Atenção primária à saúde como estratégia de desenvolvimento econômico pós-pandemia na Ceilândia-DF

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/gs.v12i01.35385

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Gastos em Saúde, Gasto Catastrófico, Análise Custo-Benefício, COVID-19

Resumo

Neste ensaio teórico buscou-se refletir sobre como ações emergenciais e estratégicas do Sistema Único de Saúde de enfrentamento ao novo coronavírus podem alicerçar a reconstrução da economia no pós-pandemia. Tomou-se como base neste exercício a Região Administrativa da Ceilândia, no Distrito Federal (DF): região mais populosa do DF, de renda média/baixa, com economia baseada em serviços, foi bastante afetada economicamente com as medidas de isolamento social e apresentou grande número de casos e mortes por COVID-19. A Ceilândia tem recebido investimentos importantes em novos leitos hospitalares e mais profissionais para o nível terciário, embora a Atenção Primária à Saúde seja sabidamente mais custo-efetiva para a organização de sistemas de saúde e capaz de economizar preciosos recursos das famílias com gastos em saúde no setor privado, sobretudo num cenário de grande retração da massa salarial. Conclui-se que investimentos na qualificação da rede primária já instalada e sua expansão são estratégias potentes para o desenvolvimento econômico da Ceilândia no pós-pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Waldemir de Albuquerque Costa, Secretaria de Saúde do Distrito Federal

Médico. Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Feira de Santana ”“UEFS. Especialista em Medicina de Família e Comunidade pela Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade ”“SBMFC. Supervisor acadêmico do Grupo Especial de Supervisão doPrograma Mais Médicos no Amazonas ”“GES/PMM/AM. Médico da Estratégia Saúde da Família da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal ”“SES/DF.

Victor Rocha Santana, Universidade do Estado da Bahia

Médico; Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS); Professor de Medicina de Família e Comunidade da Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Natalia de Campos Carvalho, Ministério da Educação/Grupo Especial de Supervisão do Programa Mais Médicos no Amazonas

Médica; Mestranda em Saúde da Família da Universidade Federal de São Paulo ”“UNIFESP. Especialista em Medicina de Família e Comunidade pela Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro ”“PRMFC/SMSDC/RJ. Supervisora acadêmica do Grupo Especial de Supervisão do Programa Mais Médicos no Amazonas ”“GES/PMM/AM

Pedro Alexandre Barreto Coelho, Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal

Médico. Especialista em Medicina de Família e Comunidade pela Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro ”“PRMFC/SMSDC/RJ. Residência em Medicina Paliativa no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo”“HC/FMUSP. Preceptor da Residência em Medicina de Família e Comunidade e Médico da Estratégia Saúde da Família da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal ”“SES/DF.

Referências

Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Boletins Informativos DIVEP/SVS – COVID-19. Informes sobre a doença pelo Coronavirus (COVID-19). [citado 2021abr. 05]. Disponível em: http://www.saude.df.gov.br/boletinsinformativos-divep-cieves/

Pesquisadores associados. Observatório PrEpidemia. Boletim COVID-19 DF-17. Situação e Cenários da pandemia de COVID-19 no âmbito do Distrito Federal. 29/dez/2020. [citado 2021abr. 05]. Disponível em: https://www.prepidemia.org/

Carvalho LB. Curto-circuito: o vírus e a volta do Estado. 1. ed. São Paulo: Todavia, 2020.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Carta de Conjuntura nº50 – 1º trimestre de 2021. Brasília, 2021. [citado 2021abr. 05]. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=37494&Itemid=3

Boing AC, Bertoldi AD, Posenato LG, Peres KG. The influence of health expenditures on household impoverishment in Brazil. Rev Saude Publica. 2014;48(5):797–807.

Starfield B. Atenção primária: equilibrio entre necessidade de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO: Ministério da Saúde, 2002. 726p.

Kringos D, Boerma W, Bourgueil Y, Cartier T, Dedeu T, Hasvold T, et al. The strength of primary care in Europe: an international comparative study. Br J GenPract. 2013 Nov;63(616):e742-50.

Macinko J, Mendonça CS. Estratégia Saúde da Família, um forte modelo de Atenção Primária à Saúde que traz resultados. Saúde em Debate. 2018;42(spe1):18–37.

Daumas RP, Azevedo e Silva G, Tasca R, da Costa Leite I, Brasil P, Greco DB, et al. The role of primary care in the Brazilian healthcare system: Limits and possibilities for fighting COVID-19. Cad SaudePublica. 2020;36(6).

Moraz G, Garcez A da S, de Assis EM, dos Santos JP, Barcellos NT, Kroeff LR. Estudos de custo-efetividade em saúde no Brasil: Uma revisão sistemática. Cienc e Saude Coletiva. 2015;20(10):3211–29.

Companhia de Planejamento do Distrito Federal. Boletim COVID-19. [citado2021 abr. 05]. Disponível em: http://www.codeplan.df.gov.br/boletim-covid-19/

Secretaria de Saúde do Distrito Federal. Plano Distrital de Saúde 2020-2023. Brasília, 2019.

Figueiredo JO, Prado NM de BL, Medina MG, Paim JS. Gastos público e privado com saúde no Brasil e países selecionados. Saúde em Debate. 2018;42(spe2):37–47.

Xu K, Evans DB, Kawabata K, Zeramdini R, Klavus J, Murray CJL. Household catastrophic health expenditure: a multicountry analysis. Lancet. 2003;362(9378):111-7.

Guanais FC. The Combined Effects of the Expansion of Primary Health Care and Conditional Cash Transfers on Infant Mortality in Brazil, 1998–2010. Am J Public Health. 2013;103:2000–2006.

Sousa RP, Rasella D, Carepa-Sousa J. Política econômica e saúde pública: equilíbrio fiscal e bem-estar da população. Saúde em Debate. 2018;42(spe3):172–82.

Miclos PV, Calvo MCM, Calvo M, Colussi CF. Avaliação do desempenho das ações e resultados em saúde da atenção básica. RevSaude Publica. 2017;51:1–10.

Shimizu HE, Ramos MC. Avaliação da qualidade da estratégia saúde da família no Distrito Federal. Rev. Bras. Enferm. 2019 Abr; 72( 2 ): 367-374.

Oliveira AF, Marchi ACB, Leguisamo CP, Baldo GV, WawginiakTA. Estimativa do custo de tratar o pé diabético, como prevenir e economizar recursos. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(6):1663-71.

Downloads

Publicado

29-04-2021

Como Citar

1.
de Albuquerque Costa W, Rocha Santana V, de Campos Carvalho N, Barreto Coelho PA. Atenção primária à saúde como estratégia de desenvolvimento econômico pós-pandemia na Ceilândia-DF. Rev. G&S [Internet]. 29º de abril de 2021 [citado 7º de dezembro de 2021];12(01):119-30. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/35385