Os moderninhos do sertão: A traição da tradição e o culto à modernidade

Autores

  • Bruno Goulart Machado Silva Doutorando em Antropologia, Universidade de Brasília.

DOI:

https://doi.org/10.26512/interethnica.v14i1.15349

Palavras-chave:

Antropologia

Resumo

O presente trabalho discute a ideologia da sociedade moderna e como os países de terceiro mundo adotaram esses modelos ideológicos nos seus projetos nacionais. Esses modelos criam pedagogias que geram fronteiras internas e montam diferentes estratégias de performances na sociedade nacional. O caso brasileiro, com suas narrativas dualistas, montou uma ideologia híbrida, que se polariza em narrativas expressas em binaridades, como: moderno-tradicional, desenvolvido- subdesenvolvido, sertão-litoral, essa última oposição ó o foco apresentado aqui. O pensamento social no Brasil sempre representou o sertão como uma região concreta: Nordeste, Centro-oeste, Norte de Minas Gerais e partes do Sudeste foram ditos e vistos como sertão. É o caso também do estado de Goiás que desde as bandeiras foi representado como lugar vazio, fronteira a ser ocupada e civilizada, local de formas arcaicas de poder político, marcado por relações personalistas. Mas o sertão é uma região imaginada, não cartografada e construída discursivamente, de modo que as representações sobre o sertão são variadas. Contemporaneamente, em Goiás, as representações de modernidade querem deslocar o sertão para “mais além”. Através de um trabalho empírico com universitários goianos, pretende-se discutir as representações do moderno e do tradicional e como estas instá‚ncias estão imbricadas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: Reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das letras, 1997.

BERNARDES, Carmo. Jurubatuba, Goiânia: Ed. da UFG. 1997.

BHABHA, Homi k. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: Nacional, 1967.

CHAUL, Nasrfayad. Caminhos de Goiás: da construção da decadência aos limites da modernidade. Goiânia: Editora UFG, 1997.

CLIFFORD, James. The Predicament of culture.Cambridge, Massachussets, and London, England: Harvard University Press, 1988.

DE ALBULQUERQUE JR,Durval Muniz. A invenção do nordeste e outras artes. São Paulo: Ed Cortez; Recife: Ed. Massanga, 2001.

DUMONT, Louis. O Individualismo: Uma perspectiva Antropológica da Ideologia Moderna. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

DUSSEL, Enrique. 2004. “Sistema mundo y transmodernidad”.En: Saurabh Dube, Ishita Banerjee y Walter Mignolo (eds.). Modernidades coloniales. México: El Colegio de México.

ELIS, B. Veranico de Janeiro. 4ª ed. Ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.

ÉLIS, Bernardo. O Tronco. Rio de Janeiro: José Olimpio, 1979.

FANON, Franz. Los condenados de la tierra. México, D.F.: Fondo de Cultura Economica, 1986.

JOHNSON, Richard. O que é afinal estudos culturais?. In: Tomaz Tadeu da Silva (org.) O que é afinal estudos culturais? Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

LIMA, Nei Clara. Os crespos do sertão. O Público e o Privado, Fortaleza, n.7, vol.1, jan./jun. 2006.

PECHINCHA, Mônica Thereza Soares. O Brasil no discurso da antropologia nacional. Goiânia: Cânone Editorial, 2006.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Lander, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: clacso, 2005.

RABELO, Francisco Evangelista. Desenvolvimento e identidade: parâmetros da reconstrução das ciências sociais e humanas. Sociedade e Cultura, Goiânia,n.1, vol.1, jan./jun., 1998.

RAMOS, Hugo de Carvalho. Tropas e boiadas. Rio de Janeiro: Lacerda Ed., 2003.

RODRIGUES, Cinthya Maria Costa. A região da aldeia: os pressupostos geográficos-espaciais da literatura goiana e a construção do Sudoeste de Goiás. In: O Público e o Privado, Fortaleza, n.7, vol.1, jan./jun. 2006.

RUTHERFORD, Jonathan e BHABHA, Homi. O terceiro espaço: uma entrevista com Homi Bhabha. Em Rutherford (org.), Identity-community, cultutre, difference. Londres: Lawrence & Wishart, 1990.

SEGATO, Rita Laura. “Introdución”, “Identidades Políticas/Alteridades históricas: uma crítica a las certezas del pluralismo global”. Em: La Nación e sus Otros. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2007.

SENA, Custódia Selma e LIMA, Nei Clara. Regiões e regionalismos. Em Moura e Sena (orgs.) Cidades: relações de poder e cultura urbana. Goiânia: Editora Vieira, 2005.

SENA, Custódia Selma. Interpretações dualistas do Brasil. Goiânia: Editora UFG, 2003.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Puede Hablar el Subalterno? Revista Colombiana de Antropologia, Colombia, Volumen 39, enero-deciembre 2003, pp. 297-364.

SUÁREZ, Mireya. Sertanejo: um personagem mítico. Sociedade e Cultura, Goiânia,n.1, vol.1, jan./jun., 1998.

TADEU DA SILVA, Tomaz. A produção social da identidade e da diferença. In: TADEU DA SILVA, Tomaz(org.) Identidade e diferença: A perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Editora Vozes, 2007.

VICENTINI, Albertina. O sertão e a literatura. Sociedade e Cultura, Goiânia,n.1, vol.1, jan./jun., 1998.

VICENTINI, Albertina. Regionalismo literário e sentidos do sertão. Sociedade e cultura,Goiânia, n.2, v.10, jul./dez. 2008.

Sites:

IBGE. Mapa: Divisões regionais do Brasil-2006. Disponível em: fttp://geoftp.ibge.gov.br/mapas/tematicos/mapas_murais/brasil_divisoes_regionais_2006.pdf Acessado em28out 2009.

Downloads

Publicado

2014-06-26

Como Citar

MACHADO SILVA, Bruno Goulart. Os moderninhos do sertão: A traição da tradição e o culto à modernidade. Revista de Estudos em Relações Interétnicas | Interethnica, [S. l.], v. 14, n. 1, 2014. DOI: 10.26512/interethnica.v14i1.15349. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/interethnica/article/view/15349. Acesso em: 16 jul. 2024.