Organização social, acesso a equipamentos sociais e políticas ambientais e de financiamento

desafios da região rural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/gs.v12i01.29452

Palavras-chave:

políticas de saúde, atenção básica, estimativa rápida participativa

Resumo

Esta investigação teve por objetivo analisar a organização social, o acesso a equipamentos sociais e a políticas de distribuição de recursos financeiros, em uma região rural pertencente à área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família (USF), na perspectiva de informantes-chave. Os membros das associações de moradores e trabalhadores da Equipe de Saúde da Família foram os participantes deste trabalho. Utilizou-se a entrevista semiestruturada como instrumento para a coleta de dados. Empregou-se a análise de conteúdo, por modalidade temática. Esse processo permitiu definir três temas, a saber, a organização social em processo, a distribuição ineficaz de recursos financeiros e limites e possibilidades no acesso a equipamentos sociais. Esta pesquisa permitiu que os estudantes de enfermagem e medicina vivenciassem, antecipadamente, quanto à grade curricular, a organização e funcionamento da atenção básica de saúde, em especial, ao que se refere ao cuidado aos moradores de uma região rural pertencente à área de abrangência de uma USF. Também possibilitou aos estudantes a apreensão das necessidades de saúde dessas pessoas, ampliou a necessidade de atenção das equipes e gestores na promoção do cuidado, na perspectiva da integralidade, e contribui para o enriquecimento das discussões sobre esses temas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Vasconcelos RNC, Ruiz EM. Formação de médicos para o SUS: a Integração Ensino e Saúde da Família (Revisão Integrativa). Revista brasileira de educação médica. 2015; 72(4):630-638.

Parente, AJM, Santos, LP, Rezende, KTA, Ferreira, MEMC, Berto, MR. A região rural do território de uma USF: organização social, distribuição de recursos, equipamentos sociais e política ambiental. In: anais do 8º Congresso Ibero-americano em Investigação Qualitativa, 2019, jul. 16-19, Portugal.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual Instrutivo para as Equipes de Atenção Básica e NASF. Brasília, 2017.

Prado EV, Sarmento DS & Costa LJA. O diálogo como estratégia de promoção de participação popular no sus. Rev APS. 2015;18(4):424-429.

Garnelo L, Lima JG, Rocha ESC, Herkrath FJ. Acesso e cobertura da Atenção Primária á Saúde para populações rurais e urbanas na região norte do Brasil, Rio de Janeiro, Brasil. Revista Saúde Debate, v.42, número especial 1, p.81-99, 2018.

Oliveira AR. O trabalho do enfermeiro na atenção primária à saúde rural no Brasil [tese]. Belo Horizonte: Escola de enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais; 2019.

Brasil. Lei 10.406, de 10 de Janeiro de 2002. Dispõe sobre organização social. Diário Oficial da União; Brasília-DF; 11 jan.2002.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal; 1988.

Associação Brasileira De Normas Técnicas. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro. 2015.

Prefeitura Municipal de Marília - Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural, Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Marília, Casa da Agricultura de Marília. Plano de Desenvolvimento Rural Sustentável 2017-2020. Diário Oficial do Município de Marília; 2018. Disponível em: https://www.marilias.grupoinstar.com.br/arquivos/final-plano-municipal-prefeitura_08041541.pdf.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [internet]. Portal Cidades. Brasil. [Citado em 3 jun.2020]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/panorama.

Prefeitura de Marília [internet]. Dados de Marília. [Citado em 3 jun 2020]. Disponível em: https://www.marilia.sp.gov.br/portal/servicos/1002/dados-de-marilia/

Tancredi FB, Barrios SRL, Ferreira JHG. Planejamento em Saúde. Serie Saúde e Cidadania. São Paulo, Editora Fundação Peirópolis 1998; 2:1-82.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo, Hucitec; 2014.

Lima FA, Galimbertti PA. Sentidos da participação social na saúde para lideranças comunitárias e profissionais da Estratégia Saúde da Família do território de Vila União, em Sobral-CE. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2016; 26(1):157-175.

Brasil. Ministério da Saúde. Organização Pan-Americana da Saúde. Financiamento Público de Saúde. Brasília; 2013.

Mendes Á. A saúde pública brasileira no contexto da crise do Estado ou do capitalismo? Saúde e Sociedade. 2015; 24(Suppl. 1):66-81.

Augusto M. Comunidade infantil creche. 2ª ed. Guanabara Koogan: Rio de janeiro; 1985.

Brasil. PNUD, IPEA, FJP, IBGE. Desenvolvimento Humano e condições de vida: Indicadores Brasileiros, Brasília; 1998.

Santos Lenir. SUS-30 anos: um balanço incômodo?. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2018 Jun [citado em 05 Jun/20] ; 23( 6 ): 2043-2050.

Oliveira AR, Sousa YG, Diniz IVA, Medeiros SM, Martiniano C, Alves M. The daily routine of nurses in rural areas in the Family Health Strategy. Rev Bras Enferm. 2019;72(4):918-25.

Downloads

Publicado

29-04-2021

Como Citar

1.
Pereira Santos L, Machado Parente AJ, De Matos Catuta Ferreira ME, Rodrigo Berto M. Organização social, acesso a equipamentos sociais e políticas ambientais e de financiamento: desafios da região rural. Rev. G&S [Internet]. 29º de abril de 2021 [citado 7º de dezembro de 2021];12(01):36-52. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/29452

Edição

Seção

Artigos Originais