A caixa acústica na novela Florim: expansão de gêneros e autoria

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2316-4018642

Palavras-chave:

experiências corais, expansão dos gêneros, autoria

Resumo

A novela Florim (2020), de Ruth Ducaso, dá continuidade ao projeto da escritora baiana Luciany Aparecida que, entre outras marcas, utiliza diferentes assinaturas poéticas a depender da dicção e do efeito que pretende produzir como fatura do texto. Nesta obra, condensada em menos de 70 páginas, o leitor conhece a personagem Dita, uma mulher que trabalha no tráfico de drogas, é vendedora de dendê na feira, tem “nove filho” e sonha ser nomeada poeta. Florim é conduzida por três vozes intercaladas; a voz da narradora Dita, o diário da protagonista e a poesia de Dita. Além das três marcações (narração/diário/poesia), há ainda um quarto elemento, também de destaque em todo o texto, a ser creditado à Ruth Ducaso, a voz do Prólogo. São intervenções entre parênteses, em um primeiro momento lembrando o teatro clássico, e que também evocam as “experiências corais” de que fala Flora Sussekind (2013). Neste artigo, analiso as manobras operadas pela escritora Luciany Aparecida, notadamente a assinatura poética e a expansão dos gêneros, com vistas a observar como alguns empreendimentos do contemporâneo propõem novas formas para o literário. Neles, o leitor em um gesto interessado e ativo não se baseia apenas na noção de reconhecimento, mas lança mão de um repertório performático, comum à poesia e ao teatro. Florim, portanto, apesar de catalogado como “novela”, transcende o formato anunciado, como um exemplar da pós-autonomia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio (2013). O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Tradução de Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos.

BARRETO, Lima (2018). Casa dos Poetas. In: BARRETO, Lima. Histórias e sonhos (1920). São Paulo: WMF Martins Fontes. E-book.

BARTHES, Roland (2004). A morte do autor. In: BARTHES, Roland. O rumor da língua. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes (Coleção Roland Barthes).

BOURRIAUD, Nicolas (2009). Pós-produção: como a arte reprograma o mundo contemporâneo. São Paulo: Martins Fontes.

CARRASCOSA, Denise (2020). Posfácio. In: DUCASO, Ruth [Luciany Aparecida]. Florim. Salvador: paraLeLo 13S.

DERRIDA, Jacques (1991). Assinatura Acontecimento Contexto. In DERRIDA, Jacques. Margens da Filosofia. Tradução de Joaquim Costa e António Magalhães. Campinas: Papirus. p. 349-373.

DUCASO, Ruth [Luciany Aparecida] (2019). Contos ordinários de melancolia. Salvador: paraLeLo 13S.

DUCASO, Ruth [Luciany Aparecida] (2020). Florim. Salvador: paraLeLo 13S.

DUCASO, Ruth; PEIXÔTRO, Antônio [Luciany Aparecida] (2018). Auto-retrato. Salvador: Editora Pantim.

FOUCAULT, Michel (2002). O que é um autor? Tradução de António Fernando Cascais. Lisboa: Vega.

GARRAMUÑO, Florencia (2014). Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Tradução de Paloma Vidal. Rio de Janeiro: Rocco.

GÓIS, Edma de (2021). Uma caixa acústica com muitas vozes. Suplemento Pernambuco, Recife, n. 186, p. 28, ago.

GROYS, Boris (2016). La obligación del diseño de si. Traducción del Paola Cortes Rocca. In: GROYS, Boris. Volverse público: las transformaciones del arte en el ágora contemporânea. Buenos Aires: Caja Negra. p. 21-36.

KIFFER, Ana; GARRAMUÑO, Florencia (2014). Expansões contemporâneas: literatura e outras formas. Belo Horizonte: Editora UFMG.

KRAUSS, Rosalind (1983). Sculpture in the expanded field. In: FOSTER, Hal (ed.). The anti-aesthetic: essays on postmodern culture. Washington: Bay Press. p. 31-42.

LUDMER, Josefina (2010). Literaturas pós-autônomas. Sopro 20, Desterro.

PARAÍSO, Margô [Luciany Aparecida] (2018). Ezequiel. Salvador: Editora Pantim.

SANT’ANNA, Sérgio (1989). Um discurso sobre o método. In: SANT’ANNA, Sérgio. A senhorita Simpson: histórias. São Paulo: Companhia das Letras. p. 87-106.

SUSSEKIND, Flora (2013). Objetos verbais não identificados. O Globo, Rio de Janeiro, 21 set. Disponível em: https://blogs.oglobo.globo.com/prosa/post/objetos-verbais-nao-identificados-um-ensaio-de-flora-sussekind-510390.html Acesso em: 27 ago. 2021

VIEIRA JUNIOR. Itamar (2019). Torto Arado. São Paulo: Todavia.

Downloads

Publicado

2021-11-07

Como Citar

Cristina Alencar de Góis, E. . (2021). A caixa acústica na novela Florim: expansão de gêneros e autoria. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (64). https://doi.org/10.1590/2316-4018642