Vivendo como uma Lésbica

Autores

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BILGI, Sirma; COLLINS, Patricia Hill. Interseccionalidade. Tradução: Rene Souza. São Paulo-SP: Boitempo, 2021.

CLARKE, Cheryl. Vivendo como uma Lésbica. Tradução: Cecília Floresta. Rio de Janeiro- RJ: A Bolha, 2021.

EVARISTO, Conceição. Becos da Memória. Rio de Janeiro-RJ: Pallas, 2018.

FRAZER, Nancy. O velho está morrendo e o novo não pode nascer. Tradução de Gabriel Landi Fazzio. São Paulo: Autonomia Literária, 2020.

FRANTZ, Fanon. Peles Negras, Máscaras Brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador-BA: EDUFBA,2008.

hooks, bell. Erguer a Voz: pensar como feminista, pensar como negra. Tradução de Cátia Boicaiuva Maringolo. São Paulo-SP: Elefante, 2018.

HURSTON, Zora. O que os editores brancos não publicarão. In: Ayé: Revista de Antropologia, BA. v.1, n.1, p. 102-111 2019. Disponível em: https://revistas.unilab.edu.br/index-.php/Antropologia/article/download/288/141. Acesso em: 27 jul. 2022.

NASCIMENTO, Tatiana; BOTELHO Denise. Sinais de luta, sinais de triunfo: Traduzindo a poesia lésbica negra de Cheryl Clarke. In: Revista Língua e Literatura. SC. v.15, n.24, p.50-72, 2013. Disponível em: http://periodicos.fw.uri.br/index.php/revistalinguaeliteratura/

article/view/871/0. Acesso em: 02 fev. 2022.

Downloads

Publicado

12/16/2022

Como Citar

RODRIGUES BATISTA, Hellen. Vivendo como uma Lésbica. Pós - Revista Brasiliense de Pós-Graduação em Ciências Sociais, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 57–60, 2022. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/revistapos/article/view/46181. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

Caderno Virgínia Bicudo