O que pode o corpo? Horizontes da arte política em Jacques Rancière

Autores

  • Pedro Caetano Eboli Nogueira Doutorando em Design: Comunicação, Cultura e Artes. PUC-Rio

DOI:

https://doi.org/10.26512/mgraph.v2i1.1055

Palavras-chave:

Subjetivação, Política da estética, Corpo, Arte

Resumo

Compreendendo o falimento do sonho emancipatório moderno e das formas políticas de contraposição ao Estado, partimos de uma reflexão sobre as potências políticas do corpo na filosofia de Jacques Rancière. Se, desde Foucault, compreendemos que o poder é uma força imanente que pilota desde dentro a vitalidade humana, indagamos de que formas a arte pode engendrar um súbito debandar de sentidos e sensações, provocando deslocamentos e rachaduras no metal sem soldas que une os sujeitos a si mesmos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Caetano Eboli Nogueira, Doutorando em Design: Comunicação, Cultura e Artes. PUC-Rio

Pedro Caetano Eboli é designer, mestre em Design e Sociedade pelo Programa de Pós-graduação em Design da PUC-Rio, onde atualmente cursa o doutorado. Sua pesquisa aborda o diálogo entre design, urbanismo, intervenções urbanas, modos de subjetivação e política da estética. Integrante do LaRS - Laboratório de Representação Sensível,  grupo marcado pela transdisciplinaridade, pelas atuações micropolíticas em coletivos e grupos sociais, entendendo o design como ferramenta e como forma de atuação política.

Referências

BARTHES, Roland. Aula: aula inaugural da Cadeira de Semiologia Literária do Colégio de França. São Paulo: Cultrix, 2013.

BARTHES, Roland. Mitologias. Rio de Janeiro: Difel, 2003.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

EAGLETON, Terry. A Ideologia da estética. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade II: o uso dos prazeres. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

FOUCAULT, Michel. Omnes et singulatim: por uma crítica da 'razão política'. Novos Estudos Cebrap, 26: 77-99, 1990.

FOUCAULT, Michel. “Qu’est-ce que la critique? Critique et Aufklärung”. Bulletin de la Société française de philosophie, Vol. 82, no 2, pp. 35 ”“ 63, avr/juin 1990b. Tradução de Gabriela Lafetá Borges e revisão de Wanderson Flor do Nascimento.

FOUCAULT, Michel. “O sujeito e o poder”. In: DREYFUS, Hubert & RABINOW, Paul. Michel Foucault, Uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitaria,1995.

GUATTARI, Félix. Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo: Brasiliense, 1981.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

LEPECKI, André. “Coreopolítica e coreopolícia” In: ILHA, v. 13, n. 1, p. 41- 60, jan./jun. 2012.

RANCIÈRE, Jacques. “O dissenso”. In: A crise da razão. Adauto Novaes (Org.). São Paulo: Companhia das Letras, 1996a.

RANCIÈRE, Jacques. O Desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Ed. 34, 1996b.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34, 2009.

RANCIÈRE, Jacques. Dissensus: on politics and aesthetics. Londres: Continuum, 2010.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

Downloads

Como Citar

Nogueira, P. C. E. (2017). O que pode o corpo? Horizontes da arte política em Jacques Rancière. METAgraphias, 2(1). https://doi.org/10.26512/mgraph.v2i1.1055
Bookmark and Share