Argument structure alternations in Tenetehára language (Tupí-Guaraní)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/rbla.v15i1.49958

Palavras-chave:

Noun Incorporation

Resumo

Este artigo tem por objetivo descrever três processos diferentes de alternância argumental na língua Tenetehára (Tupí-Guaraní). O primeiro é um processo de incorporação nominal sem diminuição de valência. A segunda construção analisada aqui é a voz antipassiva. Mostramos que um verbo transitivo pode ser “antipassivizado” quando o morfema {-pur(u)} é juntado a ele. Além disso, argumentamos que as construções antipassivas não se restringem às línguas ergativas. Por fim, o terceiro fenômeno analisado é o aumento da valência, que ocorre por meio do morfema aplicativo {-er(u)}. Com base na proposta de Pylkkänen (2002, 2008), Vieira (2001, 2010) e Camargos (2017, 2020), afirmamos que esse morfema é a instanciação de um núcleo aplicativo alto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Bárbara Rocha, Universidade Federal de Minas Gerais

Bacharel, mestre e doutoranda em Linguística Teórica e Descritiva pela Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiência na área de Linguística, com
ênfase em Linguística Teórica e Descritiva, atuando principalmente nos seguintes temas: sociolinguística (previamente), e sintaxe formal (atualmente). Tem
interesse em português dialetal, línguas bantu, línguas indígenas brasileiras, e, sobretudo, questões de estrutura argumental. Desenvolve pesquisas atualmente
relacionadas à relação entre alternâncias de estrutura argumental (ou alternâncias de valência) e a
codificação da estrutura informacional.

Referências

Aldridge, Edith. 2012. “Antipassive and Ergativity in Tagalog.” Lingua 122 (3): 192–203.

Allen, Shanley EM. 1988. “Noun Incorporation in Eskimo: Postpositions and Case Marking.” Cahiers Linguistiques de McGill 5 (2): 1–39.

Baker, Mark C. 1988. Incorporation: A Theory of Grammatical Function Changing. Chicago: University of Chicago Press.

Blight, Ralph Charles. 2004. “Head Movement, Passive, and Antipassive in English.” The University of Texas at Austin.

Boudin, Max H. 1963. O Simbolismo Verbal Primitivo. Ciências Sociais. São Paulo: Presidente Prudente: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Presidente Prudente: Departamento de Publicações.

Bueno, Francisco da Silveira. 1998. Vocabulário Tupi-Guarani, Português. São Paulo: Éfeta.

Cabral, Ana Sueli Arruda Câmara. 2001. “O Desenvolvimento Da Marca de Objeto de Segunda Pessoa Plural Em Tupí-Guaraní.” In Estudos Sobre Línguas Indígenas, edited by Aryon Dall’Igna Rodrigues and Ana Sueli Arruda Câmara Cabral, 1st ed., 1:117–45. Belém: Gráfica Universitária/UFPA.

Camargos, Quesler Fagundes. 2013. “Estruturas Causativas Em Tenetehára: Uma Abordagem Minimalista.” Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

———. 2017. “Aplicativização, Causativização e Nominalização: Uma Análise Unificada de Estruturas Argumentais Em Tenetehára-Guajajára (Família Tupí-Guaraní).” Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

———. 2020. “As Propriedades Sintáticas Do Aplicativo Na Língua Tenetehára-Guajajára (Tupí-Guaraní).” Revista Diadorim 22 (2): 87–112.

Castro, Ricardo Campos. 2007. “Interface Morfologia e Sintaxe Em Tenetehára.” Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

———. 2010. “Personal Archive.” Unpublished. Belo Horizonte.

Davies, William D. 1983. “10 Antipassive: Choctaw Evidence for a Universal Characterization.” Studies in Relational Grammar 2 2: 331.

De Vries, Mark. 2002. The Syntax of Relativization. Netherlands Graduate School of Linguistics.

Dixon, Robert MW. 1994. Ergativity. Cambridge: Cambridge University Press.

Duarte, Fábio Bonfim. 2007. Estudos de Morfossintaxe Em Tenetehára. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG.

———. 2012a. “O Que Difere Uma Língua Ergativa de Uma Língua Nominativa?” Revista de Estudos Da Linguagem 20 (2): 269–308.

———. 2012b. “Tenetehára: A Predicate-Fronting Language.” Canadian Journal of Linguistics/Revue Canadienne de Linguistique 57 (3): 359–86.

Duarte, Fábio Bonfim, and Ricardo Campos Castro. 2010. “Incorporação Nominal, Inergatividade e Estrutura Causativa Em Tenetehára.” Línguas e Culturas Tupí 2.

Foley, William A, and Robert D Van Valin. 1985. “Information Packaging in the Clause.” Language Typology and Syntactic Description 1: 282–364.

