Identidade, transnacionalidade e fronteira entre os Chiquitanos: A Procissão de Santa Ana

Autores

  • Gustavo Santos Teles Colégio Maria Betânia

DOI:

https://doi.org/10.26512/interethnica.v14i1.15351

Palavras-chave:

Antropologia

Resumo

O objetivo desse artigo é realizar uma análise de um ritual presente no imaginário de comunidades do povo Chiquitano na Bolívia e no Brasil. A procissão de Santa Ana, realizada anualmente como iniciativa da comunidade de Santa Ana constitui o objeto de estudo, que só se faz palpável ao retomarmos as construções históricas desse povo, que trazem a tona, relações de poder que atuaram em sua construção identitária.

Esse processo de retomada de fontes históricas está aliado ao um exercício teórico de se pensar esse povo sob a ótica de duas fronteiras nacionais. Analisar como a fronteira atua como espaços de ruptura e conflito, elaborando originalidade
pela multiplicação da experiência e realizando modificações espirituais e como a transnacionalidade atua na relação entre territórios e diferentes arranjos sócio- culturais
e políticos. A busca é então pensar a maneira como o povo Chiquitano representa pertencimento a unidades sócio-culturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG. Universidade Federal de Minas Gerais, 1998.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. “Tempo e Tradição: interpretando a antropologia” In. O Trabalho do Antropólogo. Brasília: Paralelo 15. 1998.

________________________. “O Trabalho do antropólogo: olhar, ouvir e escrever” In. O Trabalho do Antropólogo. Brasília: Paralelo 15. 1998.

______________________. “Do Ãndio ao Bugre”. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.

COSTA, José E. F. Moreira da. A coroa do Mundo: religião, território e territorialidade Chiquitano. Cuiabá: editora da UFMT, 2006.

DUARTE, Luís Sérgio. O conceito de fronteira em Deleuze e Sarduy. In. Textos de História, v. 13, n. 1/2, Goiânia, UFG. 2005

DURKHEIM, Emile. “Capítulo I”“As crenças propriamente totêmicas” In. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. Livro. II. 2. ed. São Paulo: Paulus, 2001.

______________.“Definição do Fenômeno Religioso e da Religião” In. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. Livro. I. 2. ed. São Paulo: Paulus, 2001.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o Profano. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

MALDI, Denise. Guardiães da Fronteira, Rio Guaporé, século XVIII. Petrópolis: Vozes, 1989.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: A degradação do Outro nos confins do humano. São Paulo: HUCITEC, 1997.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

PEIRANO, Mariza G. S. A análise antropológica de rituais. Série Antropológica-Brasilia: 2000.

__________________. Prefácio “Rituais como estratégia analítica e abordagem etnográfica”In. O dito e feito: ensaios de Antropologia dos Rituais”“Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

RIBEIRO, Gustavo Lins. A condição da transnacionalidade. Brasília: UNB, 1997. Disponível em:<http://www.unb.br/ics/dan/Serie223empdf.pdf> acesso em novembro de 2009.

RAMOS, Alcida Rita. Ethnology Brazilian Style, Cultural Anthropology, 1990.

SAID, W. Edward. Orientalismo: o oriente como invenção do ocidente. Tradução Rosaura Eichenberg.- São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SILVA, Joana A. Fernandes. Território e fronteiras Brasil-Bolívia no país dos Chiquitanos. Revista do Museu Antropológico, v. 5/6, jan./dez. 2001-2002.

SILVA, Joana. A. F., ROCHA, Leandro. M., SALOMON, M. (Orgs.). Processos de Territorialização: entre a história e a antropologia. Goiânia: UCG, 2005.

TURNER, Victor Witter. Forestof symbols: Aspects of ndembu ritual (the). Ithaca: Cornell Univ Press 405 p.

TURNER, Victor Witter. Celebration: Studies in festivity and ritual. Washington: Smithsonian Inst

Downloads

Publicado

2014-07-07

Como Citar

TELES, G. S. Identidade, transnacionalidade e fronteira entre os Chiquitanos: A Procissão de Santa Ana. Revista de Estudos em Relações Interétnicas | Interethnica, [S. l.], v. 14, n. 1, 2014. DOI: 10.26512/interethnica.v14i1.15351. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/interethnica/article/view/15351. Acesso em: 5 jun. 2023.