A reinvindicação do espaço urbano em E se eu fosse puta, de Amara Moira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/2316-4018619

Palavras-chave:

cidade, homoerotismo, minorias, resistência

Resumo

Partimos do pressuposto que o relato autobiográfico E se eu fosse puta, de Amara Moira, colabora para a compreensão da estrutura social enquanto espacialidade em constante processo de opressão e resistência. Por meio de atuação literária politicamente engajada, Amara Moira tece relatos autobiográficos que referenciam coletividades historicamente segregadas, reivindicando legitimidade literária e social. Acreditamos que notabilizar representações do urbano presente nas escritas de si permite ordenar representações íntimas da metrópole, possibilitando entender, sob uma ótica socialmente demarcada, a constituição simbólica e cultural dos espaços. A metrópole, assim, efetiva-se enquanto campo que evidencia contradições sociais pungentes, de modo que sua análise e reflexão possibilitam apreender notáveis configurações sociais. Nesse entendimento, ao estabelecer relações entre espaço biográfico e espaço urbano, são ressaltadas perspectivas a contrapelo, pois compreendemos o fenômeno literário em suas implicações sociais e políticas, propondo enfocar a obra de Amara Moira enquanto elemento que, ao defender a democratização dos espaços, privilegia o diálogo com alteridades sexualmente dissidentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Luma Nogueira (2012). Travestis na escola: assujeitamento e resistência à ordem normativa. Tese (Doutorado em Educação) ”“ Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

ARFUCH, Leonor (2010). O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Tradução de Paloma Vidal. Rio de Janeiro: EdUerj.

BARCELLOS, José Carlos (2006). Literatura e homoerotismo em questão. Rio de Janeiro: Dialogarts.

BARTHES, Roland (2002). Semiologia e urbanismo. In: BARTHES, Roland. A aventura semiológica. São Paulo: Martins Fontes.

BENTO, Berenice (2006). A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro, Garamond.

BUTLER, Judith (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CANCLINI, Néstor García (1997). Imaginário urbanos. Buenos Aires: Eudeba.

DALCASTAGNÈ, Regina (2003). Sombras da cidade: o espaço na narrativa brasileira contemporânea. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 21, p. 33-53.

FERNANDES, Carlos Eduardo Albuquerque (2016). Um percurso pelas configurações do corpo de personagens travestis em narrativas brasileiras do século XX: 1960-1980. Tese (Dourado em Letras) ”“ Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

GARRAMUÑO, Florencia (2014). A literatura fora de si. In: GARRAMUÑO, Florencia. Frutos estranhos: Sobre a inespecificidade na estética contemporânea. São Paulo: Rocco. p. 31-48.

GOMES, Renato Cordeiro (1999). A cidade, a literatura e os estudos culturais: do tema ao problema. Ipotesi, Juiz de Fora, v. 3, n. 2, p. 19-30.

KULICK, Don (2008). Travesti: prostituição, sexo, gênero e cultura no Brasil. Tradução de Cezar Gordon. Rio de Janeiro: Fiocruz.

LEFEBVRE, Henri (2002). A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG.

LOURO, Guacira Lopes (2004). Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e a teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica.

MARTINS, Ferdinando (2010). Cenas paralelas: do arcaico ao pós-moderno nas representações do gay no teatro brasileiro contemporâneo. In: COSTA, Horácio. Retratos do Brasil homossexual: fronteiras, subjetividades e desejos. São Paulo: Edusp.

MOIRA, Amara (2016). E se eu fosse puta. São Paulo: Hoo.

OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes de (2017). O diabo em forma de gente: (r)existências de gays afeminados, viados e bichas pretas na educação. Tese (Doutorado em Educação) ”“ Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

OLIVEIRA, Tibério Lima (2013). Travestis e o direito à cidade: sujeitos transgressores em uma sociabilidade perversa. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Serviço Social) ”“ Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

PEDRA, Caio Benevides, (2018). Acesso à cidadania por travestis e transexuais no Brasil: um panorama da atuação do Estado no enfrentamento das exclusões. Dissertação (Mestrado em Administração Pública) ”“ Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte.

PELÚCIO, Larissa, (2012). Subalterno quem, cara-pálida? Apontamentos à s margens sobre pós- -colonialismos, feminismos e estudos queer. Contemporânea, São Carlos, v. 2, n. 2, p. 395-418.

PESAVENTO, Sandra Jatahy (2002). O imaginário da cidade: visões literárias do urbano ”“ Paris, Rio de Janeiro, Porto Alegre. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS.

SILVA, Antonio de Pádua Dias da (2012). A história da literatura brasileira e a literatura gay: aspectos estéticos e políticos. Revista Leitura, Maceió, n. 49, p. 83-108.

SILVA, Antônio Pádua Dias, (2014). A literatura brasileira de temática homoerótica e a escrita de si. Acta Scientiarum. Language and Culture, Maringá, v. 36, n. 1, p. 61-71.

SILVA, Hélio R. S (2007). Travestis: entre o espelho e a rua. Rio de Janeiro: Rocco.

SOUZA JÚNIOR, José Luiz Foureaux de (2007). Herdeiros de Sísifo: teoria da literatura e homoerotismo. Belo Horizonte: Aldrava Letras e Artes.

TREVISAN, João Silvério (2000). Devassos no paraíso: a homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. Rio de Janeiro e São Paulo: Record.

ZANELA, Maria (2018). Acesso à informação para construção da cidadania de mulheres transexuais e travestis: Resoluções do Nome Social como estratégia de inclusão. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 367-396.

Downloads

Publicado

2020-11-22

Como Citar

Leandro Souza Borges Silva, & Ricardo Oliveira de Freitas. (2020). A reinvindicação do espaço urbano em E se eu fosse puta, de Amara Moira. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, (61), 1–10. https://doi.org/10.1590/2316-4018619