Práticas de prazer na escrita de autoras brasileiras contemporâneas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2316-4018646

Palavras-chave:

Tatiana Nascimento, Cristiane Sobral, Piera Schnaider, Kika Sena

Resumo

Mulheres (tanto cis quanto transgênero) experimentam, muitas vezes, inquietações em torno do prazer corporal devido a repressões e a dinâmicas hegemônicas de poder. As expectativas patriarcais, autoritárias, machistas, coloniais e capitalistas sobre os valores, os papéis e os “lugares” sociais das mulheres contribuem para o estabelecimento desse incômodo. Assim, o conforto de uma mulher com seu próprio corpo e a satisfação de suas necessidades e seus desejos – o que chamo aqui de práticas de prazer – são atos políticos, curativos e libertadores que afrontam normas sociais, particularmente para mulheres com identidades interseccionais e marginalizadas. Baseando-se na teoria do erótico, de Audre Lorde, e no conceito do “direito ao devaneio”, de Tatiana Nascimento, defendo que a prosa e a poesia de escritoras brasileiras LGBTQI+ e/ou negras, publicadas nos últimos cinco anos (desde 2016), atentam para a validação de uma ampla gama de práticas de prazer. Entre essas autoras, encontram-se Carol Bensimon, Cristiane Sobral, Katiana Souto, Kika Sena, Nanda Fer Pimenta, Piera Schnaider e Tatiana Nascimento. Embora as mulheres estejam usando a escrita criativa para afirmação de práticas de prazer há muito tempo, cada nova geração contribui de modo mais acentuado para esse esforço, reiterando que ainda há muito trabalho a ser feito e expandindo as concepções de prazer corporal para além de normas hetero, cis, eurocêntricas e monogâmicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BEAUVOIR, Simone de (1973). The second sex. Tradução de Howard Parshley. Nova Iorque: Vintage Books.

BENSIMON, Carol (2013). Todos nós adorávamos caubóis. São Paulo: Companhia das Letras.

BENSIMON, Carol (2017). O clube dos jardineiros de fumaça. São Paulo: Companhia das Letras.

BRITO, Aline (2019). Referências inspiradoras. Correio Braziliense, Brasília, p. 24, 17 mar.

BROWN, Adrienne Maree (2017). Emergent strategy: shaping change, changing worlds. Chico, Califórnia: AK Press. ProQuest Ebook Central. E-book.

BROWN, Adrienne Maree (org.) (2019). Pleasure activism: the politics of feeling good. Chico, Califórnia: AK Press.

BUTLER, Judith (1990). Gender trouble, feminist theory, and psychoanalytic discourse. In: NICHOLSON, Linda J. (org.). Feminism/Postmodernism. Londres: Routledge. p. 324-340.

DALCASTAGNÈ, Regina (2012). Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Horizonte.

DALCASTAGNÈ, Regina (2014). Por que precisamos de escritoras e escritores negros? In: SILVA, Cidinha da (org.). Africanidades e relações raciais: insumos para políticas públicas na área do livro, leitura, literatura e bibliotecas no Brasil. Brasília: Fundação Cultural Palmares. p. 66-69.

DALCASTAGNÈ, Regina; LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos (orgs.) (2015). Espaço e gênero na literatura brasileira contemporânea. Porto Alegre: Zouk.

FERREIRA-PINTO, Cristina (2004). Gender, discourse, and desire in twentieth-century Brazilian women’s literature. Lafayette, Indiana: Purdue University Press.

FIGUEIREDO, Eurídice (2020). Por uma crítica feminista: leituras transversais de escritoras brasileiras. Porto Alegre: Zouk.

GONZALEZ, Lélia (1988/2021). Por um feminismo afro-latino-americano. Literafro: o portal da literatura afro-brasileira, Belo Horizonte, 3 mar. Disponível em: https://bit.ly/3jNvpFL. Acesso em: 22 set. 2021.

LORDE, Audre (1978/2019). Uses of the erotic. In: BROWN, Adrienne Maree (org.). Pleasure activism: the politics of feeling good. Chico, Califórnia: AK Press. p. 27-35.

MACIEL, Nahima (2018). Conheça a força dos versos femininos do Distrito Federal. Correio Braziliense, Brasília, 12 abr. Disponível em: https://bit.ly/3bl3rfQ. Acesso em: 22 set. 2021.

MCKITTRICK, Katherine (2006). Demonic grounds: black women and the cartographies of struggle. Minneapolis: University of Minnesota Press.

MELO, André Magri Ribeiro; OTHERO, Bruna Kalil; DUARTE, Constância Lima (2019). Poéticas do devir-mulher: ensaios sobre escritoras brasileiras. Belo Horizonte: Letramento.

MORAGA, Cherríe (1993). Queer Aztlán: the re-formation of Chicano tribe. In: MORAGA, Cherríe. The last generation. Boston: South End Press. p. 145-174.

NASCIMENTO, Tatiana (2014). Letramento e tradução no espelho de Oxum: teoria lésbica negra em auto/re/conhecimentos. 2014. Tese (Doutorado em Estudos da Tradução) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/128822. Acesso em: 9 out. 2021.

NASCIMENTO, Tatiana (2017). Lundu,. 2. ed. Brasília: Padê Editorial.

NASCIMENTO, Tatiana (2018). O cuíerlombo da palavra (y da palavra queerlombo...) > poesia preta lgbtqi de denúncia da dor até direito ao devaneio. In: FÁTIMA, Adriana de; SILVA, Susana Souto (org.). Literatura, estética e revolução. Brasília: Universidade de Brasília. p. 7-23.

PIMENTA, Nanda Fer (2018). Sangue. 2. ed. Brasília: Padê Editorial.

RIBEIRO, Djamila (2017). O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento.

SÃO BERNARDO, Ana Cláudia dos Santos (2020). From the dumpster to the bookshelf: literature written by black women in Brazil and the quest for mobility in urban spaces from 1960 to the present. 2020. Tese (Doutorado em Spanish and Portuguese Studies) – University of Minnesota, Minneapolis.

SCHNAIDER, Piera (2018). Água viva. Brasília: Padê Editorial.

SENA, Kika (2017). Periférica. Brasília: Padê Editorial.

SOBRAL, Cristiane (2016). Metamorfose. In: SOBRAL, Cristiane. O tapete voador. Rio de Janeiro: Malê. p. 89-93.

SOUTO, Katiana (2018). Escura.noite. Brasília: Padê Editorial.

TENNINA, Lucía (2015). A voz e a letra da mulher na literatura marginal periférica: figurações e reconfigurações do eu. In: DALCASTAGNÈ, Regina; LEAL, Virgínia Maria Vasconcelos (org.). Espaço e gênero na literatura brasileira contemporânea. Porto Alegre: Zouk. p. 57-83.

TENNINA, Lucía (2017). Cuidado com os poetas! Literatura e periferia na cidade de São Paulo. Tradução de Ari Pimentel. Porto Alegre: Editora Zouk.

VALENTINE, Gill (1996). (Re)negotiating the “heterosexual street”: lesbian production of space. In: DUNCAN, Nancy (org.). BodySpace: destabilising geographies of gender and sexuality. Londres: Routledge. p. 145-154.

Downloads

Publicado

2021-11-07

Como Citar

Beal, S. . (2021). Práticas de prazer na escrita de autoras brasileiras contemporâneas. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (64). https://doi.org/10.1590/2316-4018646