FISSURAS DECOLONIAIS: TRAUMA COLONIAL, FILOSOFIAS E ENSINO

DOI:

https://doi.org/10.26512/resafe.v2i34.35135

Palavras-chave:

Decolonialidade, Ensino de Filosofia, Trauma Colonial, Racismo/Sexismo Epistêmico

Resumo

Esse texto propõe uma reflexão acerca das feridas da colonialidade, especialmente o racismo, o sexismo e o complexo de inferioridade, e suas marcas na concepção hegemônica ocidental de filosofia, seu cânone, suas práticas e ensino, foco último da investigação nesse escrito. O objetivo, após o reconhecimento deste modelo hegemônico e sua crítica, é apresentar outras possibilidades de conceber a atividade filosófica, seu cânone e sua prática educativa, a partir da criação de fissuras decoloniais. Concepções de filosofia e ensino baseadas nos princípios da democracia, diversidade, horizontalidade, criatividade, que promovam a equidade étnica, de gênero, sexualidade, entre os seres em geral, pessoas, territórios, culturas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, C. “Quatorze anos de desigualdade: mulheres na carreira acadêmica de Filosofia no Brasil entre 2004 e 2017”. Cadernos de Filosofia Alemã: Crítica e Modernidade, 24(1), 13-33, 2019. https://doi.org/10.11606/issn.2318- 9800.v24i1p13-33

BANIWA, G. (2006). O Ãndio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília, DF: Ministério da Educação. (Coleção Educação para Todos).

BENTO, M. “Branqueamento e branquitude no Brasil”, em: Psicologia social do racismo - estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. CARONE, Iray; BENTO, Maria Aparecida (org.) Petrópolis/RJ: Vozes, 2002.

DAVIS, A. Mulheres, cultura e política. São Paulo: Boitempo, 2017.

DE OTO, Al; CATELLI, L. “Sobre colonialismo interno y subjetividad: notas para un debate”. Tabula Rasa. Bogotá - Colombia, No.28, enero-junio 2018, p. 229-255. Doi: https://doi.org/10.25058/20112742.n28.10

DOMÊNICO, D; MIRANDA, T.; MAMA; BOLA, M; OLIVEIRA, R; FIRMINO, D; CUÃCA, M; MÁXIMO, L. Histórias para ninar gente grande. Rio de janeiro: samba-enredo da G.R.E.S. Estação Primeira de MANGUEIRA, 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v= JMSBisBYhOE

DUSSEL, E. “Europa, modernidad y eurocentrismo”, em: LANDER, Edgardo (coord). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2000.

EVARISTO, C. “Gênero e etnia: uma escre(vivência) de dupla face.” Em: MOREIRA, Nadilza Martins de Barros; SCHNEIDER, Liane (Org.). Mulheres no mundo: etnia, marginalidade e diáspora. João Pessoa: Ideia /Editora Universitária UFPB, 2005.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis/RJ: Vozes, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GOMES, N. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

GONZALEZ, L. Primavera para as rosas negras. Lélia Gonzalez em primeira pessoa… São Paulo: UCPA/Diáspora Africana, 2018.

GONZALEZ, L. Manifestação em homenagem a Zumbi dos Palmares, em 20 de novembro de 1988. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=BFnvKcsLqJI

GROSFOGEL, R. “A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI”. Revista Sociedade e Estado, volume 31,número 1, Janeiro-Abril/2016.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: editora WMF/Martins Fontes, 2017.

KAFURENGÁ, Mam’etu (SANTOS, M.) Pedagogia do terreiro: experiências da primeira escola de religião e cultura de matriz africana do baixo sul da Bahia ”“ Escola Caxuté. Simões Filho [BA]: Kalango, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação. Episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

KOPENAWA, D; ALBERT, B. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRENAK, A. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

LUGONES, María. “Rumo a um feminismo descolonial”. Estudos Feministas, Florianópolis, 22(3): p.935-952, set-dez/2014.

MEMMI, A. Retrato do colonizado precedido de Retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

NOGUERA, R. O ensino de filosofia e a lei 10.639. Rio de Janeiro: Pallas; Biblioteca Nacional, 2014.

QUIJANO, A. “Colonialidade do poder e classificação social”. em: SOUZA SANTOS, Boaventura; MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010, p.84-130.

SOARES, E. “Exú nas escolas”, em: Deus é mulher. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Kw9ke8zt7XA

SODRÉ, M. Pensar Nagô. Petrópolis: Vozes, 2017.

WALSH, C. “Interculturalidad crítica, pedagogía decolonial”. Em: VILLA, W.; GRUESO, A. (org.) Diversidad, interculturalidad y construcción de ciudad. Bogotá: Universidad Pe-dagógica Nacional/Alcadía Mayor, 2008.

Downloads

Publicado

2020-11-12

Como Citar

FISSURAS DECOLONIAIS: TRAUMA COLONIAL, FILOSOFIAS E ENSINO. (2020). Revista Sul-Americana De Filosofia E Educação (RESAFE), 2(34), 110–126. https://doi.org/10.26512/resafe.v2i34.35135

Edição

Seção

Dossiê: "VI Encontro do GT Filosofar e Ensinar a Filosofar"