Franchetto, Bruna. 1990. “A Ergatividade Kuikuro (Karibe): Algumas Propostas de Análise.” Cadernos de Estudos Linguísticos 18: 57–77.

Givón, Talmy. 1984. Syntax - a Functional-Typological Introduction. Amsterdam: John Benjamins.

Hale, Ken, and Samuel Jay Keyser. 1993. “On Argument Structure and the Lexical Expression of Syntactic Relations.” In The View from the Building 20, edited by Ken Hale and Samuel Jay Keyser, 312–27. Cambridge: MIT Press.

———. 2002. Prolegomenon to a Theory of Argument Structure. MIT press.

Harrison, Carl. 1986. “Verb Prominence, Verb Initialness, Ergativity and Typological Disharmony in Guajajara.” In Handbook of Amazonian Languages, 1:407–39. Berlin: Mouton de Gruyter.

———. 2007. “Personal Archive.” Unpublished. North Carolina.

Heath, Jeffrey. 1976. “Antipassivization: A Functional Typology.” In , 2:202–11.

Herslund, Michael. 1997. “Passive and Antipassive in a Functional Description of French Reflexive Verbs.” HERMES-Journal of Language and Communication in Business, no. 19: 75–92.

Lacadena, Alfonso. 2000. “Antipassive Constructions in the Maya Glyphic Texts.” Written Language & Literacy 3 (1): 155–80.

Lazard, Gilbert. 1989. “Transitivity and Markedness: The Antipassive in Accusative Languages.” In Markedness in Synchrony and Diachrony, 39:309–31. Trends in Linguistics: Studies and Monographs. Berlin: Mouton de Gruyter.

Lidz, Jeffrey L. 1996. “Dimensions of Reflexivity.” Delaware: University of Delaware.

Marantz, Alec. 1997. “No Escape from Syntax: Don’t Try Morphological Analysis in the Privacy of Your Own Lexicon.” University of Pennsylvania Working Papers in Linguistics 4 (2): 14.

Navarro, Eduardo de Almeida. 2012. “Recensão Crítica à: Fonologia e Gramática Do Nheengatú: A Língua Geral Falada Pelos Povos Baré, Warekena e Baniwa.” Língua e Literatura, no. 30.

Palmer, Frank Robert. 1994. Grammatical Roles and Relations. Cambridge: Cambridge University Press.

Polinsky, Maria. 2005. “Antipassive Constructions.” In The World Atlas of Language Structures, edited by Martin Haspelmath, Matthew S Dryer, David Gil, and Bernard Comrie. Oxford: Oxford University Press.

Postal, Paul M. 1977. “Antipassive in French.” Lingvisticae Investigationes 1 (2): 333–74.

Pylkkänen, Liina. 2002. “Introducing Arguments.” Cambridge: MIT.

———. 2008. Introducing Arguments. Vol. 49. Cambridge: MIT press.

Rodrigues, Aryon Dall’Igna. 1985. “Relações Internas Na Família Lingüística Tupí-Guaraní.” Revista de Antropologia 27/28: 33–53.

———. 1990. “You and I= Neither You nor I: The Personal System of Tupinambá.” In Amazonian Linguistics: Studies in Lowland South American Languages, edited by D. L. Payne, 393–405. Austin: University of Texas Press.

Seki, Lucy. 2000. Gramática Do Kamaiurá: Língua Tupí-Guaraní Do Alto Xingu. Campinas: Editora da Unicamp.

Silverstein, Michael. 1976. “Hierarchy of Features and Ergativity.” In Grammatical Categories in Australian Languages, edited by R. M. W Dixon, 112–71. Camberra: Australian Institute of Aboriginal Studies.

Spencer, Andrew. 1991. Morphological Theory: An Introduction to Word Structure in Generative Grammar. Cambridge, MA: Blackwell Editor.

Vieira, Márcia Maria Damaso. 2001. “A Natureza Transitiva Das Sentenças Possessivas Em Mbyá-Guarani.” In Des Noms et Des Verbes En Tupi-Guarani: État de La Question, edited by Francisco Queixalós, 67–86. München: Lincom.

———. 2010. “Os Núcleos Aplicativos e as Línguas Indígenas Brasileiras.” Revista de Estudos Da Linguagem Da Faculdade de Letras Da UFMG 18 (1): 141–64.

Whaley, Lindsay J. 1996. Introduction to Typology: The Unity and Diversity of Language. New York: SAGE publications.

Downloads

Publicado

2023-10-20

Como Citar

Castro, R. C. de, & Guimarães Rocha, B. (2023). Argument structure alternations in Tenetehára language (Tupí-Guaraní). Revista Brasileira De Linguística Antropológica, 15(1). https://doi.org/10.26512/rbla.v15i1.49958

Edição

Seção

Artigos