemporânea - Revista de Sociologia da UFSCar, v. 10, n. 1, Jan.-Abr. 2020a.

GOULART, Barbara. O passado em disputa: memórias políticas sobre João Goulart. Tese (Doutorado em Sociologia) - Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020b.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice; Revista dos Tribunais, 1990.

JANSEN, Robert S. Resurrection and appropriation: reputational trajectories, memory work, and the political use of historical figures. American Journal of Sociology, V. 112, n. 4, 2007.

LÖWY, Michael; SAYRE, Robert. Revolta e melancolia: o romantismo na contramão da modernidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

MAGALHÃES, Mário. Marighella: o guerrilheiro que incendiou o mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

MATTOS, Marcelo Badaró. O governo João Goulart: novos rumos da produção historiográfica. Revista Brasileira de História, v. 28, n. 55, p. 245-263, 2008.

MONIZ BANDEIRA, Luiz Alberto. O governo João Goulart: as lutas sociais no Brasil, 1961-1964. 7. ed., Rio de Janeiro; Brasília: Revan; Editora UnB, 2001 [1977].

MOON, Claire. Narrating political reconciliation: South Africa’s truth and reconciliation commission. Lanham, MD: Lexington Books, 2008.

______. Narrating political reconciliation: truth and reconciliation in South Africa. Social & Legal Studies, v. 15, n. 2, 2006.

MORAES FERREIRA, Marieta (Org.). João Goulart: entre a memória e a história. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

OLICK, Jeffrey K. Genre memories and memory genres: a dialogical analysis of May 8, 1945 commemorations in the Federal Republic of Germany. American Sociological Review, v. 64, n. 3, p. 381-402, 1999.

OLICK, Jeffrey K.; LEVY, Daniel. Collective memory and cultural constraint: Holocaust myth and rationality in German politics. American Sociological Review, v. 62, n. 6, p. 921-936, 1997.

OLICK, Jeffrey K.; ROBBINS, Joyce. Social memory studies: from “collective memory” to the historical sociology of mnemonic practices. Annual Review of Sociology, v. 24, p. 105-140, 1998.

OLICK, Jeffrey K.; VINITZKI-SEROUSSI, Vered; LEVY, Daniel. The collective memory reader. New York: Oxford University Press, 2011.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos Históricos, v. 2, n. 3, 1989.

PORTELLI, Alessandro. O massacre de Civitella Val di Chiana: mito, política, luto e senso comum. In: MORAES FERREIRA, Marieta; AMADO, Janaína (Orgs.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV 1996.

PRADO JÚNIOR, Caio. A revolução brasileira. A questão agrária no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

RICŒUR, Paul. La mémoire, l’histoire, l’oubli. Paris: Les Éditions du Seuil, 2000.

RIDENTI, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. 2. ed. São Paulo: Editora Unesp, 2010.

SANTOS, Myrian Sepúlveda dos. Memória e ditadura militar: lembrando as violações de direitos humanos. Tempo Social, v. 33, n. 2, 2021.

THOMSON, Alistair. Recompondo a memória: questões sobre a relação entre história oral e as memórias. Projeto História, v. 15, 1997.

VITERNA, Jocelyn. Negotiating the muddiness of grassroots field research: managing identity and data in rural El Salvador. In: HUGGINS, Martha. K.; GLEBBEEK, Marie-Louise (Orgs.) Women fielding danger. Lanham, MD: Rowman & Littlefield, 2009.

WEFFORT, Francisco. O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978 [1968].